18 janeiro, 2016
A vida de expatriados em Xiamen
Curiosidades, LIFESTYLE
xiamen vida brasileiro expatriado china
.
Eu já falei aqui no blog sobre a vida na China e também já falei um pouco sobre Xiamen, a cidade onde moro. Mas como, ultimamente, a Xiamen Airlines (grande empresa aérea chinesa) está abrindo as portas para estrangeiros e contratando pilotos brasileiros, muitas mulheres de piloto tem vindo me procurar para saber como é a vida na cidade. Também tenho conhecido alguns brasileiros que vieram fazer sua vida aqui (alguns abrindo seu próprio negócio, outros trabalhando como professor ou modelo e outros que vieram para estudar) ou seja, não é só da área da aviação que vivem os brasileiros em Xiamen. E pensando nessas famílias que moram ou pretendem se mudar para a cidade e também nas pessoas que tem curiosidade em saber como é a vida por aqui, escrevo esse texto.
.
Xiamen é uma cidade mediana no sudeste da China. É, na verdade, uma ilha. Há brasileiros que dizem ser a Florianópolis da China. Será? Bommm, eu não concordo e nem discordo. Xiamen pode ser comparada a Florianópolis: tem praia e é desenvolvida, mas não tããão cheia e sufocante como as principais capitais do Brasil. Mas não podemos esquecer que estamos na China. As praias são sujas e a cidade, apesar de ser considerada pequena para os padrões chineses, é maior e muito mais populosa que Floripa. O clima é parecido: relativamente frio no inverno e quente e abafado no verão.
.
Ainda não conheço muitas cidades na China, mas falo aqui o que já ouvi muito por aí: Xiamen é uma das melhores cidades do país para se viver.
.
A começar pelo meio ambiente. Xiamem tem os melhores índices de qualidade do ar da China, ou seja, menos poluição. Há dias de neblina e céu cinza, mas na maioria das vezes, é possível ver o céu azul. E quando você está na China, isso toma grande importância. Poder enxergar a cor azul do céu e sentir os raios solares traz uma energia tão boa. Nos dias de sol, meu humor é melhor e tenho mais ânimo para sair de casa, fazer minhas coisas. E isso vale para qualquer lugar do mundo. Vocês não se sentem assim também? Sem falar que, sem tanta poluição, não é necessário o uso de máscara, que é uma coisa tão desconfortável…
A cidade é bem arborizada, a estrutura do BRT (uma espécie de metrô de superfície que percorre boa parte de Xiamen) é toda decorada com flores e isso dá outra cara à cidade. Áreas de lazer não faltam por aqui: praças, parques, shopping centers, cafés, praia, templos, etc.
.
parque dia lindo xiamen china.
haiwan park lago xiamen china

zhongshan lu rua de compras pedestres xiamen china

praia mar xiamen china

por do sol sunset sem poluicao xiamen china
.
Outra coisa boa é o clima. Estamos agora no auge do inverno e ainda não tirei meus casacos pesados de lã do closet. Por exemplo, aqui a temperatura mínima está, em torno de 10 graus. Shanghai, que fica a uma hora de voo, esta fazendo 0 grau. Lá no norte da China então, -15, -25 graus, de dia!!! Eu, sinceramente, não sei como as pessoas conseguem (sobre)viver nessa temperatura.
.
Apesar de Xiamen não ser muito popular entre os estrangeiros, há uma região super freqüentada por nós, laoways, e muitos expats moram lá. É a região próxima do Hotel Marco Polo, no bairro Siming. Por ali, há vários restaurantes western, mercado de produtos importados, padarias, cafés e uma rua só de bares. Tem um lago e um enorme parque no centro, onde as pessoas costumam fazer esportes e levar as crianças para brincar. A região é meio busy e os prédios são mais antigos. Por isso, preferi morar no Straits International Community, que é um complexo gigante, com quatro fases e mais de 40 prédios, academia, piscina, parques e muito verde. Quase uma cidade. A gente costuma brincar que de internacional não tem nada. Ninguém que trabalha aqui fala inglês, a não ser uma assistente que contrataram para atender os estrangeiros do condomínio. Quase uma mãe… Mas não troco essa região por nenhuma outra em Xiamen.
Quando cheguei aqui, em 2014, tinha alguns poucos prédios comerciais sendo construídos nos arredores do condomínio e hoje já tem shopping center, mercado, academia, restaurantes ocidentais, Starbucks, ou seja, a região cresceu e está crescendo muito. Ah, e fica pertinho da praia (não que eu frequente muito a praia daqui, mas gosto de ir pedalar no calçadão).
.
marco polo hotel area lago xiamen china
.
straits international community vida expats xiamen china
.
straits international parque paz brasileiros xiamen china..
Meio de transporte é carro, moto elétrica, táxi, ônibus ou BRT. O metrô esta sendo construído e é para ficar pronto em 2017, e promete desafogar um pouco os engarrafamentos. Não que o trânsito seja uma loucura como nas cidades grandes, mas engarrafamento as vezes tem. Moto a gasolina não é permitido, para evitar poluição. E os táxis? Ahh os táxis são uma benção. No geral, táxi na China é bem barato, mas em algumas cidades é bem difícil pegar táxi (já passei por uns perrengues em Beijing, Shanghai e Guangzhou) e alguns táxistas querem tirar vantagem dos laoways (estrangeiros) e não ligam o taxímetro, ou seja, cobram a mais pela corrida. Aqui em Xiamen nunca aconteceu isso comigo e nem com amigos meus. Usar táxi é bem conveniente, por isso, nem sentimos necessidade de ter um carro.
.
Os filhos dos expats estudam na Xiamen International School, que tem ensino fundamental e segundo grau, em inglês. Xiamen também tem duas universidades, a Xiamen University e a Jimei, que fica fora da ilha. Essa primeira está no ranking das melhores universidades da China. A Xiada, como é chamada, tem alguns cursos ministrados em inglês, como Relações Internacionais, Administração e Marketing. Inclusive, tenho uns conhecidos que vieram para Xiamen, exclusivamente, para estudar aqui.
xiamen university universidade conceito china
Claro que nem tudo é maravilhoso. A gente precisa conviver com as diferenças culturais, comportamentais, com a diferença do idioma e tantas outras coisas que já comentei por aqui. E eu que adoro sair pra escutar uma boa música, dançar, sinto falta de boas opções na cidade. Não que não existam. Há um restaurante cubano no Haiwan Park, onde as pessoas se reúnem para dançar salsa (muitos chineses, inclusive) e há um bar chamado The Key, que costuma ser o ponto de encontro dos estrangeiros, onde uma banda filipina anima a galera. Há ótimos restaurantes também, inúmeros KTVS e baladas para o público chinês jovem. Mas as vezes sinto falta de um lugar diferente e que tenha mais a ver com a cultura ocidental. Mas também, nada como um pulinho em Shanghai para distrair e aproveitar o clima internacional da cidade.
 .
Eu amo Shanghai, Beijing, Shenzhen e outras cidades chinesas que já tive a oportunidade de conhecer, mas turistar é uma coisa e morar é outra, não é mesmo?! Sinto que o choque das diferenças não foi tão grande quando me mudei para a China, pois Xiamen tem mais a ver com o estilo de vida que se leva na cidade onde eu morava no Brasil e não é tão crazy and busy como as grandes metrópoles chinesas. O custo de vida também é, relativamente, menor que das cidades grandes. Por isso, eu adoro morar em Xiamen e dentre tantas opções de cidades para se viver na China, acho que fizemos a escolha certa.
 .
E você, gostou da cidade? Tem vontade de conhecer?
SaveMe!
06 janeiro, 2016
A vida na Ásia – Desmistificando a China
Comportamento, Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

