30 setembro, 2017
FESTIVAIS DA CHINA | GOLDEN WEEK + FESTIVAL DA LUA OU DO MEIO DO OUTONO
Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

Se você está na China, provavelmente, já está de malas prontas para viajar ou esperando seu trem/voo junto de milhões de chineses. Se não está, então tem um tempinho para descobrir o que está acontecendo num dos maiores países do mundo…

É que neste ano de 2017, dois dos maiores festivais nacionais caem na mesma semana! Ou seja, uma semana inteirinha para celebrar o GOLDEN WEEK + o MID-AUTUMN FESTIVAL! Para quem nunca ouviu falar, eu explico:

O 1º de Outubro é o Dia Nacional Chinês ou Chinese National Day {soa mais bonito em inglês, né!?}. Para celebrar essa data tão especial, o governo decreta um feriado nacional de SETE dias (!!) que é a chamada GOLDEN WEEK/SEMANA DE OURO/HUÁNGJīN ZHOU黄金周 (a gente é muito poliglota por aqui rsrsrs)… A China se tornou um país independente em 1949, mais precisamente no dia 21 de Setembro de 1949. Mas a grande cerimônia só aconteceu no dia 1º de outubro do mesmo ano, na gigantesca Tiananmen Square, em Beijing. Por isso, o 1º de outubro ficou sendo a data oficial. 

Até os dias de hoje, é realizado um evento solene na Praça Tiananmen em Beijing para comemorar a independência. Desde 2011, é colocado um enorme vaso com flores (artificiais, claro) no centro da Praça com o tema “Boa Sorte”. O vaso de 2017 tem 17 metros de altura e 50 metros de diâmetro. Coisa pouca…

golden week dia nacional china beijing pequim

Fonte: Xinhuanet

Os chineses tem alguns costumes comuns nessa data, mas viajar para destinos turísticos ou para visitar a família na cidade natal é a principal atividade. Não preciso nem comentar que as estações de trem e os aeroportos ficam lotados, né?! Bem importante se organizar com antecedência.

golden week viagens china multidao

 

Lotados, tipo assim. Porque né, estamos falando do segundo maior feriado do país mais populoso do mundo! Essa foto é de uma estação de trem em Beijing em 2014.

 

 

 

 

Já o MID-AUTUMN FESTIVAL,  o Festival do Meio do Outono, também conhecido como o Festival da Lua, sempre cai no 15º dia do oitavo mês do ano de acordo com o calendário lunar. Como o calendário lunar muda todo ano, a data desse festival, idem. E em 2017, cairá justamente no meio do feriado nacional e será celebrado no dia 04 de outubro. Esse é o segundo festival mais importante da China (depois do Ano Novo Chinês). Como o próprio nome sugere, a data celebra o meio do outono que, segundo os chineses antigos, é a melhor época do ano para a colheita. É nesse momento que a lua fica mais cheia e brilhante, por isso o festival também é conhecido como Festival da Lua.

As tradições principais da data são as reuniões familiares e as oferendas à lua, como forma de agradecimento. E a mais deliciosa delas?! Comer mooncakes!! Os famosos bolinhos são o maior símbolo do Festival do Meio de Outono. Para saber mais sobre o festival e sobre os deliciosos mooncakes, dá uma clique aqui!

mooncake festival do meio de outono china

Então, se você está na China, aproveite o feriado e não esqueça de comer alguns mooncakes. Segundo os chineses, traz sorte e fortuna! uhuulll

Zhōngqiū jié kuàilè 中秋节快乐 (FELIZ FESTIVAL DO MEIO DO OUTONO)

 

SaveMe!
21 julho, 2017
Shanghai Calling | Comédia romântica sobre a vida de um estrangeiro na China
DICAS, LIFESTYLE

O desafio de se mudar para um país como a China pode ser assustador para muita gente. Assim como foi para Sam Chao.

É verdade que a vida de um expatriado recém chegado na China pode não ser muito fácil, especialmente quando estamos falando da cultura, do idioma e das tradições do país. Num primeiro momento, tudo parece tão diferente e até estranho para nós. E Shanghai Calling ou O Chamado de Xangai, evidência exatamente isso: em meio a um enredo de comédia romântica clichê, o filme mostra, de forma divertida, os choques culturais que sofre um ocidental quando chega ao maior país do mundo. Sam Chao, na verdade, é o personagem vivido por Daniel Henney, um americano moderno que mesmo sendo de descendência chinesa, nada sabe sobre a China e muito menos sobre a cultura do país. Advogado de Nova Iorque, ele é transferido por seus chefes para fazer negócios em Shanghai e embarca para a China, totalmente contrariado, mas na esperança de cumprir o seu dever e ser promovido quando voltar à sua cidade natal nos Estados Unidos.

Shanghai Calling filme cultura China

Já no aeroporto de Shanghai, ele conhece a também americana Amanda (Eliza Coupe). Ela é responsável pela recolocação de expatriados na cidade e apresenta Sam à comunidade de Americatown (uma espécie de Chinatown ao contrário) e à dois expats americanos que tornam-se seus amigos ao longo da trama (um deles vivido por Bill Paxton). Na sede de sua empresa em Shanghai, Sam conhece sua assistente chinesa Fang Fang e o seu principal cliente – um americano que o procura pedindo ajuda para tratar de assuntos legais com um empreendedor chinês. É a partir daí que a história começa a se desenrolar e os problemas começam a surgir. Sam não faz o menor esforço para compreender e aceitar os costumes locais, o que torna os problemas ainda maiores – e o filme mais engraçado.

Mas deixando um pouco da história em si de lado, os confrontos do personagem principal com a cultura local e os “perrengues” que ele passa ao chegar na China são os fatos que deixam o filme mais interessante e divertido. E não há como qualquer estrangeiro que tenha se mudado para a China não se identificar com as situações que ocorrem no filme.

Algumas cenas são impagáveis, como: quando Sam dá de cara com a empregada doméstica (chamada em chinês de ayi), dentro de seu apartamento, e ela, sem qualquer descrição, desanda a falar em mandarim sem parar, enquanto ele não entende nada; e quando ele discute horrores com o taxista achando que ele está querendo tirar vantagem sua por ser estrangeiro e não falar o idioma, mas no fundo ele só está tentando ajudar; e a melhor: quando um chinês marca de encontrar Sam em um restaurante comum de comida chinesa e a cada momento senta um chinês na mesa deles, na maior cara dura e com um pote de noodles para comer. E Sam ainda fica preocupado que alguém ali poderia estar entendendo sua conversa secreta, sendo que ninguém sequer sabia falar inglês. Ok, falando assim até parece não ter muita graça, mas quem nunca passou por isso na China? Fazer uma simples pergunta em mandarim e receber uma resposta de 5 minutos, em que você não compreende absolutamente nada? Ou ter que lidar com a falta de privacidade do chinês que gosta de se intrometer em qualquer situação sua? Quando você se identifica e se dá conta que passou pelas mesmas situações do americano no filme, é inevitável segurar a risada.

