29 julho, 2016
Costumes chineses que qualquer estrangeiro vai estranhar quando chegar a China
Comportamento, Curiosidades, LIFESTYLE

Depois de passar algum tempo fora da China a gente até esquece um pouco de como é a vida por esse lado do mundo e as cenas “bizarras” as quais nos deparamos no cotidiano. Mas basta aterrissar em qualquer aeroporto internacional do país e ver aquele monte de gente de olho puxado e cabelo escuro na maior pressa para sair do avião ou quase atropelando uns aos outros para chegar bem perto da esteira de bagagens.  No meu caso, nem precisei chegar a China para dar de cara com eles, os chineses. Ainda no Brasil, no voo que peguei para ir de Porto Alegre à Guarulhos, havia dois chineses (chinês mesmo, conversando em mandarim). No terminal novo do aeroporto de Guarulhos eles aparecem aos montes e quase sempre em grupos. Eu sei que os chineses são a maior população do mundo e estão por todo canto, mas fico impressionada com a quantidade de chineses que costumo encontrar em GRU. Bom, na primeira etapa do voo, que era Brasil-Dubai, já veio um taiwanês do meu lado e uma chinesa atrás, ou seja, estava praticamente rodeada por eles antes mesmo de sair do Brasil. O que quero dizer é que nem precisei chegar na China para relembrar alguns hábitos chineses, que quem é de fora pode estranhar, e muito. Agora, que hábitos são esses?

Cuspir, arrotar, peidar…

Muita gente me questiona sobre os chineses: é verdade que eles arrotam e peidam por aí? No fundo, acho que a pessoa quer que eu responda “não”. Mas sim, é verdade. Cuspir é a coisa mais comum que você verá os chineses fazendo (fora comer). Eles cospem o tempo todo, na rua e as vezes até em ambientes fechados, como no metrô, no ônibus. O pior é quando antes do cuspe vem o catarro, que eles puxam lá do fundo da alma e depois expelem. No início é difícil não olhar e fazer cara de nojo, mas hoje em dia, já não ligo mais tanto.

Placa: por favor, não cuspa
Placa: por favor, não cuspa

Arroto tem também, viu. Eles arrotam sem constrangimento nenhum, porque isso tudo é muito normal. E quando alguém dá um arroto em público, ninguém liga. Eu já levei arroto na cara. E sabe quando acontece e você fica esperando a pessoa pedir desculpas ou ficar constrangida? Esqueça! Para os chineses isso é sinal de saúde.

E o pior dos costumes, o peido. Não vou dizer que não acontece com frequencia, mas Graças a Deus, não me lembro de ter passado por essa situação com chineses. Talvez porque as flatulências podem ser silenciosas e essas, vixi… são as piores.

Mas para explicar melhor: na cultura chinesa, o correto é eliminar tudo o que faz mal para o corpo e os chineses respeitam os sinais que o corpo manda e na hora que ele manda. Por isso, cuspir, arrotar e peidar não é sinônimo de falta de educação.

Falar alto…

Tá bom, não vou mentir. Eles não falam alto. Eles gritam!

Você pode até se assustar quando ver dois o mais chineses gritando um com o outro, achando que está rolando a maior briga. Mas na maioria das vezes, eles estão apenas “conversando” sobre o tempo, sobre comida ou outras coisas simples da vida. O costume de gritar falar alto, dizem vir dos tempos de ditadura, onde só quem gritava era ouvido (ou não, vai saber…). Além de falar alto, tem mulheres que falam com a voz tão aguda, que como dizem os gaúchos: parece uma taquara rachada. Chega a doer os ouvidos, mas tudo é questão de se acostumar ou de aprender a mandar baixar o tom rsrsrs

Andar com sombrinha em dia de sol

Imagina que você vai sair de casa, olha pela janela e se depara com um dia lindo de sol e céu azul. Você jamais vai cogitar pegar uma sombrinha, certo!? Pois na China, sol e sombrinha são inseparáveis. O acessório, como o nome já diz, é para fazer sombra, ou seja, ajudar a proteger do sol e do bronze. O uso da sombrinha pelas chinesas é um costume totalmente voltado para a estética, pois os orientais preferem pele branca à bronzeada. Nesse post eu conto mais sobre esse costume tão forte entre as chinesas.

sombrinha dia de sol habitos chineses

Bebes e crianças andam de bumbum de fora…

…e fazem xixi e otras cositas más onde e quando bem entenderem. Dá uma olhada nesse post, onde conto mais dessa “mania” fofa.

amigos pijama bunda de fora

Dormir em qualquer canto

Eles dormem em qualquer canto mesmo, em público, sem vergonha e sem cerimônias. No banco da praça em plena tarde, com um multidão de gente passando. Dentro do carro estacionado num sol de 40 graus a pino e sem ar-condicionado ligado. Em pé no metrô, escorado na mesa do restaurante e até acocado no meio da calçada. A hora do sono é tão sagrada para os chineses que já perdi as contas de quantas vezes fui em algum comércio ou empresa perto do horário de almoço, e peguei o funcionário dormindo. Tenho a impressão que é só dar uma escoradinha e eles já entram em sono profundo. É tão comum se deparar com cenas de chineses dormindo em qualquer canto e de qualquer jeito, que um estrangeiro até criou o site Sleeping Chinese, onde as pessoas postam cliques dos adormecidos.

dormir em publico costume china

habitos chineses dormir qualquer lugar

Agora confessa… tem gente que ficou com inveja dessa facilidade para pegar no sono, ein!?