Um novo ano começa e com ele vem novas esperanças, as promessas de melhorar o que não deu certo e o desejo por mudanças. E pensando nas mudanças que quero para 2016, me dei conta de que, provavelmente, nenhuma delas será maior do que a que fiz há dois anos atrás: mudar para o outro lado do mundo, mudar para a China.

Qual a primeira coisa que vem à sua mente quando você ouve a palavra “China”? Cultura muito diferente? Comida de espetinho? País antigo? Comunista?

vida na china shanghai

É tudo isso, sim! Mas é muito mais do que isso..
.

Todos nós já estamos carecas de saber que a economia do Brasil não está lá essas coisas, grandes empresas estão fechando e o desemprego só aumenta. Enquanto isso, a economia da China está borbulhando e as empresas chinesas e internacionais com sede no país estão, cada vez mais, abrindo vagas de emprego e procurando mão de obra qualificada. Mas o que eu escuto (pelo menos na área de trabalho do meu noivo, que é a aviacao) é que muitos nem cogitam a possibilidade de vir pra cá. “Morar na China? Jamais!”. Preferem trabalhar anos e anos para pagar as contas do que enfrentar as mudanças e fazer o seu pé-de-meia (bem maior e em menos tempo, diga-se de passagem) do outro lado do mundo. Insegurança ou pré-conceito?

.
Insegurança, não dá para negar, sempre rola. Até hoje ficamos com um pé atrás aqui na China, mas provavelmente, estaríamos com os dois pés átras se estivéssemos no Brasil (considerando o mercado atual). Mas é por causa do pré-conceito que resolvi escrever este texto. E não somente pensando nos trabalhadores e suas famílias que receiam vir morar na China, mas para os próprios turistas e interessados (ou não tão interessados assim).

Me dei conta da imagem defasada que os brasileiros tem da China depois que criei o blog. Muitos vieram me falar, surpresos, “Evelyn, eu não sabia que a China tinha lugares tão incríveis!”. E quando minha mãe e minha sogra vieram passar alguns meses aqui em casa, em períodos diferentes, ambas tiveram a mesma percepção e o mesmo sentimento: a China era muito diferente do que elas imaginavam, muito melhor, e elas ficaram chateadas de ter que ir embora. Mas eu não julgo quem tem esse pré-conceito, pois eu também tinha uma imagem totalmente diferente do país antes de vir para cá.

A China está anos luz a frente do Brasil quando o assunto é desenvolvimento econômico, estrutura e tecnologia. As principais cidades chinesas tem uma p* estrutura, que cidade nenhuma no Brasil tem: estradas boas, shoppings, parques e áreas de lazer aos montes, transporte público bom e acessível, arquitetura moderna e prédios tão altos que você quase quebra o pescoço para enxergar onde acaba. Só para citar alguns itens. Claro que as estradas costumam ter trânsito, claro que você encontra lixo no chão do parque e claro que os mêtros estão quase sempre lotados. Mas isso não acontece no Brasil também?!

Isso sem falar da segurança. Com a loucura que anda o Brasil (e o mundo), hoje em dia a gente tem dado mais valor a segurança. Na China, podemos sair de casa sem medo de ter uma arma apontada para a nossa cabeça. As mães podem deixar os filhos adolescentes ficarem até tarde na rua e dormirem tranquilas, ou levarem seus filhos pequenos para brincar no parque sem medo de que algum maluco vá tentar sequestrá-lo. Eu gostaria muito de criar meus (futuros) pequenos em um país como a China. Imagina seus filhos crescerem sabendo falar três idiomas fluentes?

Mas e quanto a comida? Shanghai e Beijing são cidades internacionais e tem diversos supermercados com produtos importados e restaurantes com culinária de todos os países que você possa imaginar. Muitas outras cidades que servem como moradia para expats também não ficam para trás. Aqui em Xiamen, por exemplo, eu não passo fome. Posso escolher se quero ir no francês, no espanhol, no australiano, no mexicano, no português, no japonês, no grego, e tantos outros.

O idioma pode ser uma grande barreira, mas tenho amigas que vivem aqui que não sabem nada mais além do “ni hao” e do “xie xie”. Não é uma mar de rosas, mas dá para se virar com a ajuda da tecnologia e de aplicativos de celular. No trabalho, normalmente, as empresas exigem apenas o inglês.