Essas são situações engraçadas que a maioria dos estrangeiros na China já sentiu na pele… mas também há cenas interessantes que retratam mais detalhes da cultura chinesa. A importância de dar e receber o cartão de visitas com as duas mãos (assim como o dinheiro, o troco, a nota fiscal…) e o modo como os jovens chineses são recebidos pela família da amada, são algumas particularidades culturais mostradas no filme. E além da história, que tem seu toque divertido e charmoso, é importante destacar as cenas capturadas em Shanghai, que mostram uma cidade moderna (repleta de prédios arranha-céu), o The Bund e a Pearl Tower (dois dos principais pontos turísticos) e ainda o lado humilde e tranquilo dos locais.

O filme de Daniel Hsia, é de 2012, mas não deixa de ser bem atual. Pois acredite, todas as situações curiosas (algumas no mínimo, engraçadas) que Sam vive ao chegar na China, qualquer estrangeiro recém chegado ao país estará sujeito a passar. Até porque nada muda muito em cinco anos. No caso de Shanghai, “apenas” algumas dezenas de prédios gigantes a mais, para completar o moderno e grande horizonte da cidade. Um filme leve, engraçado e com toque de romantismo, que faz o telespectador mergulhar no entendimento de como pode ser a vida de um estrangeiro nessa louca e curiosa China.

shanghai calling comedia romantica china

Separa o saco de pipoca, acessa o filme no Netflix ou baixa no Youtube, pois vale a pena! Depois me contem o que acharam 😀

Zài Jian!

 

05 abril, 2017
Alimentos e outros produtos brasileiros na China? Sim, temos o Taobao
Compras, DICAS, LIFESTYLE, Redes Sociais

Uma das coisas que nós brasileiros mais sentimos falta quando moramos fora é a boa e velha comida típica brasileira: arroz, feijão, aquela farofa feita no capricho, guaraná gelada, o nosso querido pão de queijo, entre tantas outras coisas que são a cara da nossa terra.

Na China, até tem o Latina Grill (que eu já contei aqui), um restaurante brasileiro presente em grandes cidades chinesas que quebra um galho quando bate aquela vontade de comer um bom churrasco, com coração de galinha, polenta frita, maionese, caipirinha bem gelada e tudo que temos direito hmmm

Mas nem sempre dá pra ir né?! E também, o que fazer quando você está na China e bate aquela vontade de comer uma comida brasileira e bem caseira? Ahhh nessas horas, ainda bem que tem o TAOBAO!!

Eu já falei sobre ele aqui – o maior site de compras da China (se não do mundo), onde a gente encontra de tudo. Mas tudo mesmo! Inclusive produtos brasileiros e o melhor, produzidos no Brasil e não made in china.

Nas minhas primeiras vindas à China, a mala vinha cheia de mantimentos – tapioca, erva mate para chimarrão, feijão preto (não que na China não tenha, mas o gostinho do brasileiro é melhor) e mais um monte de coisas que não achava por aqui. Mas graças ao Taobao, hoje em dia as malas vem bem menos pesadas haha

E navegando pelo site chinês por algum tempo, cada vez mais, fui encontrando produtos com os quais me identificava. E a felicidade em encontrar comida brasileira acessível na China?! Nossa…. Então aqui vai uma listinha dos produtos brasileiros que podemos encontrar (mantive o nome das lojas em mandarim, para facilitar a busca):

巴西食品在綫 (Brazil Food Online)

Essa é a loja real oficial de produtos brasileiros. Só vende marcas brasileiras e várias coisas gostosas, como: tapioca, Guaraná Antártica, massa para pão de queijo, erva-matebatata palha, biscoito Passatempo {eu nem comia mais quando estava no Brasil, mas tive que encomendar só para matar a saudade}, paçoquinha, suco de açaí, farofa de mandioca, goiabada, cerveja Brahma e até Miojo (que eu não sei quem compraria, já que na China tem uma infinidade de tipos de noodles… mas enfim, tem!). As vezes, algumas mercadorias não tem a pronta-entrega, como é o caso da tapioca, que é um dos campeões de venda, por isso é bom sempre ficar ligado. Quando tem a pronta-entrega chega em casa rapidinho, de dois a três dias. Já comprei diversas vezes e recomendo!

Taobao loja produtos brasileiros compras china

 

巴西顶级有机绿蜂胶原

Essa outra loja também tem “Brazil” no nome (巴西 Bāxī) mas o negócio deles é outro. O principal produto é o extrato de própolis brasileiro, vendido de diversas marcas. Mas para a alegria do bom gaúcho, a loja vende cuia de chimarrão e também erva-mate (ou yerba mate, como esta descrito). Esses produtos são de origem argentina, mas na hora do aperto, é uma boa opção para quem gosta.

Alias, para minha surpresa, tem várias lojas do Taobao que vendem cuia de chimarrão, basta pesquisar por 马黛茶杯 (Mǎ dài chábēi – copo de mate).

E a fruta típica do nosso Brasil, o açaí, tem representante no site chinês. A fruta em si ainda não achei, mas sim o açaí em pó. Basta pesquisar por “acai powder” com “c” mesmo e verá que várias lojas comercializam. A marca é americana, mas claro que deve vir das terras tupiniquins.

Taobao compras açaí brasil

E por último, um alimento que não é somente especialidade brasileira, mas que tenho certeza que todo brasileiro, de norte a sul, adora. É o tal do aipim, também conhecido como mandioca e macaxeira. Aii que delícia!! Pior que nunca encontrava pra vender na China, nem nos maiores supermercados, como Carrefour e Walmart, e sentia a maior falta. Mas aí inventei de traduzir do inglês pro mandarim, pesquisei no Taobao é não é que eu achei!!? Em chinês se chama 木薯 (mùshǔ), então basta pesquisar por esse nome.

Taobao mandioca aipim comida tipica brasileira china

Mas não é só alimentos brasileiros que a gente encontra no Taobao, tem também marcas de cosméticos, como as famosas Boticário e Natura, que eu particularmente adoro! Especialmente os cremes hidratantes, super perfumados. Adorei ter encontrado essas belezinhas pelo site, pois isso era outra coisa que eu costumava trazer do Brasil. Para achar, basta pesquisar por “Boticario” e “Natura Brazil”.