E por último e talvez o hábito que mais me tira do sério…

Mastigar de boca aberta

E isso não é questão de classe social. Gente que frequente restaurante chic também tem esse hábito. Imagina que desagradável você em um restaurante com o(a) companheiro(a) conversando sobre qualquer assunto do cotidiano e ouvindo cada mastigada da pessoa ao lado!? Minha dica é: assim que chegar em um restaurante, preste atenção nas pessoas que estão sentadas próximas da mesa disponível. Se estiverem comendo de boca aberta, fuja (!) e procure outras mesas vazias.

Está com viagem marcada para a China? Agora já sabe o que pode encontrar pela frente…

 

SaveMe!
20 julho, 2016
Meu look noiva (no melhor estilo Chanel)
Beleza, BELEZA, LIFESTYLE, Look do Dia, MODA

Olá pessoal, hellooo, ni hao….

Estou de volta à China e ao meu mundinho virtual. Será que alguém sentiu minha falta por aqui? Deixei meu filho (o blog) meio abandonado no último mês, mas é porque tive que me dedicar inteiramente à assuntos pessoais. Passei um bom período de “férias” no Brasil, que de férias não tiveram nada. Fiquei boa parte do tempo organizando as coisas para o meu casamento e construindo e reformando nosso ap no Brasil {antes que alguém pergunte, não temos pretensão de voltar a morar no Brasil, esse ap já existe antes da vinda para a China} e nossa, não tinha ideia de como isso dá trabalho. O tempo que sobrava eu queria passar com minha família e amigos e por isso o blog ficou um pouco de lado.

Aproveitamos esse período no Brasil, eu e o Rodrigo, para oficializar de vez nossa união, ou seja, casar no civil. E casamento é coisa importante, não é!? Então acho que estou perdoada por sumir daqui…

E quando se fala em casamento civil, a grande dúvida é: que tipo de roupa usar!? Como o vestido que usei fez o maior sucesso, resolvi postar aqui no blog, até para ajudar aquelas que passam pela mesma indecisão que eu passei.

Quando o casamento é no verão, a escolha fica mais fácil. É só jogar um vestido branco ou off white ou um macacão de alfaiataria e tá tudo certo. Mas meu casamento foi em junho e no sul faz muito frio nessa época do ano, então precisava de um look condizente com a estação. Minha ideia inicial era usar um conjunto de terninho com calça flare de alfaiataria, bem chic e estiloso. Mas vai achar esse modelito na cor branca em pleno inverno?! No frio, as pessoas preferem usar preto, cinza, marrom e as coleções costumam trazer tons mais escuros. A segunda opção era um macacão de alfaiataria, minha peça favorita, mas de novo, difícil de achar em cor clara.

Mas quando bati o olho nesse vestido, sabia que era ele! O modelo é sério, como a ocasião pede, mas tem um toque sexy e ousado, devido ao comprimento curto da saia e a tela, que deixa uma parte do colo a mostra. Como dizem, sexy sem ser vulgar kkkkkk

20160624_EvelynRoro_0701

20160624_EvelynRoro_0703

20160624_EvelynRoro_0717

E a pergunta que muitas me fizeram: ele veio da China? A boa notícia para quem está no Brasil é “NÃO”. O vestido é da marca brasileira Iorane (queridinha da Thássia Naves e de várias blogueiras famosas) e faz parte da coleção atual. Além de lindo, o modelo lembra o clássico taulleur da Chanel. Serviu tão bem que parece que foi feito pra mim. E modestia a parte, ficou perfeito!

E como sou das noivas mais moderninhas, optei por um scarpin burgundy, mesma cor das unhas. Queria uma maquiagem leve e natural, mas a Josi Schweig (minha maquiadora preferida) fez um olho bem marcado que era para ficar bem na foto. O cabelo usei meio preso para trás, com trancinhas finas, um penteado bem descontraído e atual.

20160624_EvelynRoro_0713

Aproveito o post para mostrar um pouquinho da decoração do almoço de comemoração. Fizemos uma coisa pequena, só para família e algumas madrinhas. Mas eu que organizei tudo com a ajuda da minha mãe. Sou o tipo de pessoa que gosta das coisas do meu jeito, então o que estiver ao meu alcance, eu mesmo gosto de fazer. A decoração foi simples, mas feita com muito carinho e dedicação.

20160624_EvelynRoro_0593

20160624_EvelynRoro_0404

20160624_EvelynRoro_0406

Coisa boa compartilhar um pouco desse momento tão especial e que ficará para sempre registrado. Agora quero saber dos comentários…. Gostaram?

02 junho, 2016
Comemorando o Dia das Crianças na China
Curiosidades, LIFESTYLE

Consideradas os futuros guardiões da nação, as crianças são surpreendentemente muito bem respeitadas na China. Idosos chegam a se levantar dos bancos do transporte público, para dar lugar à uma mãe com filho no colo ou até mesmo para crianças com idade (e energia) suficiente para ficar horas em pé. Já vi cenas assim diversas vezes, por isso tenho a impressão de que as crianças chinesas são mais respeitadas que o idosos. Por isso, o dia 1º de junho é uma data importante para os chineses, pois é comemorado o Dia das Crianças, conhecido como International Children Day ou Liù Yī Guójì Értóng Jié (六一国际儿童节), em mandarim.