E como é viver em um país comunista? Olha, não posso negar que o bloqueio de alguns sites e redes sociais me tiram a paciência. Mas fora isso, sinto que tenho mais liberdade aqui do que no Brasil. Posso andar, sem medo, sozinha pelas ruas até tarde da noite. Posso me vestir como quiser, que ninguém vai me julgar pela roupa que estou. Posso usar shortinho curto no calor de 40 graus, que malandro nenhum vai me olhar de forma vulgar e soltar um “goxxxtosa” (odeio isso). Posso comer de boca aberta e arrotar na mesa do restaurante, que ninguém vai me olhar de cara feia (não que eu faça isso, mas eu posso).

Enfim, mudar-se para a China pode ser emocionante, se você deixar. Não é fácil estar longe da família e dos amigos, muito menos viver em uma cultura bem diferente da sua. Mas colocando na balança, o lado bom ganha. A qualidade de vida é melhor, a facilidade de viajar então (não preciso nem comentar quantos países já conheci nesses últimos dois anos) e a experiência de viver lado a lado com pessoas dessa cultura tão rica e viva, em um país tão antigo e ao mesmo tempo tão moderno, é única. Os desafios e a convivência com pessoas que tem uma perspectiva de mundo tão diferente da nossa, só nos fazem crescer e aprender. Sei que viver do outro lado do mundo tem um prazo de validade e que um dia vou querer sair daqui, mas as experiências, os aprendizados, as pessoas e lugares que conheci, ninguém me tirará. Ficarão  comigo para sempre.

muralha da china pequim beijing

shanghai compras east nanjing road

morar na china brasileiros expats

Meu conselho para quem pensa em mudar de país: cortem o cordão umbilical e venham de cabeça e coração abertos. Estar acomodado não significa estar feliz. Preparem-se para um lugar onde tudo é grande e onde tudo é mais. E se não der certo, se não se adaptarem, sempre há chance de voltar. Para mim, uma das piores coisas quando estamos com dúvidas é optar pelo “não” e ficar imaginando, pelo resto da vida, como teria sido se disséssemos “sim”.

17 dezembro, 2015
Superstições e significados dos números na China
Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

Virada de ano chegando e a gente começa a lembrar das simpatias para o Ano Novo: pular sete ondas, guardar sete caroços de uva, comer lentilha… Sem falar da cor da roupa: branco traz paz, amarelo e dourado trazem dinheiro, vermelho paixão e por aí vai. E assim como nós brasileiros temos nossas superstições, os chineses também tem. A diferença? As deles valem o ano todo!

Ok, tenho que admitir que eu também tenho e você, provavelmente, também tem aquela superstição de que passar por baixo da escada traz má sorte, quebrar espelho dá sete anos de azar ou bater na madeira três vezes afasta as coisas ruins (eu sempre faço isso). Mas no fundo, sabemos que estas e tantas outras superstições não passam de crenças populares. Não é?!

Mas para os chineses, superstição é assunto sério. Eu fico impressionada com a quantidade de crenças que eles tem e como seguem a risca cada uma. São histórias contadas a milhares de anos, passadas de geração a geração e muitos nem sabem mais de onde surgiram ou o que significam. Mas de qualquer maneira, eles realmente acreditam no poder das superstições!

Já falei em outro post sobre o significado das cores e hoje vou falar sobre os números, afinal, para muitos povos, os números são místicos e tem um significado, mas na cultura chinesa, isso é ainda mais forte. Tradicionalmente, eles associam os números com o significado das palavras com pronúncia semelhante (assim como eles fazem com os nomes e mais um monte de coisas) e a relação com os números interfere muito no modo de vida. Quer ver?

O número “4” é o mais temido, o odiado, o número do azar. Isso porque o quatro em mandarim, sì 四, tem a pronúncia parecida com a palavra “morte”. Muitos prédios pulam o 4° andar (apenas para efeitos psicológicos, claro, pois se tem quinto andar, o quarto, de fato, existirá fisicamente), afinal ninguém quer trabalhar no andar do azar. Os números de telefone celular que contenham o “maldito” quatro, são mais baratos. E os chineses não comemoram o aniversário de 4 anos, nem de 44. E ‘deuzulivre’, marcar casamento para o dia 4 do mês. Ou seja, assim como alguns de nós evitam o número 13, praticamente, todos os chineses evitam o 4.

numeros na china supersticao

o “8” é queridinho, o número da sorte. O som da palavra oito, ba 八, é semelhante a “prosperidade” e “riqueza” em mandarim. Quanto mais oito’s a pessoa tiver, mais sortuda e afortunada ela será. A fixação é tanta que os telefones com o número oito são mais caros e a senha do wifi de vários lugares é 88888888 (oito vezes o número oito). Quer mais? A cerimônia de abertura das Olímpiadas de Beijing foi no dia 08/08/08 as 08:08. Vários voos internacionais que partem da China tem o número oito na sua identificação, o KL888 da KLM de Hong Kong para Amsterdam é um exemplo. E também para efeitos psicólogicos, é comum ver preços terminados em 8 nas lojas e restaurantes, por exemplo ¥ 88.

numero da sorte na china 8 dinheiro

numeros chineses supersticoes

Os números zero , dois , três , sete 七 e nove  também são considerados números da sorte, pois são associados com palavras de significados bons.  Há um ditado chinês que diz que “coisas boas vem em pares”, por isso o número 2 traz sorte. Achei bacana e verdadeiro. O número 9 também tem um significado legal. Ele está ligado a longevidade e eternidade e por isso é muito usado em casamentos. 

Já o cinco 五 e o seis  são considerados números de azar. O cinco por ter a pronúncia parecida com a palavra “não”. Aliás, chinês não gosta de falar “não”, isso significa “perder a face”, para eles. Maaas, se o 5 está associado com outro número ruim, ele tem um significado bom. Achou confuso? Olha o exemplo do 54 (dois números de azar), juntos significa “não morte”, portanto, é uma coisa boa.