Taobao cremes produtos beleza boticario china

Bom, esses são algumas coisas que eu mais sentia falta de comer depois que vim para a China. E pesquisando no site, conversando com um ali e outro aqui, acabei descobrindo onde achar. Se você conhece mais algum, sua dica será bem vinda nos comentários.

Para falar a verdade, depois que descobri o Taobao, não senti falta de mais nada nas minhas refeições. Claro que o preço dos produtos é mais alto do que os praticados no Brasil, afinal, estamos falando de produtos importados. Mas ainda assim é ótimo saber que temos a ‘quem’ recorrer quando acaba o nosso estoque, não é?!

 

01 fevereiro, 2017
A importância do Ano Novo para as famílias chinesas e o reencontro entre pais e filhos
Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

Bom, no próprio título do post já fica claro os dois assuntos que quero tratar nesse texto. Mas os que esses dois assuntos tem em comum? Na verdade, tem tudo a ver. 

Talvez muitos que estão de fora não compreendam a verdadeira importância desse feriado de Ano Novo para os chineses, também conhecido como Festival de Primavera. Eles esperam ansiosamente o ano inteiro por essa data. A China praticamente para: os restaurantes e lojas fecham, as empresas entram em recesso por alguns dias e a maioria da população se desloca. Ou seja, é o momento que os trabalhadores tem para descansar do trabalho puxado do ano inteiro. Mas mais importante do que isso, essa é a época do ano que eles conseguem reunir a família e rever os entes queridos. Pessoas importantes que, na maioria das vezes, moram muito longe.

familia chinesa tradição cultura ano novo

Isso porque, se você conversar com algum chinês que mora em cidade grande, como Beijing, Shanghai, Hangzhou, Chongqin, Xian, Guangzhou, Shenzhen e muitas outras, incluindo Xiamen, muito provavelmente ele não é dessa cidade, originalmente. 

A grande maioria da população que vive e trabalha nessas cidades desenvolvidas vem do interior. Eles vem para cá a procura de trabalho. A procura de dinheiro para sustentar a família, que mora no campo. Mãe, pai e até filhos. Porque na cultura chinesa funciona assim: enquanto os pais trabalham, as crianças são cuidadas pelos avós (paternos, geralmente) e se os pais tem que trabalhar em outra cidade, os filhos ficam com os avós na sua terra natal.

E aí entra a questão das crianças e jovens chineses serem conhecidos como egoístas. Uma porque são filhos único e outra por serem criados por avós, que na maioria das vezes não impõe limites e nem dão a atenção necessária que uma criança precisa (não é regra, mas acontece). 

Esses dias estava em um restaurante de Xiamen que costumo frequentar e a chinesa que sempre me atende sentiu-se confortável para desabafar comigo. Eu perguntei à ela se iria viajar no Ano Novo chinês e ela disse que iria para a cidade natal de seu marido, para ver sua filha de oito anos, que mora com os avós paternos. Infelizmente ela não poderia ver os seus pais, que moram em outra cidade. Afinal, ela precisava decidir entre a sua filha e os seus pais. 

Imagina, ela vê a filha apenas duas vezes por ano: uma no Ano Novo chinês e outra no feriado de Independência. E ela contou o quanto estava preocupada, pois a menina ia mal na escola e ninguém dava bola para a criança. Os avós cuidam dos outros netos que são mais novos (e homens!) e não dão muita atenção para a menina. Para nós pode ser uma surpresa saber que os pais só veem os filhos uma ou duas vezes ao ano, mas para os chineses isso é tão comum. Esse nosso papo me lembrou um trecho do livro Laoway, em que a Sônia Bridi relata o quanto ela ficou surpresa ao ver crianças soltas nas ruas do interior, sem qualquer supervisão de um adulto. (Aqui tem um review bem interessante desse livro, que por sinal, é ótimo). 

E a minha surpresa quando ela me perguntou: os ocidentais tem o costume de cuidar de seus próprios filhos, não é?! “É claro que nós cuidamos dos nossos próprios filhos, afinal, nós que escolhemos ter filhos e nós que colocamos eles no mundo” eu pensei na hora, mas a respondi apenas com um educado “sim”. 

Ela poderia trazer sua filha para morar em Xiamen, mas aqui as escolas públicas estão sem vagas e as particulares são caríssimas. Ela também poderia arranjar um emprego em Guangzhou (onde sua filha está) e morar lá, mas ela diz preferir o trabalho dela em Xiamen. Não há como julgar, mas enquanto ouço histórias assim, imagino o que eu ou qualquer outra pessoa criada na mesma cultura, faria em uma situação dessas. Para nós ocidentais é tão difícil pensar em colocar um filho no mundo e dar para outra pessoa criar, mesmo que sejam seus pais, mas na China ainda é muito comum os avós criarem os netos, muitas vezes longe dos pais. Alias, se você pesquisar no Google Imagens a frase “família chinesa” vão aparecer muitas fotos com um casal de idosos, um casal jovem e uma criança, pois os avós são parte muito presente no ambiente familiar. Sempre falo que adoro conhecer a cultura e as tradições deles e pensar em como podemos ser povos tão diferentes.

familia chinesa cultura ano novo chines

Assim como ela, já conheci outros chineses na mesma situação. Em um voo do Brasil para a China conversei com uma chinesa que morava no Brasil com o marido e tinha deixado os filhos na China. Quando perguntei porque, ela respondeu que a educação no Brasil era muito cara e que na China eles passavam o dia na escola e não era preciso se preocupar com alguém para cuida-los. Ela via os filhos a cada dois anos. Conseguem imaginar isso!? 

Quem tem melhores condições financeiras consegue trazer seus filhos e pais para morarem juntos no mesmo lar. No condomínio onde moro, todo dia vejo dezenas de avós cuidando dos netos, enquanto os pais trabalham, meus vizinhos de porta, inclusive. Mas no fim do dia, os pais estão de volta e podem curtir os filhos e dar a atenção que as crianças tanto precisam. Seriam eles sortudos? Acredito que sim. Pois na verdade, nem sempre isso acontece, já que a maioria dos idosos não querem sair do interior para morar na cidade grande e as creches e escolas infantis são realmente caras na China e claro, a maioria da população não tem como sustentar isso. A solução? Deixar as crianças com os avós no interior. 

