16 janeiro, 2016
Bangkok | Restaurantes e rooftop bares
Tailândia, VIAGENS

E para encerrar a semana de posts com dicas de Bangkok, nada melhor do que falar sobre bares e bons restaurantes. Afinal, sexta-feira é o dia mundial da felicidade sem motivo, da saída com os amigos, da bebedeira e da comilança, por que não?! E em Bangkok, definitivamente, não faltam lugares para fazer tudo isso. Os bares e restaurantes citados abaixo estavam muito bem recomendados nas pesquisas que fiz antes da viagem e, depois de experimentar, com certeza, assino embaixo.

Sirocco e Sky Bar, Lebua Hotel

Essa dupla é, praticamente, atração turística de Bangkok. Se você assistiu ao filme “Se Beber não Case 2″ você já conhece o Sky Bar! Este é o bar onde foi gravado a cena em que um helicóptero da polícia aparece no topo do hotel para prender o chinês Chao. Memorável!

O Sky Bar fica no 63º andar do Hotel Lebua e é considerado o segundo bar ao ar livre mais alto de novo (perdeu o status de primeiro para o 1-Atitude de Cingapura). A vista de Bangkok, incluindo do rio Chao Phraya, é incrível!

O Sirocco é o restaurante maravilhoso do Lebua Hotel, anexado ao bar. É importante reservar mesa com antecedência (ligamos dois dias antes e não conseguimos lugar). Mas a grata surpresa foi o Distil Bar, um andar acima do Sky Bar. O bar tem um lounge com confortáveis sofás, de onde é possível apreciar a vista da cidade. E as comidinhas são, hmmm, uma delícia!

sky bar restaurante sirocco lebua hotel bangkok

sky bar sirocco lebua hotel vista bangkok

distil sky bar jantar lebua hotal bangkok

Ah, importante atentar para as regras do hotel e dress code – leia mais aqui.

Octave Rooftop Lounge & Bar

O Octave é uma bar 360° graus, que começa no 45º andar e vai até o 49º andar do Marriott, hotel que ficamos hospedados em Bangkok. Temos uma vista incrível de boa parte da Sukhumvit Road e o pôr do sol dali é, simplesmente, mara!

O bar serve alguns petiscos, suhi, mas o forte deles são os drinks. A variedade é grande e tem uns bem diferentes. Experimente o Pina Colada Old Fashioned, delicioso!

por do sol sunset vista rooftop bar marriott bangkok

octave bar rooftop topo marriott hotel bangkok

octave bar marriott hotel rooftop bangkok

Nahm, Metropolitan Hotel

Quem vai à Tailândia, tem que experimentar comida tailandesa, não é!? Então, que seja em grande estilo! Se você quer ir com sede ao pote, ou melhor, aos pratos típicos, tente o Set Menu, tipo um menu degustação, com uma entrada, sopa, prato principal e sobremesa de sua escolha (de acordo com as opções do menu, claro). Mas lembre-se: a comida tailandesa pode ser mais apimentada do que você imagina. Quase peguei fogo com a sopa, apesar de ser deliciosa.

O restaurante fica no Metropolitan Hotel, na região de Silom. Para chegar lá, é só descer na estação Silom, pegar a esquerda e andar sempre reto até chegar ao hotel. Outra dica importante: o dress code pede homens de calça comprida, mesmo no horário de almoço.

prato tipico comida tailandesa

prato tipico comida tailandesa nahm bangkok

culinaria tailandesa peixe sopa nahm bangkok

restaurante comida tailandesa nahm metropolitan hotel bangkok

Eat Me

O restaurante de comida internacional, tem uma decoração moderna e atmosfera sofisticada. Eu a-do-rei! A comida então… O menu tem belas opções de peixes, carnes e saladas. O Eat Me também fica na região de Silom.

E para quem não quer fugir muito da zona de conforto ou procura algo mais familiar, o Hard Rock Cafe fica na Siam Square. Depois de um dia de compras e bateção de pernas nos shoppings de Siam, não resisti e parei lá para reabastecer as energias.

Curtiu as dicas? Anotou? Então, bora curtir o fim de semana!