Ah, e quando um número está repetido, os chineses acreditam que aquilo que ele representa, se multiplica. Por isso, é  comum eles desejarem para pessoas queridas 8899, que significa fortuna e longevidade em dobro. Então, neste fim de ano, eu desejo à todos meus queridos leitores 8899 e muitos 8’s em suas vidas 😀

Beij888888s 3 b0a s3mana!

09 dezembro, 2015
Aplicativos (grátis) para aprender mandarim
DICAS, Redes Sociais

Nǐ hǎo 你好… quero dizer, olá! estudar aprender chines mandarim

Quando se viaja para outro país onde o idioma é diferente, é importante e de bom tom aprender algumas palavras-chaves da língua local, como “olá”, “bom dia”, “obrigada” e por aí vai. Peguei essa “mania” de baixar aplicativos para aprender outros idiomas faz pouco tempo, mas consegui praticar o pouquinho que sei de francês em Paris e dizer algumas palavras em vietnamita, quando visitei o Vietnã. Eu só sabia meia duzia de coisas, mas já foi o suficiente para arrancar uma cara de espanto do garçom do restaurante kkkk

Quando se trata de China, eu diria, aprender mandarim é praticamente obrigatório e necessário para nossa sobrevivência! Tá, sem exageros, claro que a linguagem corporal e os gestos as vezes funcionam e nos pontos turísticos você até encontra chineses que falam inglês, mas vai dizer: não rola uma curiosidade, uma vontade de aprender algumas palavras e frases em mandarim? É o idioma mais falada no mundo!!! Até mais do que o inglês, afinal, a população chinesa ultrapassa um bilhão de pessoas…

Hoje eu estudo mandarim em uma escola para estrangeiros, mas quando cheguei na China, me virava só com o que aprendi usando o celular. Muitos me perguntam se é difícil. Eu, sinceramente, não acho a gramática chinesa difícil, é menos complexa que o português, mas o que complica para nós estrangeiros é a pronúncia dos tons (e a escrita dos caracteres, claro). Quando a palavra está em um conxteto, os chineses, geralmente, conseguem entender mesmo se o tom não está próximo do real, mas se não tem um contexto, aí ferrou… você pode repetir 10 vezes até que a pessoa consiga entender o que você está querendo dizer… ou não. Então, não esqueçam: pronúncia é tudo!

• Nemo Chinês Mandarim

Já comentei desse app aqui, é um dos meus preferidos, pois é simples e fácil de usar. Ele te mostra a palavra em português (ou no idioma que você preferir) e a tradução em chinês, escrita em pinyin (alfabeto) e em hanzi (caracteres chineses) e o áudio de falante nativo, que ajuda muito na pronúncia. Você pode escolher quantas palavras quer aprender por dia e, se quer aprender palavras ou frases essenciais ou perguntas comuns do dia a dia. Ele ainda te dá a opção de gravar a sua voz e depois comparar com o áudio do “professor”. Na versão completa (custa U$9,99), você aprende a pedir direções, ir às compras, puxar conversa, pedir comida, reservar um hotel e várias outras coisinhas importantes.

nemo app chines aprender mandarim

• Aprenda Chinês Grátis: Frases e Vocabulário para Viagens, Estudos e Morar na China

Esse app é semelhante ao Nemo, mas mais focado em frases inteiras. Ele te explica exatamente o que falar em chinês em determinadas situações e ainda tem frases básicas prontas, em português, com tradução em pinyin e hanzi, que ajudam muito no dia a dia. Por exemplo, quando algum chinês não entende, de jeito nenhum, o que você está dizendo ou perguntando, é só mostrar a pergunta em hanzi. A versão completa custa U$ 4,99.

• Learn Mandarin ®

Um pouco mais completo e avançado (apesar de ser mandarim básico) que os demais e mais focado em lições. Ele é dividido por assuntos: Educação; Família; Cidades; Viagens; Cores; Números; Compras; Roupas, entre outros. E você estuda de acordo com o assunto de sua escolha. Você aprende através de exercícios audiovisuais e são mais de nove tipos de lições, entre elas jogo da memória, quiz, lista de estudos e áudio.

• Monki Chinese Class: Aprendiz de Idiomas

Esse app é para aqueles que querem aprender a escrever os caracteres chineses. Na verdade, ele foi criado para as crianças, por isso é composto de ilustrações fofas e coloridas. Cada caracter é representado pelo desenho do seu significado e você precisa escrever o ideograma por cima do desenho, traço por traço. Sim, é bem infantil, mas ajuda muito a fixar a sequência correta de escrever um ideograma e a associá-lo ao seu significado.  O app te chama atenção quando o traçado está errado e tem áudio, o que ajuda a entender a pronúncia correta.monki chinese class aprender mandarim

Se você quer aprender um pouco desse idioma tão antigo e que parece de outro mundo, mas na verdade não é (!), seja por curiosidade ou por necessidade, não deixe de fazer o download destes aplicativos. São todos free e não necessitam de acesso a internet. E ajudam muito! Depois, quem sabe, podemos bater um papinho em mandarim. Topas?

Zàijiàn

25 novembro, 2015
A política do filho único na China – revogada!
Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

Faz algum tempo que quero falar sobre este assunto aqui no blog e com a declaração recente de que a política do filho único está com os dias contados, este tema que transformou a vida de muitas famílias chinesas por mais de 30 anos, voltou a ser discutido mundialmente.

politica do filho unico china aborto

Nós ocidentais temos um conhecimento muito superficial sobre o assunto e poucos realmente se dão conta do quanto o povo chinês teve que se sacrificar para cooperar com o crescimento populacional. Segundo dados do governo, a lei, que surgiu em 1979, evitou cerca de 400 milhões de novos chineses no mundo. Imagine: 400 milhões de pessoas, é muita gente! Mas para isso, milhares de família chinesas sofreram, e muito.

