Sabe quando o mundo vira de cabeça para baixo, quando você não conhece mais ninguém a sua volta, não compreende nada do que falam e o que sempre pareceu certo já não parece mais?! Foi exatamente assim que me senti quando cheguei pela primeira vez na China. Sabia que seria uma experiência MUITO diferente, mas é na vivência do dia a dia, lidando com os chineses e com a grande diferença cultural, que as coisas, até então, inimagináveis, acontecem. Ficava eu e Rodrigo nos questionando: será que isso só acontece com nós? Quem – na verdade, o que – me ajudou a responder essa pergunta foi o livro da repórter brasileira Sônia Bridi. Entitulado “Laowai – Histórias de uma repórter brasileira na China”, o livro conta as aventuras dela, do marido Paulo Zero e do filho, Pedrinho ao viverem deste lado do mundo. A família se mudou para a capital, Beijing, em 2005 para montar a primeira base da TV Globo no Oriente.

Eles moraram durante dois anos na China e o livro foi lançado em 2008, baseado nas experiências que a família viveu no país, desde situações comuns do cotidiano, como: alugar apartamento, encontrar escola para o filho, solicitar cartão bancário, se comunicar com os locais e com as autoridades, tirar carteira de motorista até os grandes choques culturais. Coisas simples, mas que na China podem se tornar uma história a parte, daquelas para contar para os filhos, netos e quem sabe, até escrever um livro – como Sônia fez. Btw, o livro não poderia ter um título mais adequado. Laowai significa “estrangeiro” em mandarim e se você for um ocidental na China, provavelmente vai ouvir alguém chamando-o assim.

laowai-historias-de-uma-reporter-brasileira-na-china-dica-livro-sonia-bridi

Em Laowai, a repórter conta de forma leve e engraçada histórias super interessantes, emocionantes e até chocantes. Muitas delas eu me identifiquei totalmente, pois já havia passado pelo mesmo. É engraçado pensar que já se passaram quase 10 anos que eles viveram na China e em uma região tão distante de onde moro e ainda hoje as histórias se repetem. Estrangeiro ter cartão de crédito em banco chinês ou celular de linha era inviável, segundo ela. E isso se estende até os dias atuais {aliás, se alguém souber o contrário, por favor, me conte}. O fato de os chineses evitarem se comprometer com respostas concretas era uma coisa que me tirava do sério no início da minha jornada por aqui e Sônia cita o mesmo. “Should be fine” era uma das respostas que ela mais escutava, nunca um “sim” ou um “não”. Alguém lidando com chineses se identifica?

Você sabia que a posição de descanso do chinês é de cócoras? Que eles preferem fazer as necessidades fisiológicas de cócoras a sentar no vaso sanitário? Que escarram e cospem nas ruas ou qualquer outro lugar público? Que eles acham super estranho cumprimentar outras pessoas com beijos e abraços? Que eles tomam água quente em qualquer estação do ano? E que as refeições são feitas em mesas redondas e giratórias e consideradas quase como um ritual sagrado? Essas são apenas algumas curiosidades citadas por Sônia e que nos deparamos no dia a dia vivendo na China. Além de outras que já comentei por aqui, como: as crianças que andam com bumbum de fora (leia mais aqui); a importância da família na sociedade chinesa e os diversos nomes dos membros familiares (aqui); o uso de sombrinhas para evitar a pele bronzeada (aqui) e; o chá visto como uma instituição (aqui). Por essas e outras situações, me admiro que em um país onde a economia é a que mais cresce no mundo atualmente, a tecnologia e a globalização invadem a todo vapor, muitas tradições milenares são mantidas ao pé da letra por tantos e tantos anos e gerações.

Além de narrar situações cômicas, Sônia conta também sobre as ameaças e dificuldades que ela e sua equipe passaram ao tentar gravar certas matérias e com o uso da internet, e ainda o preconceito que ela viveu em alguns momentos, por ser estrangeira. Situações que, felizmente, não acontecem com tanta freqüência hoje em dia. Em quase três anos de China nunca senti preconceito nenhum, pelo contrário, noto como os chineses admiram os ocidentais, seja pela estética ou pelo status que carregam. E não escondem a curiosidade quanto a nós. E isso, com certeza, torna a vivência por aqui mais leve.

Posso dizer que esse livro contribuiu para minha rápida adaptação neste país, o mais populoso do mundo e com costumes e tradições tão diferentes das nossas. Enquanto lia as palavras da jornalista, escutava a voz dela em minha mente narrando cada uma (daquele mesmo jeito que estamos acostumados a assistir no Globo Repórter) e imaginava veemente o cenário descrito por ela. Eu não só compreendi mais sobre a cultura chinesa, como também embarquei em uma viagem à cidades do interior da China, onde o povo leva uma vida muito mais simples e diferente e mantém as tradições muito mais enraizadas do que nas grandes cidades, onde nós expatriados estamos acostumados a morar. Embarquei também para a Índia, onde tive o prazer de saber sobre as experiências de Sônia ao entrevistar o Dalai Lama. E à outros países da Ásia, como Vietnã e Coréia do Sul.

laowai-livro-brasileiros-na-china-dalai-lima

laowai-livro-sonia-bridi-brasileiros-na-china

 

Eu super indico a leitura, pois além de ser um ótimo guia para os estrangeiros recém chegados ao país, esse livro tem humor, histórias interessantíssimas e muita informação sobre cultura, costumes, história, modo de vida e economia. Ela traduz em palavras humoradas como é a vida de um expatriado na China e a leitura é gostosa e fácil de compreender. Vem para a China, tem negócios com clientes chineses ou apenas se interessa pela cultura? Então já pode incluir o Laowai na sua lista de livros desejo. E boa leitura!