SaveMe!
15 janeiro, 2016
Bangkok | Os melhores shoppings e mercados para fazer compras
Compras, Tailândia, VIAGENS

Mulherada, prepara o cartão de crédito, ou melhor, os bahts tailandeses, porque Bangkok é o paraíso das shopaholics (depois da China, claro). A casa de um dos maiores mercados de rua do mundo, surpreende qualquer turista com a quantidade de barracas montadas nas calçadas, em contrapartida com lojas de luxo e shopping centers modernos com as melhores lojas de departamento internacionais.

Como no primeiro dia em Bangkok já tínhamos visitado os principais templos da cidade e outras atrações turísticas, deixamos os dois dias seguintes para a apreciar a culinária eeee…. ir as compras!!! Claro que em poucos dias não dá para conhecer tudo, mas dá para conhecer muita coisa. Anota aí as dicas e aproveite seu shopping day!

Khao San Road

Começando pelo mais simples e barato. A Khao San Road é a rua conhecida dos mochileiros. Aqui você vai encontrar pequenas lojas com artigos tailândeses, lembrancinhas, como elefantes de madeira e cartões postais, e roupas – vestidos e macaquinhos estampados, regatas e camisetas com logo da cerveja local, calças largas e batas com estampas budistas e blusas de crochê e renda. Tudo custa em torno de 250 bath, ou seja, menos de U$ 8. Isso, sem barganhar, que é ato quase que obrigatório. As coisas que você encontra aqui, você vai encontrar, praticamente as mesmas, nas lojinhas centrais de Phuket, Phi Phi, Koh Samui, etc..

Terminal 21

Localizado na Sukhumvit, na saída da estação Asoke, este é um dos shoppings mais famosos de Bangkok. H&M, Sprit, Nike, Oakley, entre outras marcas internacionais e também nacionais, estão presentes aqui. E se bater a fome, opções de restaurantes é o que não faltam, tem até um Tony Roma’s. E o legal é que é um shopping temático, cada um dos sete andares corresponde a uma cidade. O andar de São Francisco – Califórnia tem até uma réplica, tamanho grande, da Golden Gate.

Terminal 21 shopping compras bangkok tailandia

Siam Square

Muito mais do que um shopping center, a Siam Square é uma região onde você respira compras. É aqui que estão concentrados boutiques e grandes detinos de compras em Bangkok, entre eles o MBK Center, o Siam Discovery Center, o Siam Center e o Siam Paragon. Para chegar na região, é só pegar o BTS até a estação Siam.

MBK Center

Este é um dos destinos mais famosos de compras entre os turistas e quer saber por quê? Variedade de produtos e preço bom. O MBK está mais para camelô do que shopping center. Na verdade, são diversas barracas e lojas pequenas espalhadas por mais de 5 andares de shopping. Nos três primeiros andares você encontra roupas, sportwear, acessórios, lingeries e sapatos. O 4º andar é o paraíso para quem procura eletrônicos baratos. As lojas ali vendem telefone celular, laptops, computadores e outros acessórios, inclusive aparelhos usados. O 5º andar é reservado para venda de equipamentos de fotografia e olha, tem muita coisa por preço justo. No 6º andar fica uma enorme praça de alimentação, com todos os tipos de pratos que você pode imaginar.

mbk shopping compras bangkok siam square

Siam Center e Siam Discovery Center

O Siam Center é um shopping bem bacana, com algumas lojas de marcas famosas, como Forever 21, Levis, Armani Exchange, Lacoste, Kipling e Havaianas. Ele é interligado com o Siam Discovery Center através de uma passarela.

Centerpoint of Siam Square

Esse shopping não é muito popular entre os turistas, tem lojas bem mais simples, mas foi um dos que mais gostei. Aqui encontramos roupas e acessórios de designers locais. Coisas bem diferentes do que vemos nos demais shoppings e por não ser marca famosa, o preço é baixo. Eu fiquei encantada com os vestidos, as saias e shorts de renda, um trabalho realmente lindo e barato.

Siam Paragon

O maior e mais luxuoso shopping de Bangkok é mais um parque urbano do que um shopping center. As grifes Prada, Dior, Louis Vuitton, Cartier, entre outras, você encontra por aqui. Mas para quem não pretende desenbolsar tantos baths assim nas compras, tem Zara, H&M e outras fast fashions.

siam paragon shopping compras marcas grifes bangkok

Chatuchak Market

O maior mercado aberto da Tailândia, só acontece nos fins de semana, e é imperdível. Preciso confessar que tanto eu quanto o Rodrigo ficamos impressionados com a organização do lugar. É todo dividido por setores, de acordo com os produtos a venda e logo na entrada você recebe um mapa impresso (não deixe de pegar, é super útil).