Quando a política foi implementada, era estritamente proibido ter mais de um filho. Por isso, muitas mulheres foram obrigadas a abortar a sua segunda (ou terceira, ou quarta…) gravidez. O controle por parte do governo era rígido e não havia escapatória. Também tiveram inúmeros casos de abandono e até de infanticídio de meninas recém nascidas, já que na cultura local, a preferência por filhos homens é gritante e se a regra era ter só um filho, que este fosse homem então. As poucas famílias que conseguiam ter um segundo filho escondido, tinham que doa-lo (sim, a palavra é essa mesmo), para evitar que a criança fosse levada por agentes do governo. O livro Mensagem de uma Mãe Chinesa Desconhecida{link direto para compra} relata com delicadeza a história de muitas mães que perderam seus filhos devido à essa política. A leitura é gostosa e super válida para quem se interessa pelo assunto.

Com o passar dos anos, a política sofreu algumas mudanças. A primeira delas permitia que casais que tivessem o primeiro filho do sexo feminino, após cinco anos, poderia ter um segundo filho. Mas para isso, o casal precisaria pagar ao governo um valor de cerca de ¥ 250 mil. Aí você pensa: pagar para ter um filho? Soa, no mínimo estranho e frio, mas de acordo com o governo, o pagamento era exigido para mostrar que o casal tinha condições de criar um segundo filho e que não iria abadona-lo. A mudança mais recente, colocada em prática em 2013, permitia que casais em que ambos pais fossem filhos únicos, poderiam ter dois filhos, independente se o primeiro fosse menino ou não. Outra solução encontrada pelos casais com melhores condições financeiras, era dar a luz nos Estados Unidos e ainda poder usufruir da cidadania americana.

No último mês, como você já deve ter lido por aí, o governo chinês divulgou o fim da política do filho único. A China se viu obrigada a acabar com essa política, primeiro, porque previa-se que em poucos anos a população de idosos no país, seria consideravelmente maior que a de jovens. Segundo que, por causa da tradicional preferência por filhos homens e da própria regra que impunha que casais poderiam ter um segundo filho somente se o primeiro fosse menina, a quantidade de homens chineses está ficando, disparadamente, maior que a de mulheres.

Aí você imagina que, depois de anos de sofrimento, os chineses estariam comemorando o fim dessa política, não é!? Na verdade, não. Pelo o que eu vi, pouco se falou sobre essa mudança e os casais chineses que tenho contato, não se mostraram muito entusiasmados. Ao meu ver, a política do filho único foi, por tanto tempo, duramente imposta como regra e foi tão fria e cruel com algumas famílias, que ter dois filhos não parece ser tão atrativo. Mas o principal motivo para tão pouca agitação é que, como tudo gira em torno do dinheiro na cabeça deles, criar mais um filho exigiria muito trabalho e gastos absurdos (o que não deixa de ter um fundo de razão)…
 .
Afinal, a implementação da política do filho único, há 35 anos atrás, foi a coisa certa a ser feita?
20 novembro, 2015
Chineses comem carne de cachorro?
Cultura, Curiosidades, LIFESTYLE

chineses comem cachorro?

Quando se fala em “China”, “culinária”, “cachorros”… tenho certeza que sempre surge essa pergunta na cabeça de muita gente! Comigo acontece seguido, quando falo que moro na China, pronto, alguém pergunta (em tom de brincadeira, mas com um fundo de curiosidade): você já comeu carne de cachorro? Bom, é claro que não! Primeiro, eu nunca vi para vender e segundo que, para mim cachorro é um animal de estimação (sou apaixonada por dogs) e eu jamais teria coragem de comer a sua carne. Mas sei que tem esta história de que chineses comem cachorro e confesso que fico intrigada em quase não ver cachorros de rua por aqui. Sempre me perguntava, será que a China tem um controle muito bom de reprodução de animais ou será que eles resgatam o cachorro e servem de janta?

Nesse meio tempo em que estou na China e tenho mais contato e amizade com chineses, sempre que surge a oportunidade eu pergunto sobre esse assunto. Queria juntar informações de várias pessoas e de regiões differences do país, pois assim como no Brasil, as tradições na China podem mudar de acordo com a região. Afinal, a gente lê de tudo na internet e na maioria das vezes, não sabe nem a fonte, então, nada como ir direto a fonte, ou seja, os chineses.

Então, respondendo a pergunta do título do post, a carne de cachorro fez parte da dieta dos chineses por mais de mil anos. No interior da China, até uns 10 anos atrás, era muito comum comer carne de cachorro, além de coelho, porco e vaca. Mas o cão não era visto como um animal de estimação, e sim como um animal selvagem e ele era tratado e alimentado como tal.
 .
Eles costumavam temperar a carne do animal com ervas e temperos chineses naturais e deixar cozinhando por muitas horas. Chegou a me dar uma dor no coração quando a chinesa começou a me contar o modo de preparo da carne. É horrível pensar nisso, mas por um lado, eu até entendo, sabe!? (Entendo, mas não concordo, diga-se de passagem). Eles cresceram em uma cultura diferente da nossa, que acreditava que o cachorro era mais um tipo de alimento e não um animal para se ter dentro de casa ou como um amigo. Se formos parar para pensar, é a mesma relação que nós ocidentais temos com o boi e a vaca, não é?! Eu tenho pena do animal sim, mas não deixo de come-lo, meus pais me ensinaram a comer carne bovina quando criança, quando eu ainda nem tinha consciência de onde vinha aquilo que estava no meu prato. É tradição! Sem falar que o chinês é um povo que já passou muita fome, então aprenderam a comer tudo o que tinham acesso, ou seja, tudo que caminha, rasteja, voa ou nada.
.
Mas hoje, com as críticas, a pressão da mídia ocidental e dos próprios chineses, comer carne de cachorro é um ato cada vez mais raro. Restaurantes não oferecem esse tipo de prato e os pouquíssimos que talvez tenham a carne de cachorro no menu, cobram caríssimo, porque isso é uma iguaria. Até o Festival de Yulin está perdendo forças (ainda bem!). Todos os jovens chineses que conversei, são contra comer carne de cachorro. A grande maioria nunca provou, somente uma amiga que nasceu no interior da China. Mas os mais antigos e mais tradicionais ainda gostam da carne e comem quando há oportunidade. Uma menina de Beijing me disse que no norte do país, há pessoas que ainda catam cachorro na rua e fazem hot pot dele (que horror!). O hot pot é um prato típico dessa região, que consiste em mergulhar carne e vegetais na água quente e comer com muita pimenta.
.
Mas assim, não dá para generalizar “chinês come cachorro!”. Alguns poucos ainda mantêm essa tradição, mas percebo que a maioria é contra e muitos adotam o cão como animal de estimação e o tratam como se fossem filhos.
cachorro poodle camiseta brasil
Esse poodle chinês que encontrei no super, torce para o Brasil :)
Então, se pretende trazer seu pet para o país, não se preocupe que nenhum poodle, shitzu, lulu da pomerânia, labrador ou vira-lata vai virar comida de chinês.
15 novembro, 2015
Instagrams da Semana #2
Redes Sociais