Dia das criancas chinesas

A data é celebrada internacionalmente e foi definida em 1949 pela “Democratic Federation of Women”, com o objetivo de beneficiar e promover o bem-estar das crianças do mundo todo, ajudar aquelas em situação de pobreza, evitar o trabalho infantil e melhorar a educação dada aos pequenos. A China foi um dos primeiros países a apoiar e aderir a data.

No dia de hoje, é feriado oficial nas escolas da China. Os pais aproveitam para levar os filhos nos parques para brincar, participar de jogos e espetáculos organizados. O governo realiza eventos de entretenimento para as crianças em várias partes do país e os muitos lugares públicos tem entrada gratuita. Os parques e shoppings ficam lotados! Pois vamos combinar: criança é o que não falta na China rsrsrs O 1º de junho é um dia de brincadeiras, muita alegria e diversão para as famílias chinesas.

crianca brincando dia das criancas

playground crianças (Copy)

28 maio, 2016
A celebração do casamento na cultura chinesa
Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

Maio é conhecido como o mês das noivas e por isso, nada mais justo do que falar sobre o assunto por aqui. No post de hoje, vou contar curiosidades sobre a união entre casais chineses, as tradições e os costumes mais importantes.

Duas professoras de mandarim da escola onde estudo se casaram recentemente. E me contaram cada detalhe do casamento, desde os preparativos até o dia da celebração. E foi aquele tipo de conversa de ficar de queixo caído de tão surpresa, afinal, os costumes, mais uma vez, são muito diferentes do Brasil e do que estamos acostumados a vivenciar.
.
IMG_0733
.
Como comentei no post sobre as mães, a família tem um valor realmente muito importante na sociedade chinesa. Desde os tempos antigos, o casamento e o nascimento de um filho são os momentos mais significativos na vida de uma pessoa.
.
A partir da Dinastia Qin (221 aC – 206 aC) até a Dinastia Qing (1644 – 1911) os casamentos eram arranjados. Formar uma família era muito mais importante do que encontrar a pessoa amada, por isso, os casamentos aconteciam de acordo com a vontade dos pais dos noivos. E a riqueza e o status social das famílias eram os principais quesitos a serem levados em consideração. Sendo assim, quando a família do noivo era rica, o jovem só poderia se casar com uma moça de mesmo nível social e uma jovem de família humilde jamais seria aceita em uma família com muitos bens.
.
Nos dias atuais, há informações de que isso ainda aconteça nas famílias mais tradicionais e naquelas cheias do dinheiro. Na cultura chinesa, o casamento acontece cedo. Quanto mais cedo o jovem constituir família, mais respeito ele e seus pais terão perante a sociedade. Ou seja, quando o filho de família rica está ficando para titio, os pais tratam de arranjar uma esposa para ele, vinda de uma família de mesmo nível social, claro. E o casamento só sai após a família do noivo receber o dote da noiva. E quando duas famílias ricas se unem, a festa de casamento toma grandes proporções. Geralmente, são dois ou três dias de festa, com verdadeiros banquetes e muita pompa. Tudo pensado para mostrar o status e fortuna das famílias. Ostentação total.
.
Mas nesse caso, estamos falando de uma pequena parcela da população chinesa. Segundo Ruby me contou, o casamento comum na cultura chinesa começa pelo noivado, que é uma etapa importante e geralmente acontece na cidade natal da noiva. Já o “grande dia” deve ser realizado na cidade natal do noivo, onde, provavelmente, boa parte de sua família ainda vive.
.
Como a maioria esmagadora da população chinesa não é cristã, raramente uma cerimônia de casamento acontece na igreja. Se as famílias dos noivos são simples, o casamento pode acontecer na casa dos pais do noivo. Templos, hotéis e salão de festas são reservados para festas maiores. No caso da minha amiga Ruby, ela gostaria de fazer o casamento em um hotel, pois assim, a equipe de funcionários ficaria encarregada de várias questões importantes da organização. Mas acontece que a cidade natal do noivo é tão no interior da China, que não há hotéis na cidade (nós que somos de fora, acabamos conhecendo as maiores cidades da China, mas as cidades do interior, são ainda muito simples e pouco desenvolvidas, ou seja, nem hotel tem). O casamento, então, foi realizado dentro de um templo.
.
E adivinha quem organizou todo o evento? A mãe do noivo! Na cultura chinesa é bem comum a mãe do noivo ficar encarregada de tudo: escolha do local, da comida, dos convidados e as vezes, até do vestido da noiva. E sem passar pelo consentimento da noiva, viu…
Ruby pôde escolher o modelo do seu vestido de noiva, mas a sogra quem escolheu a cor. A Ruby é uma chinesa de cabeça mais aberta, convive com muitos estrangeiros e já conhece diversas culturas. E ela queria usar um vestido branco no seu casamento, simples assim. Mas a mãe do noivo exigiu que fosse vermelho, a cor preferida dos chineses, pois representa sorte e fortuna. O vestido vermelho é ainda muito usado nos casamentos tradicionais da China e na maioria das vezes, o vestido de noiva é trocado pelo Qipao, o vestuário feminino característico da cultura chinesa.
.
Para a cerimônia, além do vestido de noiva vermelho, ela usou muitos acessórios dourados. Essa cor representa o ouro e quanto mais ouro usar, mais sinal de riqueza e status. Durante a cerimônia, acontecem os rituais formais e os noivos pedem a benção aos deusese, aos ancestrais já falecidos, aos pais e parentes presentes.
.
IMG_0735
 .
IMG_0734
.
E a parte mais esperada pelos convidados é o buffet. Após a cerimônia, a festa se resume em muita comida, brinde dos noivos com os convidados e entrega dos envelopes vermelho para os recém-casados. O envelope vermelho é bem tradicional na China e é usado em casamentos e outras datas comemorativas para presentear com dinheiro.
.
IMG_0736
.
IMG_0669
Em alguns casamentos, a família do noivo não permite que a família da noiva participe da celebração, afinal, a mulher, depois de casada, passa a fazer parte da família do marido e não pertence mais a sua antiga família. Imagina não ter seus pais presentes nesse momento tão especial?! No caso da Ruby, ela fez questão que seu pai e sua mãe participassem da cerimônia e os sogros dela concordaram. Segundo ela me contou, foram mais de 200 convidados, todos parentes e amigos da família do noivo. Os avós, tios, primos e outros parentes de Ruby não puderam ser convidados. E por isso, ela não conhecia a maioria dos convidados.
Falando em convidados, assim como no Brasil não é elegante os convidados usarem branco (a menos que o dress code peça), na China, o preto e o vermelho devem ser evitados: o preto é desrespeitoso e o vermelho é a cor da noiva.
.
IMG_0737
.
IMG_0670
.
Culturalmente, os trâmites de casamento funcionam, mais ou menos assim, na China. Mas alguns costumes podem mudar de acordo com a região do país. O casamento da minha professora Susan, que é de uma região diferente da de Ruby, aconteceu na casa do noivo e o auge da celebração foram os convidados reunidos em uma mesa, jogando Mahjong, um tipo de jogo bem famoso na China. Assim como acontece no Brasil, a união é celebrada conforme o estilo dos noivos, suas condições financeiras e questões culturais da região. Mas uma coisa é certa nas celebrações chinesas: todos devem comer e se divertir muito.
09 maio, 2016
Como falar “mãe” e declarar seu amor em mandarim?
Curiosidades, LIFESTYLE