Neste mercado você encontra de tudo, mas tudo mes-mo! Tudo o que você puder imaginar, tem aqui: Camisetas estampadas, vestidos, camisas, calças e shorts jeans, entre outros tipos de roupa, sapatos super diferentes, souvenirs, sabonetes coloridos, velas, quadros e outros itens de decoração, roupas para crianças, livros, instrumentos, acessórios, insetos e outras comidas esquisitas e mais. Tem uma seção só de coisas para pets, onde eu encontrei até qipao (o vestido tradicional chinês) para cachorro!! E por ser mercado de rua, os preços são muito bons e ainda vale barganhar. Nossa, quase fiquei louca quando encontrei umas lojas com os shortinhos jeans mais estiloso ever, pela barbada de 180 bath cada, ou seja, 5 dólares!! E a qualidade? Não fica devendo, não.

chutuchak market compras bangkok

acessorios tailandeses chutuchak market

chutuchak market bangkok sapato tenis botao

E se você pretende passar por todos os setores e olhar tudo com calma, prepara-se para gastar um dia inteiro (o mercado fica aberto das 9 horas às 18 horas). Infelizmente, eu não tive todo esse tempo, mas com certeza, voltarei lá um dia. É realmente muito coisa, por isso, é preciso ter foco. Ps: para chegar lá pegue o BTS até a estação Mo Chit.

Ah, e para quem é ligado em eletrônicos, computadores e demais equipamentos, no Pantip Plaza, você faz A festa.

E a notícia boa é que depois de fazer todas essas compras, você ainda recebe parte do valor gasto, que é restituído. Por isso, não esqueça de passar no VAT Refund quando estiver de saída do país.

» Anotou as dicas? Então boas compras!! 😉

13 janeiro, 2016
Bangkok | Onde ficar e se hospedar
DICAS, Tailândia, VIAGENS

Saber onde ficar hospedado em Bangkok pode ser uma tarefa difícil. Não porque são poucas opções, mas sim porque a cidade tem várias regiões interessantes e inúmeros hotéis bacanas por preços bem acessíveis. Aí você se pergunta: hotel bom com preço justo é boa notícia, não é!? Com certeza, sim. O problema é a dúvida que surge quando você precisa escolher apenas um deles para ficar. Eu pesquisei muito sobre cada região e os melhores hotéis do Booking.com até me decidir. Então pensando nos turistas indecisos como eu, vou fazer uma breve apresentação sobre cada região, para facilitar a escolha, de acordo com o seu estilo de viagem e budget. Vamos lá…

Khao San Road, Banglamphu

O reduto dos mochileiros. Banglamphu é a região onde você, com certeza, vai achar hotéis, albergues e guesthouses com os preços mais baratos de Bangkok. A rua Khao San é uma das atrações turísticas da cidade, por isso é super movimentada. Se decidir que aqui é o seu lugar, procure ficar hospedado nos arredores da Khao San e não na rua propriamente dita, para ter mais sossego. Até porque, na Khao San Road a noite pode ser beeem agitada…

É importante saber que nesta região não tem estação de trem ou metrô próximo. Andar de táxi é, extremamente, barato, mas pode ser uma dor de cabeça, dependendo da hora do dia e do seu destino final, já que a capital da Tailândia é uma das cidades mais populosas do mundo e o trânsito é super crazy.

hostel guesthouse hospedagem khao san road bangkok

Ver hospedagens na região da Khao San Road.

Sukhumvit Road

Esta é a maior rodovia da Tailândia e em Bangkok ela vira uma das principais avenidas, repleta de shopping centers, restaurantes, bares e muito movimento. É a região central de Bangkok e a mais indicada para compras. Tem comércio para todo lado.

Na baixa Sukhumvit, ou seja, na parte mais afastada da região central ainda tem uns hotéis bem baratos, mas é na parte central que ficam os hotéis bons de Bangkok.

Outro ponto positivo é que o BTS Sktytrain, o trem de Bangkok, percorre toda a Sukhumvit. Ou seja, independente da altura da avenida onde você ficar hospedado, terá acesso fácil ao transporte público.

