Bom, no próprio título do post já fica claro os dois assuntos que quero tratar nesse texto. Mas os que esses dois assuntos tem em comum? Na verdade, tem tudo a ver. 

Talvez muitos que estão de fora não compreendam a verdadeira importância desse feriado de Ano Novo para os chineses, também conhecido como Festival de Primavera. Eles esperam ansiosamente o ano inteiro por essa data. A China praticamente para: os restaurantes e lojas fecham, as empresas entram em recesso por alguns dias e a maioria da população se desloca. Ou seja, é o momento que os trabalhadores tem para descansar do trabalho puxado do ano inteiro. Mas mais importante do que isso, essa é a época do ano que eles conseguem reunir a família e rever os entes queridos. Pessoas importantes que, na maioria das vezes, moram muito longe.

familia chinesa tradição cultura ano novo

Isso porque, se você conversar com algum chinês que mora em cidade grande, como Beijing, Shanghai, Hangzhou, Chongqin, Xian, Guangzhou, Shenzhen e muitas outras, incluindo Xiamen, muito provavelmente ele não é dessa cidade, originalmente. 

A grande maioria da população que vive e trabalha nessas cidades desenvolvidas vem do interior. Eles vem para cá a procura de trabalho. A procura de dinheiro para sustentar a família, que mora no campo. Mãe, pai e até filhos. Porque na cultura chinesa funciona assim: enquanto os pais trabalham, as crianças são cuidadas pelos avós (paternos, geralmente) e se os pais tem que trabalhar em outra cidade, os filhos ficam com os avós na sua terra natal.

E aí entra a questão das crianças e jovens chineses serem conhecidos como egoístas. Uma porque são filhos único e outra por serem criados por avós, que na maioria das vezes não impõe limites e nem dão a atenção necessária que uma criança precisa (não é regra, mas acontece). 

Esses dias estava em um restaurante de Xiamen que costumo frequentar e a chinesa que sempre me atende sentiu-se confortável para desabafar comigo. Eu perguntei à ela se iria viajar no Ano Novo chinês e ela disse que iria para a cidade natal de seu marido, para ver sua filha de oito anos, que mora com os avós paternos. Infelizmente ela não poderia ver os seus pais, que moram em outra cidade. Afinal, ela precisava decidir entre a sua filha e os seus pais. 

Imagina, ela vê a filha apenas duas vezes por ano: uma no Ano Novo chinês e outra no feriado de Independência. E ela contou o quanto estava preocupada, pois a menina ia mal na escola e ninguém dava bola para a criança. Os avós cuidam dos outros netos que são mais novos (e homens!) e não dão muita atenção para a menina. Para nós pode ser uma surpresa saber que os pais só veem os filhos uma ou duas vezes ao ano, mas para os chineses isso é tão comum. Esse nosso papo me lembrou um trecho do livro Laoway, em que a Sônia Bridi relata o quanto ela ficou surpresa ao ver crianças soltas nas ruas do interior, sem qualquer supervisão de um adulto. (Aqui tem um review bem interessante desse livro, que por sinal, é ótimo). 

E a minha surpresa quando ela me perguntou: os ocidentais tem o costume de cuidar de seus próprios filhos, não é?! “É claro que nós cuidamos dos nossos próprios filhos, afinal, nós que escolhemos ter filhos e nós que colocamos eles no mundo” eu pensei na hora, mas a respondi apenas com um educado “sim”. 

Ela poderia trazer sua filha para morar em Xiamen, mas aqui as escolas públicas estão sem vagas e as particulares são caríssimas. Ela também poderia arranjar um emprego em Guangzhou (onde sua filha está) e morar lá, mas ela diz preferir o trabalho dela em Xiamen. Não há como julgar, mas enquanto ouço histórias assim, imagino o que eu ou qualquer outra pessoa criada na mesma cultura, faria em uma situação dessas. Para nós ocidentais é tão difícil pensar em colocar um filho no mundo e dar para outra pessoa criar, mesmo que sejam seus pais, mas na China ainda é muito comum os avós criarem os netos, muitas vezes longe dos pais. Alias, se você pesquisar no Google Imagens a frase “família chinesa” vão aparecer muitas fotos com um casal de idosos, um casal jovem e uma criança, pois os avós são parte muito presente no ambiente familiar. Sempre falo que adoro conhecer a cultura e as tradições deles e pensar em como podemos ser povos tão diferentes.

familia chinesa cultura ano novo chines

Assim como ela, já conheci outros chineses na mesma situação. Em um voo do Brasil para a China conversei com uma chinesa que morava no Brasil com o marido e tinha deixado os filhos na China. Quando perguntei porque, ela respondeu que a educação no Brasil era muito cara e que na China eles passavam o dia na escola e não era preciso se preocupar com alguém para cuida-los. Ela via os filhos a cada dois anos. Conseguem imaginar isso!? 

Quem tem melhores condições financeiras consegue trazer seus filhos e pais para morarem juntos no mesmo lar. No condomínio onde moro, todo dia vejo dezenas de avós cuidando dos netos, enquanto os pais trabalham, meus vizinhos de porta, inclusive. Mas no fim do dia, os pais estão de volta e podem curtir os filhos e dar a atenção que as crianças tanto precisam. Seriam eles sortudos? Acredito que sim. Pois na verdade, nem sempre isso acontece, já que a maioria dos idosos não querem sair do interior para morar na cidade grande e as creches e escolas infantis são realmente caras na China e claro, a maioria da população não tem como sustentar isso. A solução? Deixar as crianças com os avós no interior. 

Quando cheguei na China pela primeira vez e comecei a conhecer mais sobre a cultura do país, achei que histórias assim eram coisa do passado. Mas cada vez mais me convenço de que ainda faz parte da realidade de muita gente. E assim como para nós ocidentais, o Natal é tão esperado, é a época de reunir a família e agradecer, para os chineses, o Ano Novo Lunar tem o mesmo sentido e com um toque ainda mais especial, pois é o único momento do ano em que muitos deles podem voltar para casa e rever toda a família, a tão adorada família.