Família é a base de tudo, concordam?! E para a sociedade chinesa, a família tem um peso ainda maior do que imaginamos. O conceito de família é tão importante no país, que foi um dos poucos conceitos morais e ideológicos que permaneceram firme mesmo com o passar dos séculos e mesmo com a revolução que a cultura local sofreu.

Para se ter uma ideia da importância da família na cultura chinesa, em mandarim há um nome específico para cada grau de parentesco. Explico: por exemplo, não existe nome único para “irmão”. O irmão mais velho é chamado de “gege” e o mais novo de “didi”. O mesmo acontece com as irmãs. O avô e a avó por parte de pai são chamados de forma diferente dos avós maternos. A denominação para cada tipo de familiar é tão extensa que existe um dicionário chinês (grosso, bem grosso) com o nome de cada tipo de parente. Minha própria professora, chinesa nativa, me falou que é praticamente impossível decorar todos os nomes existentes para designar os familiares.

Mas claro que diante disso, MÃE, a palavra mais importante do meio familiar, não poderia ter apenas uma única pronuncia… Māmā é o mais comum deles. Se você está ou já esteve na China, provavelmente, já escutou a criançada pra lá e pra cá gritando “māmā, māmā…” o tempo todo.

dia das maes china

Mas segundo a Chen Xiaofen (uma chinesa fofa que dá aulas de mandarim no Brasil) em chinês existem três palavras diferentes para “mãe”.

Ela explicou cada uma delas, inclusive a origem do ideograma. Eu achei super interessante e aproveito que hoje é Dia das Mães para compartilhar essa informação com vocês, afinal, conhecimento nunca é demais. Olha só:

Mǔqīn (母亲)

O ideograma foi criado baseado na imagem de uma mãe amamentando e expressa o amor materno.

Niáng (娘)

O ideograma desta palavra é formado pelos ideogramas de “mulher (女)” e “boa (良)”. Expressa o coração bom e todas as qualidades de uma mãe.

Mā (妈)

Foi utilizado o ideograma do “cavalo (马)”, que tem o mesmo som e foi acrescentado o radical de “mulher (女)” para diferenciar um do outro. Essa junção foi feita para diferenciar a leitura do mā de cavalo para o mā de mãe.

Então, neste dia tão especial eu desejo:

Mǔqīn jié kuàilè (母亲节快乐) | Feliz Dia das Mães

E não esqueçam de declarar seu amor para suas mamães:

Māma, wŏ ài nĭ (妈妈,我爱你) | Mãe, eu te amo!

Feliz dia das maes mandarim chines

06 maio, 2016
A moda conceito e o mercado de luxo na China
Compras, Curiosidades, MODA, Street Style, Tendências

Esses tempos li o comentário de um leitor do blog que disse estar surpreso com o fato do quanto o mercado da moda é forte na China. Digo moda conceito, labels. Aí me dei conta de como o país ainda é conhecido lá fora pelas roupas baratas e produtos falsificados. O que é uma pena, pois a indústria fashion na China tem talento, potencial, e vem crescendo e se destacando muito em âmbito internacional. 