Quando cheguei na China pela primeira vez e comecei a conhecer mais sobre a cultura do país, achei que histórias assim eram coisa do passado. Mas cada vez mais me convenço de que ainda faz parte da realidade de muita gente. E assim como para nós ocidentais, o Natal é tão esperado, é a época de reunir a família e agradecer, para os chineses, o Ano Novo Lunar tem o mesmo sentido e com um toque ainda mais especial, pois é o único momento do ano em que muitos deles podem voltar para casa e rever toda a família, a tão adorada família. 

12 janeiro, 2017
Ano Novo Chinês | O ano do Galo está chegando
Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

Nǐ hǎo,

Primeiramente, desejo um Feliz 2017 à todos leitores!

Nós já estamos em clima de novo ano, mas para os chineses, 2017 ainda não chegou. O Ano Novo Chinês ocorre em uma data diferente a cada ano, pois é baseado no calendário lunar. Neste ano cairá no dia 28 de janeiro. Ou seja, o ano do macaco chega ao fim e dá espaço ao ano do galo. O animal do ano é definido de acordo com o ciclo do zodíaco chinês que conta com 12 animais diferentes (neste post eu conto como eles foram escolhidos, segundo a crença chinesa).

As comemorações começam no dia 27 de janeiro e normalmente duram de uma a duas semanas. Esse feriado – chamado de Chūnjié (春节) ou Festival de Primavera – é o mais longo da China e todo mundo se prepara para viajar. Agora, imagina: 1,4 bilhões de pessoas de um mesmo país se movimentando ao mesmo tempo! Os aeroportos, estações de trem e estradas ficam lotados, é um verdadeiro caos. Não é a toa que esse época do ano é considerada a temporada de viagens mais movimentada do mundo e os chineses tem até um nome para isso: Chūn yún (春云) que significa “movimento da primavera”. Segundo a imprensa internacional, no último ano foram registradas 2.9 bilhões de pessoas transportadas dentro da China. Tem noção do que é isso!?

chun yun ano novo chines

Ok, mas e como essa data é celebrada? Já contei as tradições neste post sobre o último Ano Novo Chinês, mas é sempre bom relembrar e compartilhar novos conhecimentos.

ano novo chines fogos de artificio cidade proibida beijing

• DECORAR AS RUAS, PRÉDIOS E CASAS: nas semanas que antecedem o Festival de Primavera já começamos a ver as ruas, casas, os shoppings e prédios comerciais enfeitados. Praticamente tudo a nossa volta recebe ornamentos vermelhos e amarelos e característicos ao animal do ano, nesse caso, o galo. O ornamento mais comum são as lanternas vermelhas, um dos símbolos da cultura chinesa. Além de dísticos e letreiros. Nest post eu explico mais sobre cada item de decoração usado pelos chineses.

REUNIR A FAMÍLIA NUM JANTAR ESPECIAL: essa é a época do ano que todo chinês volta para casa na sua cidade natal. Durante a noite de Ano Novo toda a família se reune em volta da mesa para fazerem juntos a refeição que eles consideram a mais importante do ano. Peixe e guioza não podem faltar de jeito nenhum.

SOLTAR/ASSISTIR FOGOS DE ARTIFÍCIOS: embora os fogos sejam proibidos na maioria das cidades chineses, devido á poluição, os shows de fogos de artifícios são dignos de comercial. Os chineses acreditam que o barulho dos fogos espanta os espíritos ruins e quanto mais bonitos e duradouros, mas sorte trarão ao novo ano. A comemoração oficial acontece em Beijing, em frente a Cidade Proibida e o show incrível de fogos é transmitido pela CCTV para todo o país.

ENTREGAR ENVELOPES VERMELHOS: os envelopes vermelhos recheados com notas de dinheiro simbolizam o desejo de boa sorte e fortuna. São entregues, principalmente, às crianças e jovens da família. Na era da tecnologia, há aplicativos com envelopes vermelhos simbólicos onde as pessoas podem trocar dinheiro de forma online.

LIMPAR A CASA: a tradição de varrer a casa antes da chegada do Ano Novo espanta as coisas ruins. Mas a casa deve ser varrida antes da noite de Ano Novo. Eles acreditam que limpar a casa nos primeiros dias do novo ano pode levar embora as coisas boas que recém chegaram.

O ANO DO GALO

ano novo chines galo ouro

O galo é o décimo animal do zodíaco chinês. Pessoas que nasceram nos anos: 1921, 1933, 1945, 1957, 1969, 1981, 1993, 2005 e 2017 são considerados galos. E por mais contraditório que pareça ser, a crença chinesa diz que o ano do galo não é um bom ano para quem nasceu no ano do galo. Se você é galo, aqui vão algumas dicas para atrair a sorte e evitar o azar.

Cores e números da sorte: amarelo, dourado e marrom; 5, 7 e 8.

Evitar cores e números: vermelho; 1, 3 e 9.

E já que estou na China, tento seguir as principais tradições (não custa nada né!? Vai que traz muita boa sorte no novo ano lunar…). E você, segue ou seguiria essas tradições chinesas?

21 dezembro, 2016
Dica de leitura | Laowai – Histórias de uma repórter brasileira na China
Comportamento, Cultura, Curiosidades, DICAS

Sabe quando o mundo vira de cabeça para baixo, quando você não conhece mais ninguém a sua volta, não compreende nada do que falam e o que sempre pareceu certo já não parece mais?! Foi exatamente assim que me senti quando cheguei pela primeira vez na China. Sabia que seria uma experiência MUITO diferente, mas é na vivência do dia a dia, lidando com os chineses e com a grande diferença cultural, que as coisas, até então, inimagináveis, acontecem. Ficava eu e Rodrigo nos questionando: será que isso só acontece com nós? Quem – na verdade, o que – me ajudou a responder essa pergunta foi o livro da repórter brasileira Sônia Bridi. Entitulado “Laowai – Histórias de uma repórter brasileira na China”, o livro conta as aventuras dela, do marido Paulo Zero e do filho, Pedrinho ao viverem deste lado do mundo. A família se mudou para a capital, Beijing, em 2005 para montar a primeira base da TV Globo no Oriente.