Na primeira parada em Bangkok, ficamos hospedados no Marriott Executive Apartments, na Sukhumvit 57 (várias ruas perpendiculares a avenida, recebem o nome Sukhumvit seguido de um número). O hotel é ótimo, lindo, maravilhoso e tem um rooftop bar incrível, com uma vista e tanto da cidade. Mas apesar de ter a estação de trem Thonglor bem próxima, não há muitos atrativos, restaurantes, bares bem próximos. Não que isso fosse problema, pois em 5 minutos de caminhada do hotel, estávamos na estação do BTS e em 20 minutos, estaríamos na parte da Sukhumvit 55, que é cheia de restaurantes e bares. Mas se você prefere ficar no meio do agito e do comércio, os hotéis próximos da estação Asoke e Nana são mais indicados.

Na segunda parada, ficamos na Sukhumvit 21, na estação Asoke, a uma quadra do Terminal 21 (um dos shoppings mais famosos de Bangkok). O The Fusion Suites é um hotel simples, pequeno, mas tem uma decoração bem moderna e descolada. Super indico para quem quer ficar bem localizado, sem gastar muito. O Furama Xclusive é outro hotel super bem recomendado, já fiquei em alguns hotéis da rede e gosto.

por do sol topo bar marriott hotel sukhumvit bangkok
Sukhumvit vista do rooftop bar do Marriott

 

Ver mais hospedagens em Sukhumvit.

Ver mais hospedagens em Sukhumvit Asoke.

Riverside, Rio Chao Phraya 

A região as margens do rio Chao Phraya abrange diversos hotéis 5 estrelas: Shangri-La, Madarin Oriental e Anantara Resort estão localizados aqui, assim como a maioria das principais atrações turísticas da cidade. Portanto, se você quer estar perto dos templos mais famosos de Bangkok e ter uma vista maravilhosa do rio, ficar hospedado em Riverside é uma boa ideia.

No outro lado do rio, onde fica o templo Wat Arun, tem um Ibis Hotel com um ótimo custo-benefício.

hotel shangri-la riverside bangkok

Ver mais hospedagens em Riversides.

Silom Road

A região financeira. Prédios altos e com arquitetura moderna é o que você vê por aqui, além de bons restaurantes e hotéis de redes famosas. Silom central é uma área bem menos turística, com praticamente nenhuma atração famosa por perto. Portanto se você procura uma região calma em meio ao caos que Bangkok pode ser, aqui é o seu lugar.

Silom se estende até o rio Chao Phraya e o Lebua Hotel (onde fica o famoso Sky Bar, do filme “Se Beber Não Case 2″) fica nesta região e tem uma vista linda para o rio.

Sky Bay Sirocco Lebua hotel riverside Bangkok

Ver mais hospedagens em Silom.

O blog tem uma parceria com o Booking.com. Toda reserva que você fizer através do link disponibilizado neste post, o blog ganha uma pequena comissão. Você ajuda a mante-lo ativo e não paga nada por isso. 

Se aprovou as dicas, deixe o seu curtir 😉 Até o próximo post!!

12 janeiro, 2016
Destino China | Os cassinos de Macau, a Las Vegas da Ásia
China, Destino China

Como contei aqui, Macau pertenceu à Portugal até 1999, quando foi devolvida para o governo chinês. Nessa época e desde a década de 1850, na verdade, Macau tinha algumas casas de jogos e uma lei que permitia apostas. Mas foi em 2002 que a China começou a construir o império dos hotéis de luxo e dos grandes cassinos, na região de Cotai, que continua em constante crescimento. Empresas que estão por trás de grandes cassinos de Vegas, como a Las Vegas Sands Corporation, também estão apostando em Macau. Tanto é, que a rua onde fica o The Venetian e o City of Dreams foi nomeada carinhosamente de Cotai Strip, fazendo referência a principal avenida de Vegas.

Com pouco mais de 10 anos, a região se desenvolveu de forma absurda de tão rápida e está se preparando para receber o Wynn e o The Parisian, entre outros, com direito a Torre Eiffel e tudo (que inclusive já está bem adiantada, pelo o que vi quando estive por lá). Além disso, há notícias de que os cassinos de Macau vem faturando mais do que todos os cassinos dos Estados Unidos juntos.

Atualmente, há cerca de 35 cassinos na Península de Macau e 10 na Ilha de Taipa. O lugar mais fun para ficar hospedado é próximo de Cotai, pois é aqui que ficam os maiores e mais novos hoteis-cassinos.