Escrevi esse texto na minha coluna de moda no blog Brasileiras Pelo Mundo. Adorei tanto pesquisar sobre esse assunto (acabei aprendendo muito) e achei ainda mais gostoso escrever sobre, que resolvi compartilhar por aqui. Boa leitura! :)  

Nós brasileiros temos o costume de pensar que toda etiqueta “made in China” é sinônimo de coisa barata e de má qualidade. Na moda isso é bem evidente. Os sites de vendas online como o Aliexpress, em que roupas, sapatos e acessórios produzidos na China são vendidos a preço de banana e, muitas vezes, feitos com tecidos simples e acabamento ruim, reforçam esse pensamento. Mas a verdade é que, com o rápido crescimento econômico do país nos últimos anos, os consumidores chineses com alto poder aquisitivo se tornaram ávidos por artigos de luxo e moda de alta costura. E por isso, o “made in China” passou a atender a esse mercado, que oferece produtos exclusivos e de alta qualidade.

Em meados dos anos 90, as primeiras grifes mundiais começaram a se instalar em Hong Kong, Pequim e Xangai. Atualmente, toda cidade chinesa desenvolvida tem lojas de grifes internacionais renomadas como Dior, Louis Vuitton, Burberry, Chanel, Givenchy, Prada, Miu Miu, Hermes, entre tantas outras, espalhadas pelos melhores bairros e distritos. Estas gigantes da moda, veem a China como um dos mercados de maior potencial no mundo. Segundo uma pesquisa realizada pela ONG americana Associação de Luxo Mundial, a China é o segundo maior mercado de produtos de luxo do mundo e até 2017, será o primeiro.

Até alguns anos atrás, as consumidoras classe A desejavam produtos com megalogos ou monogramas, ou seja, aqueles que tivessem o logotipo da marca bem visível. Tudo para conferir status e poder, e mostrar que tinham condições de ter um artigo de luxo. Essa necessidade de ostentação vem, provavelmente, de uma mentalidade antiga, causada pela pobreza extrema e pelo rápido desenvolvimento econômico no país.

Hoje em dia, “qualquer um” pode exibir uma bolsa Gucci ou Louis Vuitton, especialmente devido ao crescimento desenfreado das falsificações. Por isso, bolsas com megalogos ou monogramas passaram a ser relacionadas à classe média. Basta você ir ao supermercado ou sentar em um restaurante, que vai ver várias chinesas com uma bolsa Louis Vuitton embaixo do braço. Por isso, as consumidoras ricas e “phynas” de verdade dão prioridade às marcas que oferecem produtos mais discretos, sem sinalização aparente. Com isso, as marcas de luxo passaram a rever sua forma de apresentação e estão se adequando, cada vez mais, ao estilo chinês. Bottega Veneta, uma das grifes pioneiras na eliminação da etiqueta externa, é uma das preferidas entre as chinesas com alto poder aquisitivo.

look bolsa chanel China

Louis Vuitton china país falsificação bolsas

Mas não é só de grifes internacionais que o mercado de luxo é feito na China. Com a onda do sentimento de patriotismo, espalhada principalmente pelo presidente Xi Jinping, os consumidores chineses começaram a se orgulhar do estilo de vida chinês e a prestar mais atenção às marcas nacionais. No último Shanghai Fashion Week, em outubro de 2015, a imprensa declarou que as semanas de moda da China recebem, a cada estação, mais chineses interessados na moda nacional e compradores do mundo todo, dispostos a abrir as portas de suas boutiques para os designers daqui. E não há como negar que a exposição China: Through the Looking Glass, no Met Museum de Nova Iorque, no ano passado, serviu como um empurrão para colocar de vez a moda conceito da China na cena fashion mundial.

Com esse crescimento constante, as marcas globais estão com os olhos atentos ao mercado chinês. E estilistas famosos já vêm buscando inspiração na cultura oriental há algum tempo. Criações de John Galliano para Dior, Tom Ford para Yves Saint Laurent, Sarah Burton para Alexander McQueen e Karl Lagerfeld, todas exclusivas e inspiradas na cultura chinesa, fizeram parte da exposição citada acima, que ocorreu em NY. Segundo o MET Museum, esta foi a exposição de moda mais famosa e visitada do museu até hoje.

Porcelana da Dinastia Ming (seculo XV) Evening dress by Roberto Cavalli, 2005-6 e Sarah Burton dress para Alexander McQueen 2012

Vestido do designer chinês Guo Pei

Além do sentimento patriota, o fato das chinesas optarem por trocar artigos ostentação por outros com mais classe e exclusividade, ajudou a colocar as grifes nacionais em um patamar competitivo com as marcas mundiais. Ainda que as grifes chinesas trabalhem com peças caras, tanto quanto as de grifes internacionais, e não venham acompanhadas do glamour da etiqueta europeia, elas estão ganhando espaço considerável no mercado de luxo da China e nos armários das mulheres ricas.

Masha Ma é uma das marcas mais queridas. A jovem estilista de mesmo nome já transitou pelos ateliês chiques de Paris, desfilou suas coleções no Paris e London Fashion Week, e hoje está de volta a Shanghai, onde abriu seu próprio ateliê. Uma Wang seguiu os mesmos passos e fez seu nome no mercado de luxo mundial. Suas criações já foram desfiladas nas semanas de moda da Europa e são vendidas em lojas de Londres, Milão e Nova Iorque.