Eles moraram durante dois anos na China e o livro foi lançado em 2008, baseado nas experiências que a família viveu no país, desde situações comuns do cotidiano, como: alugar apartamento, encontrar escola para o filho, solicitar cartão bancário, se comunicar com os locais e com as autoridades, tirar carteira de motorista até os grandes choques culturais. Coisas simples, mas que na China podem se tornar uma história a parte, daquelas para contar para os filhos, netos e quem sabe, até escrever um livro – como Sônia fez. Btw, o livro não poderia ter um título mais adequado. Laowai significa “estrangeiro” em mandarim e se você for um ocidental na China, provavelmente vai ouvir alguém chamando-o assim.

laowai-historias-de-uma-reporter-brasileira-na-china-dica-livro-sonia-bridi

Em Laowai, a repórter conta de forma leve e engraçada histórias super interessantes, emocionantes e até chocantes. Muitas delas eu me identifiquei totalmente, pois já havia passado pelo mesmo. É engraçado pensar que já se passaram quase 10 anos que eles viveram na China e em uma região tão distante de onde moro e ainda hoje as histórias se repetem. Estrangeiro ter cartão de crédito em banco chinês ou celular de linha era inviável, segundo ela. E isso se estende até os dias atuais {aliás, se alguém souber o contrário, por favor, me conte}. O fato de os chineses evitarem se comprometer com respostas concretas era uma coisa que me tirava do sério no início da minha jornada por aqui e Sônia cita o mesmo. “Should be fine” era uma das respostas que ela mais escutava, nunca um “sim” ou um “não”. Alguém lidando com chineses se identifica?

Você sabia que a posição de descanso do chinês é de cócoras? Que eles preferem fazer as necessidades fisiológicas de cócoras a sentar no vaso sanitário? Que escarram e cospem nas ruas ou qualquer outro lugar público? Que eles acham super estranho cumprimentar outras pessoas com beijos e abraços? Que eles tomam água quente em qualquer estação do ano? E que as refeições são feitas em mesas redondas e giratórias e consideradas quase como um ritual sagrado? Essas são apenas algumas curiosidades citadas por Sônia e que nos deparamos no dia a dia vivendo na China. Além de outras que já comentei por aqui, como: as crianças que andam com bumbum de fora (leia mais aqui); a importância da família na sociedade chinesa e os diversos nomes dos membros familiares (aqui); o uso de sombrinhas para evitar a pele bronzeada (aqui) e; o chá visto como uma instituição (aqui). Por essas e outras situações, me admiro que em um país onde a economia é a que mais cresce no mundo atualmente, a tecnologia e a globalização invadem a todo vapor, muitas tradições milenares são mantidas ao pé da letra por tantos e tantos anos e gerações.

Além de narrar situações cômicas, Sônia conta também sobre as ameaças e dificuldades que ela e sua equipe passaram ao tentar gravar certas matérias e com o uso da internet, e ainda o preconceito que ela viveu em alguns momentos, por ser estrangeira. Situações que, felizmente, não acontecem com tanta freqüência hoje em dia. Em quase três anos de China nunca senti preconceito nenhum, pelo contrário, noto como os chineses admiram os ocidentais, seja pela estética ou pelo status que carregam. E não escondem a curiosidade quanto a nós. E isso, com certeza, torna a vivência por aqui mais leve.

Posso dizer que esse livro contribuiu para minha rápida adaptação neste país, o mais populoso do mundo e com costumes e tradições tão diferentes das nossas. Enquanto lia as palavras da jornalista, escutava a voz dela em minha mente narrando cada uma (daquele mesmo jeito que estamos acostumados a assistir no Globo Repórter) e imaginava veemente o cenário descrito por ela. Eu não só compreendi mais sobre a cultura chinesa, como também embarquei em uma viagem à cidades do interior da China, onde o povo leva uma vida muito mais simples e diferente e mantém as tradições muito mais enraizadas do que nas grandes cidades, onde nós expatriados estamos acostumados a morar. Embarquei também para a Índia, onde tive o prazer de saber sobre as experiências de Sônia ao entrevistar o Dalai Lama. E à outros países da Ásia, como Vietnã e Coréia do Sul.

laowai-livro-brasileiros-na-china-dalai-lima

laowai-livro-sonia-bridi-brasileiros-na-china

 

Eu super indico a leitura, pois além de ser um ótimo guia para os estrangeiros recém chegados ao país, esse livro tem humor, histórias interessantíssimas e muita informação sobre cultura, costumes, história, modo de vida e economia. Ela traduz em palavras humoradas como é a vida de um expatriado na China e a leitura é gostosa e fácil de compreender. Vem para a China, tem negócios com clientes chineses ou apenas se interessa pela cultura? Então já pode incluir o Laowai na sua lista de livros desejo. E boa leitura!

 

24 novembro, 2016
O padrão de beleza oriental
Beleza, BELEZA, Cultura, Curiosidades

conceito de beleza nada mais é a visão de mundo que cada cultura tem e um pouco do que a sociedade impõe ser bonito. Esse conceito muda de região para região. Devido a facilidade de comunicação na sociedade atual, muitos costumes ocidentais e orientais se misturam, mas ainda assim, os orientais mantém forte alguns padrões de beleza.

Enquanto no Brasil as mulheres torcem para a chegada do verão para poder tomar banho de sol e fazem até bronzeamento artificial para ficar da “cor do pecado”. Enquanto frequentam a academia diariamente e mantém uma alimentação saudável para ter aquele corpo malhado, as orientais fazem, praticamente, o oposto.

Então, qual o conceito de beleza entre as chinesas?

Pele branca | Muitas fazem tratamentos estéticos ou usam produtos clareadores para parecem ainda mais brancas. Se protegem do sol e dos raios solares a todo custo, usando sombrinha nas áreas externas, até em dias nublados. É comum vermos as chinesas usando meia-calça branca para dar a sensação de ter as pernas esbranquiçadas. Há diversos aplicativos chineses de fotos em que ao apontar a câmera para o rosto, para tirar a famosa selfie, o app automaticamente mostra a pele lisa e branca e os olhos grandes. Quase um facetune pré-clique. {Photoshop é coisa do passado}

padrao-de-beleza-oriental-chinesa-pele-branca

beleza-chinesa-olhos-grandes-pele-branca

Em tempo: saiba mais sobra a cultura da pele branca e a moda das sombrinhas em dia de sol nesse post.

Magreza | Pernas finas, bumbum pequeno e sabe aquela “pochete” na área do abdômen que toda mulher quer perder? Na China é bonito ter! Para dar um exemplo real, quem me conhece pessoalmente sabe: tenho o biotipo magra, faço bem o tipo mignon. Para se ter uma ideia, tem algumas marcas brasileiras em que dificilmente encontro roupa para o meu tamanho. Mas quando comecei a fazer academia na China, na minha primeira avaliação física, a orientadora – chinesa, por sinal – após ver meu resultado, falou o seguinte “Você está com muita massa muscular nas pernas e por isso não precisa mais malhar membros inferiores. E está com o percentual de gordura abdominal baixo, mulheres precisam ter mais barriga”. Eu só pensei: oi?! Musculosa eu? Me empenho horrores para aumentar a massa magra e continuo magrinha, como limpo para evitar a gordurinha abdominal e escuto isso!? Só na China mesmo. Imagina se ela conhecesse a Sabrina Sato… no mínimo, cômico. Ou seja, ter coxão, bundão, barriga sarada e peito grande não é tão bem visto por aqui. Usar um simples tomara que caia já é considerado sensual demais para os costumes chineses.

padrao-de-beleza-china

Já para os homens, um cara normal, de 1,80m e cerca de 85kg, com músculos, pode ser considerado obeso. Esse é o padrão de beleza na China.