As opções de hospedagem ainda não são tão grandes como em Vegas, mas são tão boas quanto. A minha escolha foi o Galaxy Hotel, por causa da piscina de ondas (confesso :P), que eu acabei nem usufruindo, pois esfriou nos dias que estive lá. O que não foi problema, já que há uma piscina de água quente e várias jacuzzis maravilhosas a céu aberto. Realmente, o lugar ideal para relaxar. Isso sem falar do luxo e conforto do quarto, do cassino gigante, dos restaurantes deliciosos e das tantas lojas de grife e suas esplendidas vitrines. A estrutura é imensa e realmente incrível!! Me senti em Vegas, mesmo!

Galaxy hotel macau piscina ondas verao

Galaxy hotel macau cassino jacuzzi vegas

cassino galaxy hotel macau sala apostas

Outras ótimas opções para ficar hospedado são: The Venetian Macau, Hard Rock, Grand Hyatt, Four Seasons, Sheraton, Conrad, Holiday Inn, Crown Towers, JW Marriot e The Ritz-Carlton. Ou seja, como podes notar, as melhores redes de hotéis estão aqui (e com preços bem mais acessíveis do que o normal). Todos os hotéis tem transfer para o aeroporto, para o porto, para o centro da cidade e para outros hotéis-cassinos.

Quanto aos cassinos, o do The Venetian é o maior, mas, se você é apostador, não se preocupe, todos os cassinos tem, praticamente, os mesmo jogos: roleta, blackjack, pôquer, máquinas caça-níqueis e outros jogos tradicionais chineses. BTW, o The Venetian de Macau não perde nada para o de Vegas. Tem até os canais de Veneza. E é um lugar ótimo para compras, há praticamente, um shopping center dentro do complexo.

cotai strip macau cassino the venetian

cotai strip hoteis cassinos hard rock crown towers

the venetian casino vegas macau

cassino the venetian luz arvore de natal decoracao

Cassino Galaxy Macau Vegas Asia caça niquel

Decoracao the venetian cassino macau

the ventian macau canal veneza

A noite, o agito é no Soho, que fica no City of Dreams. O City of Dreams é um complexo com cassino, que liga os hotéis Hard Rock, Grand Hyatt e Crown Towers. É aqui que fica também uma das atrações mais imperdíveis de Macau, o The House of Dancing Water. Mas falando primeiro do Soho, este é um espaço de entertenimento, que conta com vários restaurantes. Eu indico o Hard Rock Café (sempreee :P), o italiano Shelter (a comida é maravilhosa) e o espanhol T for Tapas. Em uma das noites que estive lá, tinha até uma dupla de brasileiros apresentando canções de jazz e bossa nova, super agradável! Por alguns momentos até achei que estivesse no Brasil…. :)

soho macau hard rock city of dreams jantar italiano shelter

Para terminar a noite, a maior e mais conceituada casa noturna de Macau, Club Cubic, fica também no City of Dreams.

E sobre o The House of Dancing Water, o que posso falar?! Que talvez foi o show mais incrível que já presenciei na minha vida! Eu comprei o ingresso (aqui) achando que iria assistir mais um show de águas dançantes comum, mas estava totalmente enganada. A apresentação de uma hora e meia conta a história de um princípe que tenta salvar a amada das garras da rainha má (nenhuma novidade até aqui), mas a história se desenvolve na água, dentro de uma piscina com 3,7 milhões de litros d’água. Em alguns momentos, o chão do teatro sobe, a água some e o show continua em “terras firmes”. São dezenas (talvez até centenas) de artistas que fazem saltos na água, danças suspensas no ar, saltos de moto e outras acrobacias inacreditáveis. Sabe quando você fica o tempo todo de boca aberta, pensando “como eles conseguem fazer isso?” Tem ainda apresentação de trajes típicos e vários efeitos especiais (fiquei tão concentrada na apresentação, que esqueci de tirar fotos). Sugiro comprar o ingresso antecipado pelo site. É caro (paguei quase U$100 por pessoa), mas vale muito! É imperdível!!

house of dancing water show aguas dancantes macau

E depois de conhecer um pouquinho de Macau, quero saber… quais foram as suas impressões? 😉

12 janeiro, 2016
Bangkok | Templos, rio e outras atrações turísticas
Tailândia, VIAGENS
A capital da Tailândia é aquele tipo de cidade onde três dias são suficientes para você conhecer muita coisa, mas se você ficar sete, dez, quinze dias ou um mês, vai ter sempre algo de diferente e interessante para desvendar!