E há vários outros nomes de estilistas chineses que começaram a pipocar na cena fashion mundial. Guo Pei, uma das mais renomadas, é responsável por vestir várias celebridades chinesas nos eventos mundo afora. Uma de suas criações, o imponente e polêmico vestido amarelo com cauda, foi escolhida pela cantora Rihanna para desfilar no tapete vermelho do Met Gala de 2015, um dos eventos de moda mais esperados do ano. Você lembra?

rihanna vestido met ball guo pei designer chinesa

Guo Pei também lançou uma linha em parceria com a marca de cosméticos MAC (veja as belezuras aqui). Assim como a jovem estilista de jóias Bao Bao Wan. O talentoso Jason Wu, nascido em Taiwan e radicado em Nova Iorque, é uma das estrelas do NYFW há quase 10 anos. São todos jovens designers chineses que estão transformando a moda de luxo na China e levando um novo conceito de “made in China” para o mercado ocidental. Se você se interessa por moda, pode anotar esses nomes. Eles já dominaram o mercado de luxo da China e vão fazer muito barulho na moda global. Concordas?

01 abril, 2016
Festival QingMing | Dia dos Finados e de celebrar a primavera
Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

Parece contraditório, mas Qingming (清明), que em mandarim significa “claro, brilhoso”, é o nome dado ao festival que homenageia os mortos e, ao mesmo tempo, celebra a chegada da primavera. Em inglês é chamado de Tomb-Sweeping Day, ou seja, Dia de Varrer o Túmulo ou Chinese Memorial Day.

Qingming festival homenagem mortos tumulo china

O Festival Qingming é celebrado no dia 05 de abril, mas o feriado já começa no sábado, dia 03. O principal costume dos chineses é varrer o túmulo dos seus entes queridos, fazer a limpeza, enfeitar com flores e pinturas em mandarim. Os chineses também costumam rezar pelos parentes falecidos e prestar homenagens a eles. Comidas, especialmente os pratos preferidos do morto, vinho, chá, papeis imitando dinheiro e réplicas de bens materiais (como casas, carros e até iphones e ipads) são levados ao túmulo. Tudo isso é queimado, com a esperança de que não falte nada disso para o falecido na sua vida após a morte. dia dos mortos china festival qingming

Qingming festival tradições chinesas comidas frutas

Qingming festival costumes chineses fogo queima casa carro

replicas de papel casa queimar dia dos mortos china

sweeping day dia dos mortos china queimando iphone ipad

queimando dinheiro festival qingming china

Em algumas regiões da China, quando um membro familiar récem faleceu, a família não deve celebrar nenhum festival ou data especial durante três anos, em sinal de respeito. A tradição de acender fogos de artifícios no Ano Novo Chinês é vetada, pois eles acreditam que pode ferir os olhos do morto, que ainda não deixou esse mundo. Nessa data, eles apenas rezam pelos entes que já se foram. E as famílias menos tradicionais ou cujos ancestrais foram cremados, oferecem flores e rezas para os falecidos. Durante este período, usar vermelho e outras cores vibrantes não é visto com bons olhos, como de costume.

Mas o Qingming é uma mistura de tristeza com alegria. Nesta data, os chineses também celebram a chegada da primavera. Nessa época do ano, as temperaturas começam a subir e o clima fica mais gostoso. O cenário muda: as árvores voltam a ter folhas, as flores nascem novamente e o céu azul passa a aparecer com mais frequência (muitas regiões da China ficam meses com o céu cinza durante o inverno). Tudo fica mais colorido. E por isso, os chineses saem às ruas para celebrar a chegada dessa estação tão gostosa. Outro costume do festival é soltar pipas, que na verdade, é uma prática muito comum na China. Durante o dia são empinadas pipas dos mais diversos tamanhos e formatos. A noite, as pipas recebam pequenas lanternas que iluminam a escuridão. Os chineses costumam cortar a corda da pipa para que ela se perca nos céus. Dizem que isso traz boa sorte e leva embora as doenças.

Árvore com flores cerejeira em Kunming
Árvore com flores de cerejeira em Kunming

Esse festival é também relacionado com a agricultura, pois a primavera é a melhor época para reiniciar a lavoura. Algumas pessoas carregam ramos de salgueiro durante o festival ou colocam em frente a porta de casa, pois acreditam que os ramos espantam os espíritos do mau. Essa tradição ainda é praticada no interior da China e por aqueles mais tradicionais, mas muito já se perdeu. Nas cidades grandes, é difícil ver alguém com os ramos de salgueiro.

Muitos chineses aproveitam o feriado para viajar, mas a maioria não deixa de seguir as tradições. Eles veem esse festival como um tempo para refletir, homenagear os ancestrais e curtir a nova estação com a família. Alguns costumes podem parecer um tanto quanto estranho para nós (queimar réplicas de casa, iphone?!), mas admiro como os chineses valorizam suas crenças e como são fiéis às tradições.

Bom, como não é de bom tom desejar “Feliz Qingming”, provavelmente em respeito aos falecidos, me despeço por hoje com o de sempre “até logo” em chinês…

Zài jiàn

 

25 março, 2016
Como é celebrada a Páscoa na China
Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

A primeira pergunta que você deve ter se feito ao ler o título do post é: existe Páscoa na China? Um país onde boa parte da população segue os princípios de Confúcio, reverencia o budismo e o taoísmo e não acredita em Deus, muito menos em Jesus Cristo, por que celebraria a Páscoa?

ovos pintados de pascoa cultura chinesa

Mesmo não sendo todas reconhecidas pelo governo, a China abriga diversas religiões, incluindo a católica, a evangélica e a ortodoxa. Para os chineses cristãos, a data tem um significado religioso, assim como para nós ocidentais. Eles celebram a ressurreição de Cristo, vão à Igreja e assistem as missas. Sim, na China tem Igrejas Católicas espalhadas por várias cidades. Eu ainda não tive a oportunidade de visitar nenhuma, mas já conheci um chinês cuja família é católica.