Esse fim de semana o feed do Instragram do mundo inteiro lotou com fotos relacionadas à um unico assunto. Quem tem instagram, e até quem não tem, sabe do que estou falando. Depois dos ataques à Paris nessa sexta-feira a noite, foi criada a #PrayforParis, em homenagem e solidariedade aos parisienses, às vítimas do ataque e suas famílias. Até agora (meio dia de domingo na China), já foram publicadas mais de 5 milhões e 560 mil fotos usando essa hashtag. E esse número continua aumentando a cada segundo.

E depois de tantos questionamentos e indagações “que país é esse que estamos vivendo?” e lembrando das tragédias, conflitos e guerras que estão acontecendo no mundo, foi criada também a #PrayforWorld, que até agora já tem mais de 259 mil fotos.

pray for paris #
Imagens mais publicadas no Insta

Sabe que no fundo, acho que somos um pouco “hipócritas” com tudo isso. Eu também usei a #PrayforParis, demonstrei minha indignação e minha tristeza com o ocorrido. Mas sei que guerras, bombardeios, centenas e milhares de pessoas inocentes sendo mortas acontecem com frequência no mundo, mas por quê as vítimas da Guerra na Síria e as milhares de famílias desfeitas não são notícia de destaque na imprensa mundial e não recebem uma hashtag nas redes sociais? A #PrayforSyria não passou de 74 mil fotos ainda e isso que essa guerra começou muuuito antes da última sexta-feira, 13. Entendem o que quero dizer?

Ao meu ver, ataques e atentados como este em Paris, quebram paradigmas. Temos para nós que Paris e outros países da Europa são lugares seguros. Lugares, que você, facilmente, escolheria como destino de lua de mel ou férias com a família. E quando coisas assim acontecem nesses lugares, chocam! Você pensa: eu poderia estar lá (e eu estava há duas semanas atrás). E também o povo parisiense, os franceses, os turistas nada tem a ver com essa crença e essa religião que mata. Mas assim  como eles merecem nossa solidariedade e nossas orações, aquelas pessoas inocentes que sofrem devido às guerras no mundo, também.

Bom, mas agora vamos falar de um assunto mais leve? Bem leve, literalmente. É que esta semana foi gravado, em Nova York, o Victoria’s Secret Fashion Show 2015 e mesmo os convidados tendo que assinar um termo de não divulgação das fotos (segundo Thássia Naves contou no snap), o Instagram bombou de fotos do desfile e do backstage. Até porque o próprio perfil da marca @victoriassecret, as modelos e as revistas que cobrem o evento, claro, divulgaram muita coisa pra gente que tá aqui, morrendo de curiosidade. O line-up maravilhoso de angels, como sempre, estava recheado com sete beldades brasileirasAlessandra Ambrósio, Adriana Lima, Izabel Goulart, Lais Ribeiro, Flavia Lucini, Barbara Fialho, e Gracie Carvalho. As bffs americanas Kendall Jenner e Gigi Hadid estrearam na passarela do VS, que teve ainda as modelos chinesas Sui He e a fofa Ming Xi, que contou em entrevista à Vogue China, que suas angels preferidas são Candice Swanepoel e a Adriana Lima (teve até selfie das duas juntas no instagram).

Victorias Secret Fashion Show 2015 angels

Victorias Secret Fashion Show 2015 Alessandra Ambrosio

Victorias Secret Fashion Show 2015 Kendall Jenner Gigi Hadid angels

Victorias Secret Fashion Show 2012 Sui He chinesa

Victorias secret fashion show 2015 MingXi chinesa

Victorias secret fashion show modelos chinesas

Victorias Secret fashion show adriana lima e chinesa ming xi

Este ano, os artistas convidados para perfomance foram Ellie Goulding, Selena Gomez e The Weeknd. E como acontece nos desfiles da VS de todos os anos (pelo menos o que o público vê), o clima é de muita diversão, descontração e muuuita beleza também. O show vai ao ar no dia 08 de dezembro, no canal CBS. Tô louca pra assitir essa babadeira! E vocês?

Semana que vem tem mais news e fofocas do instagram. E quem ainda não segue o @ChinaChic no insta, está convidadíssimo.

Beijos e uma semana iluminada! ♥

13 novembro, 2015
Jennifer Lawrence em Beijing – estréia do filme Jogos Vorazes
Curiosidades, MODA

Quem também é fã da Jennifer Lawrence põe o dedo aqui…! Eu não sou muito de falar de celebs no blog, mas a admiro muito como atriz e como personalidade. Primeiro pela sua ótima atuação em filmes, como X-Men e Jogos Vorazes. Com 25 aninhos, ela já coleciona três indicações ao Oscar, já conquistou um Oscar de Melhor Atriz, Globo de Ouro, BAFTA e mais outros prêmios, sem falar que é uma jovem atriz aclamada pela crítica e já colocou uns bons milhões de doláres na conta. Tá bom ou quer mais? Segundo, que quem a acompanha nos red carpets e premiações, já percebeu que a menina tem personalidade. Depois de um tombo histórico ao subir no palco do Oscar, logo depois de ser anunciada vencedora, uma queda no tapete vermelho do Oscar um ano depois e bem recentemente, nesta última terça, outro tombo no Red Carpet – dessa vez na Premiere de Jogos Vorazes em Madrid – ela “levantou, sacodiu a poeira e deu a volta por cima” (como diz o ditado) e ainda fez piada dos acontecimentos. Tá certo, quem nunca né!? (pode acontecer com qualquer um, não num Oscar, mas….).