As atrações turísticas mais famosas de Bangkok ficam próximas do Rio Chao Phraya, portanto, na minha opinião, a melhor maneira de chegar até elas é pegar o Chao Phraya Tourist Boat. O barco é considerado o maior transporte público fluvial da cidade e para em oito piers que dão acesso a templos, igrejas, mercados de rua, museus, hotéis e tantas outras atrações de Bangkok. Pegamos o barco no Pier 1, que fica na estação de metrô Saphan Taksin, linha Silom. O one-day ticket, ou seja, o ingresso válido por um dia inteiro, custa menos de U$ 4 por pessoa e te dá o direito a viagens ilimitadas de barco, ou seja, você pode descer e voltar ao barco quantas vezes quiser, em um mesmo dia.

rio chao phraya templos atrações turisticas bangkok

Grand Palace e Wat Phra Kaew (Pier n°9)

O Wat Phra Kaew é a principal atração turística de Bangkok e é um dos templos mais lindos que já vi na vidaaa (e olha que depois que vim morar para esses lados da Ásia, eu já visitei vários). O templo budista fica situado dentro do Grande Palácio, um conjunto de mais de 100 prédios antigos, que começou a ser construído em 1782 e serviu como moradia do rei Rama I até o último rei da Dinastia Chakri.
O templo é grande, com várias construções imponentes e decoradas maravilhosamente. É encantador ver os raios solares reluzindo das paredes dourada dos templos, parece ouro puro! Sugiro ler um pouco sobre a história dos monumentos e das estátuas que ali estão, para entender o significado e a importância de cada uma.
O “prédio” mais importante é o Bòth, ou Salão de Ordenação, que é onde fica o Emerald Buddha, uma estátua de Buda que, apesar do nome, é feita de jade. Não deixe de notar os Yakshas, estátuas enormes de vigias, que ficam, em pares, em cada entrada do templo. Nem nas paredes pintadas com cenas do século XIX, chamadas Murais de Ramakian.
.
IMPORTANTE: é imprescindível que você atente ao dress code para entrar no Palácio e, consequentemente, no templo. Pernas e ombros devem estar cobertos. Eles não aceitam lenços para cobrir os ombros, tem que ser camiseta mesmo. E nada de flip flops/chinelos de dedo (rasteira pode). Homens não podem entrar de bermuda, nem regata. Mas caso você se deixe levar pelo calor de sempre de Bangkok e vá de perna de fora, na entrada do Palácio há um lugar que empresta roupas adequadas. Só é preciso enfrentar a fila, pois sempre há os desavisados kkk O valor de entrada é 500 bath por pessoa.

Grand palace palacio rei Bangkok Tailandia

Wat Phra Kaew templo budista bangkok tailandia

templo budista palacio dourado buda

porteiro guardiao templo budista Wat Phra Kaew bangkok

wat phra kaew templo budismo bangkok

detalhes templo Wat Phra Kaew bangkok

Wat Pho (Pier n°8)

Um dos mais antigos templos de Bangkok é conhecido, especialmente, pela estátua do Buda Inclinado, que tem 15 metros de altura e 46 (!!!) de largura (pensa no tamanho)! Quando entrei no monastério, até me assustei com a grandeza. É gigante e imponente, e toda banhada a ouro. Impressionante!
O templo ainda tem uma galeria com 394 estátuas de Buda, grandes estátuas chinesas feitas em granito e quatro torres, chamadas Chedi e decoradas no estilo Ratanakosin, que representam os quatro primeiros reis da Dinastia Chakri.
O templo fica próximo do Grand Palace e é mais fácil ir caminhando de um até o outro, do que voltar ao pier e pegar o barco.
O código de vestimenta é parecido com o do Wat Phra Kaew, mas eles são menos rígidos. O Rodrigo, que estava de bermuda, conseguiu entrar com uma canga, que eu tinha na bolsa, enrolada na cintura e cobrindo as pernas. O valor de entrada é 100 bath por pessoa.
.
templo Wat Pho buda inclinado deitado ouro
.
templo wat pho torres chedi rei rama
.
templo wat pho turistas bangkok tailandia