Pálpebra dupla | Há uma cirurgia estética que promete deixar os olhos maiores e consequentemente, mais parecido com os das ocidentais, pois marca o côncavo. Alguns chamam esse efeito de “olhos amendoados”. As chinesas mais vaidosas costumam ir para a Coréia do Sul fazer essa cirurgia, pois os médicos coreanos são os mais conceituados quando o assunto é tratamento de beleza. Quem não tem condições financeiras ou não quer se submeter a uma cirurgia, usa um tipo de adesivo/fita especial para marcar o côncavo. É bem comum na Coréia, pois as coreanas são as mais antenadas em beauty.

padrao-de-beleza-chinesa-olhos-ocidentais

beleza-oriental-olhos-fita

Rosto redondo e feições delicadas | Rosto limpo e oval, semelhante ao formato de um melão, é a preferência dos chineses. É chamado de guāzǐliǎn (臉) sendo que “guāzǐ” significa “semente de melão” e “liǎn” significa “rosto”, em mandarim. Por isso, as orientais nem ligam muito para a moda do contorno da face. Dificilmente você encontrará paletas de contorno nas lojas de maquiagens, quem sabe, com sorte, na Sephora.

Cabelos longos e pretos | Noto que as mais despreocupadas com os padrões de beleza cortam o cabelo bem curtinho, por ser fácil de cuidar. E algumas pintam o cabelo de loiro, amarelo ou colorido, para ser diferente do resto, já que todos os chineses tem cabelo escuro. Mas as revistas de moda e profissionais da área da beleza ainda ditam que o cabelo longo e preto é o mais bonito.

Em contrapartida, há alguns conceitos que nós, brasileiros, damos muito valor quando o assunto é estética, mas que estão no fim da lista de prioridades dos chineses – o sorriso e a depilação. Os chineses não são muito preocupados com o cuidado com os dentes. A maioria tem os dentes tortos e é muito raro ver alguém usando aparelho ortodôntico. Aliás, higiene bucal quase não existe entre os chineses. Certa vez li uma pesquisa que dizia que o brasileiro é o povo que mais escova os dentes por dia, enquanto os chineses estão na ultima colocação, sendo os que menos escovam.

As mulheres também não se importam em mostrar os pêlos, seja eles do buço ou das axilas. Cansei de ver as meninas levantando os braços na academia e mostrando um amontoado de pêlos. Ninguém liga. Elas também não tem o costume de depilar a virilha e nem tirar os pêlos pubianos.

Ao mesmo tempo em que os chineses mantém seus padrões de beleza, que são tão diferentes dos nossos, ocidentais, é incrível como eles admiram a beleza ocidental. Percebo que eles gostam dos olhos grandes, quando são claros então, nem se fala. Minha mãe, que tem o cabelo escuro e olhos verdes fez muito sucesso entre os chineses. Eles nos pararam e pediam para tirar fotos inúmeras vezes. Além da cor e formato dos olhos, o cabelo loiro também chama muito a atenção. Por isso, quando vier à China, prepare-se para receber muitos elogios e pedidos para tirar fotos, você se sentirá quase uma celebridade por aqui. Chega a ser engraçado…

14 agosto, 2016
The Ordinary Road – tema de filme e minha música chinesa preferida
LIFESTYLE

Sabe aquela música que você não gosta, não dá muita atenção, na primeira vez que escuta, mas depois, de tanto escutar, acaba se apaixonando?! Pois é, acho que acontece com todo mundo. E dessa vez aconteceu comigo ao ouvir, repetidas vezes, uma determinada música chinesa. De tanto ouvir nas rádios e na academia eu acabei viciando na música The Ordinary Road ou, mais precisamente, Píng Fán Zhī Lù ( 平凡之路).

A música, do cantor Pu Shu, foi tema do filme The Continent, produzido pelo famoso diretor chinês Han Han e lançado em 2014. Assim que o filme foi para as telas de cinema, a música viralizou, mas eu, como não costumo ir ao cinema assistir filmes em mandarim, conheci a música só neste ano e não consigo mais parar de escutar.

Além da melodia gostosa, a letra é linda. Fala sobre as incertezas do futuro e sobre os altos e baixos da vida.

Abaixo a música e a letra em piyin, para quem quiser acompanhar, com a tradução em inglês. E claro, para os mais avançados, a letra em caracteres chineses. Já ouvi tanto que estou craque no refrão… 😉

pái huái zhe de  zài lù shàng de
徘徊着的    在路上的
Those who wander around on the road

nǐ yào zǒu ma
你要走吗 via via
Are you leaving now? via via

yì suì de   jiāo ào zhe
易碎的   骄傲着
Being fragile and proud

nà yě céng shì wǒ de mú yàng
那也曾是我的模样
That is how I once was.

fèi téng zhe de  bù ān zhe de
沸腾着的    不安着的
Those who are passionate and upset

nǐ yào qù nǎ
你要去哪 via via
Where are you leaving for? via via

mí yí yàng de  chén mò zhe de
谜一样的  沉默着的
Like a mystery, and so silent

gù shì  nǐ zhēn de zài tīng ma
故事  你真的   在听吗
Are you really listening to the story?

wǒ céng jīng kuà guò shān hé dà hǎi yě chuān guò rén shān rén hǎi
我 曾经 跨过 山和大海              也 穿过 人山 人海
I’ve crossed untold mountains and oceans, as well as through huge crowds

wǒ céng jīng yōng yǒu zhe yī qiè zhuǎn yǎn dōu piāo sàn rú yān
我曾经拥有着一切               转眼都飘散如烟
Once, I had everything; but soon, it was all gone

wǒ céng jīng shī luò shī wàng shī diào suǒ yǒu fāng xiàng
我曾经 失落 失望 失掉 所有方向
Once, I was frustrated, desperate and even lost all my direction

zhí dào kàn jiàn píng fán cái shì wéi yī de dá àn
直到看见平凡才是唯一的答案
Only to find the only answer is on the ordinary road.