Ontem, 12 de novembro, ela apareceu deslumbrante em um vestido de renda azul bebe bem clarinho da Dior, na Premiere do filme The Hunger Games: Mockingjay – Part 2 (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 2), em Pequim, capital da China. Dessa vez sem quedas (ufa!). Ao seu lado, os colegas de filme e gatos, Liam  Hemsworth e Josh Hutcherson.

gale hawthorne, liam hemsworth, jennifer lawrence jogos vorazes beijing

jennifer lawrence tapete vermelho beijing the hunger games

jennifer lawrence vestido dior beijing

O look deslumbrante de Jenn está dando o que falar na internet (mais do que o próprio filme) e combina perfeitamente com uma frase que eu sou adepta: menos é mais! Simples e elegante, o toque de cor da produção ficou por conta do batom e unhas vermelhos. E a atriz parece pouco ter se importado com o frio de 6º graus que fez em Beijing ontem a noite, ao usar um vestido sem mangas e com as costas abertas. Puderá, com um Dior maravilhoso desses, eu também não sentiria hehehe

Ela também foi bem simpática com as dezenas de fãs chineses que se amontoavam ao redor dela, tirando fotos e pedindo autográfos.

jennifer lawrence beijing dior foto

jennifer lawrence beijing fas

O filme que promete um grand finale, estréia nos cinemas da China e de mais 86 países no dia 20 de Novembro, em 2D e 3D. Ir no cinema na China é sempre uma aventura, mas eu já estou contando os dias para assisti-lo!

13 novembro, 2015
Aplicativos que vão mudar sua vida na China
DICAS, LIFESTYLE, Redes Sociais

Ahhh, a tecnologia… as vezes nos perguntamos, como vivíamos antes dela existir? Eu me questiono com frequência, e vocês? Confesso que, apesar de fazer bom uso da tecnologia {alô Skype e FaceTime, ainda bem que tenho vocês para matar as saudades de quem ficou no Brasil}, eu não sou o tipo de pessoa que entende tudo de gadgets ou tem milhões de aplicativos no celular. Tenho um ou outro app que são os meus favoritos e aqueles que fazem minha vida muito melhor aqui na China, ou seja, não dá para viver sem! E o melhor, todos free.

aplicativos usar na china

  • App de Metrô

Uma coisa que funciona muito bem na China é o transporte público – você consegue chegar em qualquer lugar by bus, os táxis são baratos e nas principais cidades há metrô com linhas que te levam para todos os cantos. E quando falo em principais cidades na China, falo em cidade grande, mas graaande mesmo, tipo 10 milhões, 20 milhões de pessoas. E para atender todo mundo, os mêtros costumam ter várias linhas e infinitas estações. A maneira mais fácil para você se achar, saber qual a melhor rota, qual linha pegar, quanto tempo leva e qual estação descer, é usando o aplicativo do metrô. Otimiza muito o seu tempo e evita que você se perca no meio de milhões de chineses (lembre-se: a grande maioria não fala inglês e portanto será mais difícil conseguir ajuda). O aplicativo Metrô de China ou MetroMan é ótimo! Ele rastreia sua localização e permite que você escolha qualquer cidade da China que tenha metrô, ou seja, abrange a China inteira.

Ou se você preferir, pode baixar o app do metrô de cada cidade – Shanghai Metro, Beijing Metro, Shenzhen Metro…

  • Taxi Book

Continuando no mesmo assunto – transporte público, usar táxi na China é extremamente conveniente. Além de ser muito barato, geralmente é bem fácil de conseguir. Mas para aqueles dias que você está com pressa ou em uma hora que não passa táxi nenhum, existe o app Táxi Book. Você ativa a procura, ele pesquisa os táxis mais próximos da sua localização e o motorista que quiser fazer a corrida dá um “aceitar”. Você manda o endereço em chinês e ele te retorna com o número da placa do carro, para você saber quando seu táxi chegar.  Bem prático. O único problema é que o app é todo em chinês, mas depois que você sabe o caminho das pedras é só ir clicando nos botões certos. O app é bem simples e não tem outras funções, então é tranquilo de se achar. E para quem quiser um serviço de táxi particular, na China também existe o Uber. Mas caso você não saiba nada mandarim, tem que torcer para cair em um motorista que entenda inglês.

  • Pleco Chinese Dictionary

Meu companheiro quase que diário! O Pleco é um dicionário inglês-mandarim (e vice-versa), um simples tradutor que, definitivamente, eu não vivo sem aqui na China. Mesmo arranhando o mandarim, quando algum chinês não entende meu tom ou quando eu realmente não sei a palavra, eu recorro ao Pleco. Mas aí você pensa, se for por isso, posso usar o Google Translate. Certo?! Errado! Tudo bem que o Google Tradutor é totalmente free, todo mundo usa e não tem como competir (nem vou falar dele muito porque todo mundo conhece). Mas o que eu acho ruim no Google Translate é que ele traduz toda a sentença da maneira que quer e as vezes a tradução fica totalmente sem nexo.

O Pleco, apesar de não traduzir frases, não te dá somente a tradução da palavra em pinyin (alfabeto ocidental) e o ideograma chinês (essencial para o chinesinho te entender), mas ainda mostra a definição da palavra, utilização em frases e a sonoridade. Você ainda encontra no app, o histórico de palavras pesquisadas e pode salvar as mesmas dentro de pastas organizadas por assunto que você mesmo definir. É uma mão na roda!