Mas para grande parte da população, a Páscoa tem apenas o apelo comercial. Até alguns anos atrás, não se encontravam, nos supermecados, ovos de páscoa ou chocolates com formatos especiais. E muitos chineses não-cristãos nem sabiam que essa data existia. Mas com a “invasão” de estrangeiros, o mercado e as marcas não perderam essa oportunidade. E mesmo não conhecendo o real significado da Páscoa, o comércio chinês aproveitou a procura dos ocidentais por doces e chocolates que representassem a data, para vender mais. Hoje, algumas grandes redes de supermercado, como Carrefour e Metro, e outros mercados menores de importados comercializam ovos de Páscoa da Nestlé, Lindt, Ferrerro Rocher, entre outras marcas, e chocolates em formatos de coelho, ovinhos e até galinhas. Tudo costuma voar das gondolas dos supermercados, pois até os chineses se renderam a essas delícias ocidentais.

Muitos restaurantes de Shanghai, Beijing e outras cidades maiores aproveitam a data e promovem almoços especiais e ceias, tudo para atrair o público que tem o costume de celebrar a Páscoa. Em Hong Kong, essa data recebe uma atenção ainda mais especial, por causa da influência da cultura inglesa {leia mais sobre a colonização de HK pelos ingleses} e pelo considerável número de estrangeiros cristãos vivendo por lá. Os hotéis e restaurantes oferecem menu especial e alguns parques e atrações turísticas promovem eventos e brincadeiras.

Influênciada pela cultura ocidental, algumas crianças chinesas se divertem com a caça e pintura dos ovos de Páscoa, no domingo de manhã. E assim como o coelho, os ovos pintados e os de chocolate simbolizam a Páscoa no ocidente, na China estes também tem um significado importante. Os chineses acreditam que a vida começou do ovo, portanto, é comum que eles presenteiem familiares e amigos com ovos coloridos, tanto no Festival de Primavera quanto na Páscoa. Os ovos representam a renovação da vida. E os coelhos simbolizam o nascimento e a vida e são vistos com frequência na pintura dos ovos.

pascoa na china crianças chinesas coelho ovos

Para meus leitores eu desejo uma doce e abençoada Páscoa e um espírito de renovação e crescimento, especialmente por este momento que nosso Brasil e nós brasileiros estamos passando.

Fùhuó Jié Kuàilè 复活节快乐 (Feliz Páscoa)!

 

23 março, 2016
Melhores VPNs para acessar sites e redes sociais bloqueados na China e dicas de como usar
DICAS, Redes Sociais

ATUALIZAÇÃO EM NOVEMBRO DE 2017

Esses dias estava analisando os acessos do blog e notei que um dos posts mais acessados da história do China Chic é o que falo sobre VPN. Claro, todo mundo sabe que diversos sites, plataformas e redes sociais são bloqueados na China, portanto, quem está com viagem marcada para o país, nada mais certo do que pesquisar sobre as opções de VPN e estar devidamente preparado assim que aterrissar em terras chinesas.melhores vpn china sites redes sociais facebook bloqueado

Para aqueles que ainda não estão familiarizados com a palavra, explico rapidinho e de forma bem leiga como o VPN funciona: o software mascara o IP do computador, celular, tablet ou qualquer outro dispositivo eletrônico que possa ter acesso a internet. O endereço de IP real é substituído pelo IP de outro país, como se o dispositivo no qual a internet é acessada esta naquele país em questão. Por exemplo, quando o usuário conecta o VPN no local “Brasil”, é como se ele estivesse nesse país acessando a internet. Ou seja, será possível acessar qualquer site e rede social liberado no Brasil.

Na verdade, o objetivo principal do VPN é outro. É uma ferramenta extremamente importante para empresas, mas na China o usamos para driblar o Great Firewall (GFW), nome dado ao sistema de bloqueios virtuais do governo chinês. Só assim podemos fazer pesquisas no Google, checar nossos emails do Gmail, olhar nossa timeline do Facebook, curtir algumas fotos no Instagram, assistir vídeos no Youtube e histórias no Snapchat e por aí vai.

Sou super adepta das redes sociais (para não dizer viciada hehe). Já tive experiências com vários VPNs diferentes e deixo aqui as minhas dicas para quem vem à China:

ExpressVPN

Um dos VPNS mais populares entre expatriados na China. Ele é considerado rápido, seguro, tem uma plataforma simples e fácil de acessar e o VPN fica conectado durante horas, sem cair. Por esses serviços, o plano acaba saindo um pouco mais caro que os demais (USD 12,50 por mês, se não me engano), mas se você ficará um bom tempo na China, vale o investimento. É possível acessar em vários dispositivos diferentes ao mesmo tempo. Atualmente, eles tem disponível a versão free por uma semana, mas claro que a versão paga funciona melhor.

Por muito tempo usei o Express e sempre o indiquei, até que no início deste ano (2017) comecei a enfrentar problemas para conectar no celular (sistema IOS) e muita lentidão para baixar imagens, vídeos e outros arquivos e acabei voltando a usar o Astrill.