dāng nǐ réng rán  hái zài huàn xiǎng
当你仍然          还在幻想
While you are still wondering

nǐ de míng tiān
你的明天 via via
That your future via via

tā huì hǎo ma hái shì gèng làn
她会好吗 还是更烂
Will it better or get worse?

duì wǒ ér yán shì lìng yì tiān
对我而言是另一天
Another day for me has passed.

wǒ céng jīng huǐ le wǒ de yī qiè zhǐ xiǎng yǒng yuǎn de lí kāi
我曾经毁了我的一切 只想永远地离开
I once ruined everything so I just had to disappear forever.

wǒ céng jīng duò rù wú biān hēi àn  xiǎng zhēng zhá  wú fǎ zì bá
我曾经堕入无边黑暗 想挣扎无法自拔
I fell into the endless darkness, failing to help myself.

wǒ céng jīng xiàng nǐ xiàng tā xiàng nà yě cǎo yě huā
我曾经像你像他像那野草野花
I used to be the one like you, like him, like wild flowers

jué wàng zhe kě wàng zhe kū zhe xiào zhe píng fán zhe
绝望着 渴望着 哭着笑着平凡着
Full of despair and longing, crying, smiling and being ordinary

xiàng qián zǒu jiù zhè me zǒu jiù suàn nǐ bèi gěi guò shén me
向前走 就这么走 就算你被给过什么
Go ahead, exactly in this way, no matter what you’ve suffered

xiàng qián zǒu jiù zhè me zǒu jiù suàn nǐ bèi duó zǒu shén me
向前走 就这么走 就算你被夺走什么
Go ahead, exactly in this way, no matter what has been taken away from you.

xiàng qián zǒu jiù zhè me zǒu jiù suàn nǐ huì cuò guò shén me
向前走 就这么走 就算你会错过什么
Go ahead, exactly in this way, though you will miss something

xiàng qián zǒu jiù zhè me zǒu jiù suàn nǐ huì
向前走 就这么走 就算你会
Go ahead, exactly in this way, no matter what you …
(Repeating)
Wo ceng jing wèn biàn zhěng gè shì jiè  cóng lái méi dé dào dá àn
我曾经问遍整个世界 从来没得到答案
I asked the whole world, but never got the answer.

wǒ bù guò xiàng nǐ xiàng tā xiàng nà yě cǎo yě huā
我不过像你像他像那野草野花
I used to be the one like you, like him, like wild flowers

míng míng zhōng zhè shì wǒ wéi yī yào zǒu de lù a
冥冥中这是我 唯一要走的路啊
The one way I want to go is doomed.

shí jiān  wú yán rú cǐ zhè bān
时间无言 如此这般
As time flies, just like that

míng tiān yǐ zài  yǎn qián
明天已在眼前
Tomorrow is just around the corner

fēng chuī guò de lù yī rán yuǎn
风吹过的 路依然远
With the breeze blowing, there is a long way to go.

nǐ de gù shì jiǎng dào le nǎ
你的故事讲到了哪
Your story,  how is it going?

E aí, gostou?

29 julho, 2016
Costumes chineses que qualquer estrangeiro vai estranhar quando chegar a China
Comportamento, Curiosidades, LIFESTYLE

Depois de passar algum tempo fora da China a gente até esquece um pouco de como é a vida por esse lado do mundo e as cenas “bizarras” as quais nos deparamos no cotidiano. Mas basta aterrissar em qualquer aeroporto internacional do país e ver aquele monte de gente de olho puxado e cabelo escuro na maior pressa para sair do avião ou quase atropelando uns aos outros para chegar bem perto da esteira de bagagens.  No meu caso, nem precisei chegar a China para dar de cara com eles, os chineses. Ainda no Brasil, no voo que peguei para ir de Porto Alegre à Guarulhos, havia dois chineses (chinês mesmo, conversando em mandarim). No terminal novo do aeroporto de Guarulhos eles aparecem aos montes e quase sempre em grupos. Eu sei que os chineses são a maior população do mundo e estão por todo canto, mas fico impressionada com a quantidade de chineses que costumo encontrar em GRU. Bom, na primeira etapa do voo, que era Brasil-Dubai, já veio um taiwanês do meu lado e uma chinesa atrás, ou seja, estava praticamente rodeada por eles antes mesmo de sair do Brasil. O que quero dizer é que nem precisei chegar na China para relembrar alguns hábitos chineses, que quem é de fora pode estranhar, e muito. Agora, que hábitos são esses?

Cuspir, arrotar, peidar…

Muita gente me questiona sobre os chineses: é verdade que eles arrotam e peidam por aí? No fundo, acho que a pessoa quer que eu responda “não”. Mas sim, é verdade. Cuspir é a coisa mais comum que você verá os chineses fazendo (fora comer). Eles cospem o tempo todo, na rua e as vezes até em ambientes fechados, como no metrô, no ônibus. O pior é quando antes do cuspe vem o catarro, que eles puxam lá do fundo da alma e depois expelem. No início é difícil não olhar e fazer cara de nojo, mas hoje em dia, já não ligo mais tanto.

Placa: por favor, não cuspa
Placa: por favor, não cuspa

Arroto tem também, viu. Eles arrotam sem constrangimento nenhum, porque isso tudo é muito normal. E quando alguém dá um arroto em público, ninguém liga. Eu já levei arroto na cara. E sabe quando acontece e você fica esperando a pessoa pedir desculpas ou ficar constrangida? Esqueça! Para os chineses isso é sinal de saúde.

E o pior dos costumes, o peido. Não vou dizer que não acontece com frequencia, mas Graças a Deus, não me lembro de ter passado por essa situação com chineses. Talvez porque as flatulências podem ser silenciosas e essas, vixi… são as piores.

Mas para explicar melhor: na cultura chinesa, o correto é eliminar tudo o que faz mal para o corpo e os chineses respeitam os sinais que o corpo manda e na hora que ele manda. Por isso, cuspir, arrotar e peidar não é sinônimo de falta de educação.

Falar alto…

Tá bom, não vou mentir. Eles não falam alto. Eles gritam!