Ele também tem um dos melhores sistemas de OCR, o Optical Character Recognition, que lê a mensagem em chinês e traduz ideograma por ideograma, melhor do que a tradução do Google. Mas o OCR é pago (USD 11,99). Descobri faz pouco tempo e ainda estou maravilhada, vocês não tem ideia de como é ruim olharmos para todos os lugares com escritas chinesas e não entendermos nada. Isso faz toda a diferença!

  • Nemo Chinês Mandarim

Aprender, pelo menos o básico do básico, do idioma do país que você esta visitando é interessante tanto para você se comunicar melhor e conseguir se “virar” durante a viagem, quanto para se mostrar cordial com os locais. No caso do mandarim, os chineses ficam surpresos e muitas vezes, contentes, quando veem que você sabe falar a língua deles. Um simples “Ni hao” ou “Xie xie” (olá e obrigada, respectivamente) vindo de um laoway, já fazem o dia deles. E o melhor: presenciar a cara de espanto do chinês quando ele ver que você sabe mandarim!

No app Nemo Chinês Mandarim você tem a opção de escolher quantas palavras quer aprender por dia e ele te ensina em pinyin e caracteres. O estudo é através de exercícios simples que ajudam na fixação da palavra. Cada dia você aprende palavras novas. E nos dias que você não estuda, ele te lembra de praticar. Ou seja, esse app é para ninguém arranjar desculpa…

  • VPN Express e Betternet

Já falei sobre esse assunto aqui no blog e ontem desabafei no snap kkkk {adiciona ChinaChic8}. A internet na China é realmente um teste de paciência! O VPN é a salvação para conseguir acessar as redes sociais, o Google, Gmail, Youtube e todos os outros milhares de sites que são bloqueados aqui na China. Sem VPN não se vive no mundo digital (a não ser no mundo digital chinês), por isso, nem se atreva a vir para a China sem um app de VPN cadastrado no seu smartphone, tablet e/ou notebook.

O VPN Express é um dos mais usados e recomendado, devido ao seu uso fácil. O Betternet tem a mesma função (procure assim, escrito junto). Como eu moro aqui, eu tenho uma conta anual do Astrill e nunca usei esse último app, mas foi muito bem indicado por pessoas próximas que vem ao país com frequência.

E para garantir que tudo funcione bem, baixe os apps antes de chegar na China, especialmente o do VPN. Eu já passei por um sufoco quando apaguei o app do Astrill quando estava no Brasil e e esqueci de baixa-lo novamente antes de voltar. Foram dias tentando até conseguir abri-lo novamente, mas ufa, consegui!

08 novembro, 2015
Instagrams da Semana #1
Redes Sociais

O assunto que mais deu o que falar na web essa semana surgiu no instagram. O que eu li e você provavelmente também, já que o assunto está em todos os sites de notícias, fofocas e moda é que a modelo australiana Essena O’neill, dona de uma conta de mais de 500 mil seguidores, apagou diversas fotos do seu perfil e mudou a legenda de outras, a fim de alertar as pessoas de que a vida digital não é a real.essena oneill instagram bikini pictureessena onaill instagram dressGente, oi? Não crítico ela pelo o que fez, acho até que a intenção dela foi boa (apesar de um pouco exagerada). A menina não aguentou a pressão (que muitas vezes parte dela mesmo) de ter que ser sempre linda e perfeita e radicalizou. Quis mostrar às meninas que se espelham nela que ninguém é perfeito. Acho justo!

Mas o que me admira é esse tanto de mídia em cima de um assunto que já é tão ultrapassado, como se estivessem surpresos que alguém resolveu falar que as redes sociais não mostram a vida como ela realmente é. É claro que as pessoas, em sã consciência, não vão mostrar seus problemas mais íntimos nas redes sociais  e também sabem que as empresas pagam para famosos, influenciadores digitais e blogueiros falarem que amam tal marca ou produto. Isso é claro, pelo menos para mim. Ou você acha que a Xuxa usa mesmo Monange e a Gisele, Pantene?! A mídia tradicional (revistas, tv, rádio), como o nome já diz, é tão tradicional que as empresas precisam se reiventar, o público quer novidades sempre. Os blogs já viraram espaços publicitários há muito tempo, as redes sociais também. E vai depender da boa índole do influenciador avisar aos leitores quando é publicidade. Se ela fez publicidade velada no seu instagram e depois se arrependeu, ok, mas imagina como não fica a cara da empresa que apostou no trabalho dela, pagou e depois teve seu filme queimado para mais de 500 mil pessoas!? #prontofalei
_
Uma das blogueiras mais tops do Brasil, Thassinha também virou notícia quando postou uma foto com a legenda “Decidi seguir outro sonho. Vocês não me verão mais em looks diferentes a cada post… Por enquanto é só o que posso dizer. Mas muito obrigada pelo apoio até aqui.”
Todos acharam que ela iria seguir outros passos e abandonar os maravilhosos looks do dia, mas não, era apenas uma estratégia de marketing para divulgar o Bazar da Thássia, um evento beneficente cuja renda será toda revertida para o Hospital de Cancêr de Uberlândia e a Casa do Menor Nova Canaã. Apesar de que ela ganha boa parte das roupas e dos acessórios que veste, achei a causa muito nobre e muito bacana, pois toda mulher sabe como é difícil se desapegar de coisas do closet que tenham algum valor emocional. Tenho certeza que o bazar será successo! thassia naves instagram bazar beneficiente novo sonho
_
E no insta do @ChinaChic {quem ainda não segue, venha me fazer companhia aqui} eu compartilhei um pouco da minha passagem por Paris e Beijing na semana passada. Paris no outono é divinamente encantadora e eu ainda não acredito em como fomos abençoados por pegar dias ensolarados e de céu azul sem nuvens em Beijing, uma das cidades mais poluídas do mundo. Renderam muitas fotos lindas e passeios ainda melhores 😀instagram paris torre eiffel
_
 
beijing pequim muralha da China Cidade Proibida
E agora mais uma semana começando… vamos aguardar para ver o que vai bombar no #instagram!
Uma semana abençoada para todos nós :)