ASTRILL

O Astrill já teve altos e baixos. Durante muito tempo o vpn só funcionava com a ajuda de outro aplicativo, o AnyConnect. Até que o Astrill desenvolveu um novo aplicativo para o celular e passou a funcionar super bem no IOS. Atualmente é o que mais uso. Eles oferecem plano mensal, semestral ou anual e ainda tem a opção de plano para um único usuário ou o plano “família”, que permite o acesso a um grande número de dispositivos diferentes ao mesmo tempo e promete maior velocidade. É o que uso atualmente e indico. O usuário tem diversas opções de localidades para escolher, o vpn se conecta em poucos segundos e a velocidade é rápida.

Por facilitar tanto o acesso aos sites de fora da China, o Astrill esta bem visado pelo Great Firewall e recentemente (desde de setembro), surgiram relatórios de pessoas de Shanghai de que o Astrill não está sendo mais efetivo. Em Xiamen ainda funciona bem.

 

Betternet 

Alguns conhecidos já me indicaram este software. Testei algumas vezes e funciona ok. Indico pois ele é totalmente grátis. Então se você não quer gastar com VPN, tente o Betternet.

——

Pesquisando rapidamente pela internet, descobri mais alguns VPNS: o Vypr VPN e o PureVPN considerados os melhores que funcionam na China, junto com o Express e o Astrill. Ainda não testei, mas foram bem cotados e sugeridos em diversos sites.

Minha sugestão é já baixar o aplicativo do VPN no seu mobile, instala-lo no computador e fazer o cadastro antes de entrar na China. O App Store funciona normalmente aqui, mas costuma ser bem lento. Importante ressaltar que mesmo o VPN sendo muito bom, nem sempre ele conecta na primeira tentativa. As vezes demora minutos ou até horas para funcionar e só nos resta esperar… Ou ficar trocando o país até conseguir conectar. Por que? Porque a China bloqueia os endereços de IP que consegue rastrear, portanto se você usa muito o mesmo endereço de IP, não estranhe se um dia ele não conectar mais. Caso não conseguir conectar em nenhum país, reinicie o dispositivo. Se não der certo, vá nas Preferências/Ajustes do seu computador ou celular e verifique se o VPN está ativado. Ainda não funcionou? Então entre em contato com o suporte do VPN em questão.

Já ouvi falar é que o VPN costuma funcionar melhor em aparelhos Android e Windows. O sistema IOS de Iphones, IPads, IMacs e outras aparelhos da Apple são os mais visados pelo GFW. A verdade é que já saíram notícias na mídia informando que a China está pegando pesado com as companhias telefônicas e deu um prazo até fevereiro de 2018 para que estas consigam bloquear qualquer acesso aos VPNs. Será? Só esperando as cenas dos próximos capítulos para saber…

Eu, sinceramente, não sei como seria a vida na China sem VPN. No mínimo, seríamos totalmente alienados ao que acontece no mundo ocidental. Se você já testou algum(uns) dos que citei ou tem outros para indicar, sinta-se a vontade para deixar seu comentário.

Se você gostou das dicas deixe o seu “like”. E se ainda não conhece as redes sociais do blog, clique aqui e dá um follow: Instagram @evelynpinheiro| Facebook @Chinachicblog

E por último, lembre-se: ao acessar o VPN, a velocidade da conexão diminui, portanto, tenha paciência, muita paciência…

21 março, 2016
Vogue China lança a revista Vogue Me, para geração anos 90
LIFESTYLE, MODA

A geração anos 90 da China está com tudo! Na última sexta-feira (18) a Vogue China revelou a capa da primeira edição da Vogue Me, a nova revista bimestral de moda pensada especialmente para a “geração pós-anos noventa”. Isso mesmo, a Vogue Me nasceu com o objetivo de conectar a geração deste milênio com a moda e alimentar ainda mais o poder de compra dos jovens chineses. Segundo a editora-chefe da Vogue China, Angelica Cheung, a geração pós anos 90 tem sua própria personalidade e está mais protegida das dificuldades sentidas pelas gerações anteriores. Ou seja, são jovens que nasceram na época mais rica e afluente da China, receberam uma educação melhor e tem mais condições financeiras para gastar com moda.

O trio que estampa a capa da edição de estreia da Vogue Me é composto pelo cantor da boyband sul-coreana Exo, Lu Han, a modelo-atriz-cantora-designer japonesa Kiko Mizuhara e a modelo americana Pypa America Smith. Confesso que estranhei o fato de não ter nenhum chinês na primeira capa da história da revista, mas, de qualquer maneira, os escolhidos fazem muito sucesso por aqui e claro, representam a geração dos anos 90.

Vogue Me China revista moda geração anos 90

Inspirada no aplicativo Vogue Mini, lançado no ano passado, essa é a primeira revista chinesa voltada para o público jovem, que tem, em média, 24 anos {aii, já passei um pouquinho do target :P}. A edição de abril (a primeira!) chega às bancas na próxima segunda-feira, dia 28. Estará disponível na Amazon, no Tmall, JD e no WeChat, o famoso app de bate-papo chinês. Além da capa com astros teens, ela terá 250 páginas recheadas com editoriais e novidades sobre moda.

Vogue Me China behind the scene anos 90

Palmas para a Vogue China e sua ideia brilhante. Uma pena que meu nível de conhecimento em mandarim não seja suficiente para ler o conteúdo interessante que deve estar estampado nas páginas da revista, quem sabe um dia…