Você pode até se assustar quando ver dois o mais chineses gritando um com o outro, achando que está rolando a maior briga. Mas na maioria das vezes, eles estão apenas “conversando” sobre o tempo, sobre comida ou outras coisas simples da vida. O costume de gritar falar alto, dizem vir dos tempos de ditadura, onde só quem gritava era ouvido (ou não, vai saber…). Além de falar alto, tem mulheres que falam com a voz tão aguda, que como dizem os gaúchos: parece uma taquara rachada. Chega a doer os ouvidos, mas tudo é questão de se acostumar ou de aprender a mandar baixar o tom rsrsrs

Andar com sombrinha em dia de sol

Imagina que você vai sair de casa, olha pela janela e se depara com um dia lindo de sol e céu azul. Você jamais vai cogitar pegar uma sombrinha, certo!? Pois na China, sol e sombrinha são inseparáveis. O acessório, como o nome já diz, é para fazer sombra, ou seja, ajudar a proteger do sol e do bronze. O uso da sombrinha pelas chinesas é um costume totalmente voltado para a estética, pois os orientais preferem pele branca à bronzeada. Nesse post eu conto mais sobre esse costume tão forte entre as chinesas.

sombrinha dia de sol habitos chineses

Bebes e crianças andam de bumbum de fora…

…e fazem xixi e otras cositas más onde e quando bem entenderem. Dá uma olhada nesse post, onde conto mais dessa “mania” fofa.

amigos pijama bunda de fora

Dormir em qualquer canto

Eles dormem em qualquer canto mesmo, em público, sem vergonha e sem cerimônias. No banco da praça em plena tarde, com um multidão de gente passando. Dentro do carro estacionado num sol de 40 graus a pino e sem ar-condicionado ligado. Em pé no metrô, escorado na mesa do restaurante e até acocado no meio da calçada. A hora do sono é tão sagrada para os chineses que já perdi as contas de quantas vezes fui em algum comércio ou empresa perto do horário de almoço, e peguei o funcionário dormindo. Tenho a impressão que é só dar uma escoradinha e eles já entram em sono profundo. É tão comum se deparar com cenas de chineses dormindo em qualquer canto e de qualquer jeito, que um estrangeiro até criou o site Sleeping Chinese, onde as pessoas postam cliques dos adormecidos.

dormir em publico costume china

habitos chineses dormir qualquer lugar

Agora confessa… tem gente que ficou com inveja dessa facilidade para pegar no sono, ein!?

E por último e talvez o hábito que mais me tira do sério…

Mastigar de boca aberta

E isso não é questão de classe social. Gente que frequente restaurante chic também tem esse hábito. Imagina que desagradável você em um restaurante com o(a) companheiro(a) conversando sobre qualquer assunto do cotidiano e ouvindo cada mastigada da pessoa ao lado!? Minha dica é: assim que chegar em um restaurante, preste atenção nas pessoas que estão sentadas próximas da mesa disponível. Se estiverem comendo de boca aberta, fuja (!) e procure outras mesas vazias.

Está com viagem marcada para a China? Agora já sabe o que pode encontrar pela frente…

 

20 julho, 2016
Meu look noiva (no melhor estilo Chanel)
Beleza, BELEZA, LIFESTYLE, Look do Dia, MODA

Olá pessoal, hellooo, ni hao….

Estou de volta à China e ao meu mundinho virtual. Será que alguém sentiu minha falta por aqui? Deixei meu filho (o blog) meio abandonado no último mês, mas é porque tive que me dedicar inteiramente à assuntos pessoais. Passei um bom período de “férias” no Brasil, que de férias não tiveram nada. Fiquei boa parte do tempo organizando as coisas para o meu casamento e construindo e reformando nosso ap no Brasil {antes que alguém pergunte, não temos pretensão de voltar a morar no Brasil, esse ap já existe antes da vinda para a China} e nossa, não tinha ideia de como isso dá trabalho. O tempo que sobrava eu queria passar com minha família e amigos e por isso o blog ficou um pouco de lado.

Aproveitamos esse período no Brasil, eu e o Rodrigo, para oficializar de vez nossa união, ou seja, casar no civil. E casamento é coisa importante, não é!? Então acho que estou perdoada por sumir daqui…

E quando se fala em casamento civil, a grande dúvida é: que tipo de roupa usar!? Como o vestido que usei fez o maior sucesso, resolvi postar aqui no blog, até para ajudar aquelas que passam pela mesma indecisão que eu passei.

Quando o casamento é no verão, a escolha fica mais fácil. É só jogar um vestido branco ou off white ou um macacão de alfaiataria e tá tudo certo. Mas meu casamento foi em junho e no sul faz muito frio nessa época do ano, então precisava de um look condizente com a estação. Minha ideia inicial era usar um conjunto de terninho com calça flare de alfaiataria, bem chic e estiloso. Mas vai achar esse modelito na cor branca em pleno inverno?! No frio, as pessoas preferem usar preto, cinza, marrom e as coleções costumam trazer tons mais escuros. A segunda opção era um macacão de alfaiataria, minha peça favorita, mas de novo, difícil de achar em cor clara.

Mas quando bati o olho nesse vestido, sabia que era ele! O modelo é sério, como a ocasião pede, mas tem um toque sexy e ousado, devido ao comprimento curto da saia e a tela, que deixa uma parte do colo a mostra. Como dizem, sexy sem ser vulgar kkkkkk

20160624_EvelynRoro_0701

20160624_EvelynRoro_0703

20160624_EvelynRoro_0717

E a pergunta que muitas me fizeram: ele veio da China? A boa notícia para quem está no Brasil é “NÃO”. O vestido é da marca brasileira Iorane (queridinha da Thássia Naves e de várias blogueiras famosas) e faz parte da coleção atual. Além de lindo, o modelo lembra o clássico taulleur da Chanel. Serviu tão bem que parece que foi feito pra mim. E modestia a parte, ficou perfeito!

E como sou das noivas mais moderninhas, optei por um scarpin burgundy, mesma cor das unhas. Queria uma maquiagem leve e natural, mas a Josi Schweig (minha maquiadora preferida) fez um olho bem marcado que era para ficar bem na foto. O cabelo usei meio preso para trás, com trancinhas finas, um penteado bem descontraído e atual.

20160624_EvelynRoro_0713

Aproveito o post para mostrar um pouquinho da decoração do almoço de comemoração. Fizemos uma coisa pequena, só para família e algumas madrinhas. Mas eu que organizei tudo com a ajuda da minha mãe. Sou o tipo de pessoa que gosta das coisas do meu jeito, então o que estiver ao meu alcance, eu mesmo gosto de fazer. A decoração foi simples, mas feita com muito carinho e dedicação.

20160624_EvelynRoro_0593

20160624_EvelynRoro_0404

20160624_EvelynRoro_0406

Coisa boa compartilhar um pouco desse momento tão especial e que ficará para sempre registrado. Agora quero saber dos comentários…. Gostaram?