Wat Arun (Pier n° 8)

Conhecido como o Templo do Amanhecer, o Wat Arun pode ser avistado de longe, por causa da sua torre de 82 metros de altura. Ela começou a ser construída na metade do século XIX, pelo Rei Rama II e foi terminada pelo Rei Rama III. A torre, no estilo Khmer, é decorada por milhares de pedaços de porcelana chinesa quebrada e de perto, é possível ver este trabalho encantador. Atualmente, o alto da torre está fechado para os visitantes subirem, devido a reformas. É uma pena, pois li que, do alto, é possível apreciar o skyline de Bangkok próximo do rio Chao Phraya e que a vista é incrível.
O Wat Arun fica no mesmo pier do Wat Pho, porém do outro lado do rio. É preciso pegar um barco pequeno que atravessa-o, em menos de 5 minutos. Custa alguns centavos de dólar. O valor para entrar no templo é 50 bath por pessoa.
.
bangkok templo wat rio chao phraya
.
templo wat arun do amanhecer torre ceu
detalhes porcelana chinesa templo wat arun bangkok

Wat Traimit Wittayaram ou Templo do Buda de Ouro (Pier n° 3)

Este é o templo menos turístico entre os quatro citados, mas foi o que mais gostei, pela paz que senti e pela energia. O templo é pequeno, se comparado aos outros três, mas tem uma entrada linda e majestosa. É aqui que fica a maior estátua de Buda feita em ouro do mundo, com 3 metros de altura e 5,5 toneladas de ouro maciço. Turistas, com frequencia, levam oferendas, fazem doações e rezas em frente ao Buda. No segundo andar do prédio fica o Phra Buddha Maha Suwanna Patimakorn Exhibition, uma exibição que mostra como a estátua foi feita. E no terceiro andar fica o Yaowarat Chinatown Heritage Center, um museu sobre a história da Chinatown de Bangkok. O passeio vale a pena!
Mulheres precisam estar com as pernas e ombros cobertos (eu aluguei lenços na entrada do templo). O valor de entrada é 40 bath por pessoa.
.
Templo Wat Traimit buda de ouro rei tailandia
.
buda de ouro maior estatua budismo wat traimit bangkok
.
templo wat traimit chinatown oferenda reza buda sawadee

Chinatown (Pier n° 5)

Para quem não mora na China, Chinatown costuma ser uma das atrações a ser vista nas cidades grandes. A rua principal é a Yaowaraj, repleta de sinais gigantes e luminosos e onde você encontra restaurantes chineses, lojas antigas de chá e de ervas da medicina tradicional chinesa e tantos outros itens da cultura chinesa-tailandesa. É legal visitar a noite, quando as luzes neon estão acesas e quando há uma rua repleta de barraquinhas, com comidas “diferentes” a venda. Um pouquinho do que eu vejo todos os dias, só que na Tailândia rsrsrs

Khao San Road (Pier n° 13)

Conhecida como a rua dos mochileiros, a Khao San me surpreendeu positivamente. É uma rua pequena, rodeada de bares e cafés descolados, lojinhas com roupas, souvenirs e outros itens tailandeses. É um lugar super turístico, jovem e com uma vibe boemia, ideal para curtir com os amigos e para compras baratinhas. Se ficar atento, vai ver locais vendendo espetinhos de escorpião, gafanhoto e outros tipos de insetos. Na dúvida, eu preferi não provar nenhum kkkk
.
Khao San Road rua dos mochileiros Bangkok tailandia
.
atracao bangkok khao san road compras
O Chao Phraya Tourist Boat ainda para próximo de outras atrações, como: o templo Wat Yannawa (Pier n 1); a Igreja Holy Rosary (Pier n 3); o templo Wat Mangkon Kamalawat (Pier n 5); o mercado indiano Phahurat Market (Pier n 5); o mercado das flores ou Flower Market (Pier n 6); o Museu de Siam (Pier n 6); o Museu Nacional de Bangkok (Pier n 9); entre tantas outras.

Jim Thompson House 

O americano Jim Thompson foi fundador da Jim Thompson Thai Silk Company, uma renomada empresa de seda na Tailândia, e contribui muito para o desenvolvimento da indústria da seda no país. Ele virou uma lenda no país, quando desapareceu misteriosamente em Cameron Highlands, na Malásia, em 1967. Atualmente, sua casa é um museu aberto ao público.

A casa tem peças antigas, que ele mesmo trouxe de casas tailândesas abandonadas, além de tecidos, sua coleção de arte e artigos pessoais. A casa é bem interessante e vale o passeio. Fica próxima da estação de trem National Stadium e cobra 100 baths de entrada.

jim thompson house museu bangkok

Patpong e Soi Cowboy

A diversão para os adultos! A Patpong é considerada um dos red-light districts (distrito da luz vermelha) mais famosos do mundo. É aqui que aconteciam os show eróticos com bolinhas de ping-pong e giletes em motocicletas, mas segundo o que li, hoje em dia é mais um circo para os curiosos do que apresentações sexuais. Eu não cheguei a ir, mas conheci a Soi Cowboy.
A Soi Cowboy é uma rua cheia de bares, painéis luminosos e meninas uniformizadas. O uniforme dos bares é, sem exceção, apenas lingerie, para não dizer, calcinha e  sutiã. Dizem que esta rua é o destino ideal para quem procura por prostitutas. Na minha opinião, o lado de fora dos bares não tem nada de erótico. Apenas meninas que, por sinal, aparentam ser bem novas (digo, entre 20 e 30 anos), chamando a atenção dos homens que passavam sozinhos (algumas até puxando pela mão). Entramos em um bar para ver como era e nos deparamos com meninas dançando em cima do palco e de mesas, algumas segurando o pole dance, mas sem demonstrar alguma empolgação.
Não senti, em nenhum momento, que estava em uma atmosfera sexual, mas senti pena das meninas ali. O que quero dizer, é que acho que essas ruas são mais para atrair turistas do que para exploração sexual explícita. Vale a ida para matar a vontade de conhecer.
.
soi cowboy luzes neon bares noite bangkok
.
soi cowboy rua bares luz vermelha bangkok
Bom, em um dia, conseguimos visitar o Grand Palace e o Wat Phra Kaew, o Wat Pho, o Wat Arun e a Khao San Road, com o ticket do barco. Deixamos para o segundo dia, Chinatown, Wat Traimit e Jim Thompson House, que fizemos por trem e tuk tuk. Aliás, não tem como ir a Bangkok e não andar de tuk tuk, um dos maiores símbolos da Tailândia. É um passeio imperdível! E além do trem e tuk tuk, há metrô como meio de transporte na cidade. E os táxis são rídiculos, de tão baratos.
.
tuk tuk taxi transporte tailandia bangkok
Mas fique atento aos locais que querem te “ajudar”. Eu li no guia Lonely Planet que isso acontece muito e aconteceu conosco. Quando estávamos indo ao Grand Palace, um senhor tailândes notou que estávamos olhando no mapa, procurando um caminho, e resolveu nos ajudar #sqn. Ele disse que o templo do Grand Palace estava fechado naquele horário, para almoço, e que só abriria as 4 horas da tarde (horário que fecha). Na verdade, o senhor queria nos vender um passeio de tuk tuk pela cidade, que segundo ele, demoraria apenas meia hora, mas que segundo lemos no guia, toma uma manhã/tarde inteira. Ou seja, você perde um dia andando de tuk tuk por Bangkok e deixa de visitar as principais atrações turísticas. Não caia nessa! A não ser que você queira passar o dia em um tuk tuk e pagar caro por isso…
.
DICA TOP: nas minhas viagens, sempre levo comigo o guia do Lonely Planet, que tem informações super pertinentes, dicas ótimas de atrações turísticas, compras, hospedagem, alimentação e mapas do lugar. O guia da Tailândia você encontra aqui!
 .
No mais, Bangkok é uma cidade incrível! Um lugar onde você respira cultura, conhecimento e religião e ao mesmo tempo é crazybusy e divertida.
08 janeiro, 2016
Tailândia | Roteiro de viagem – onde ir e como
Tailândia, VIAGENS

Quem acompanha o blog pelas redes sociais {insta @evelynpinheiro | Face @Chinachicblog} pôde viajar comigo pela Tailândia nesses últimos dias. E agora chegou a hora de compartilhar aqui as minhas experiências e dicas desse lugar MA-RA-VI-LHO-SO!

Para início de conversa, é muito importante montar um roteiro de viagem. O país é grande e tem diversas opções de ilhas, praias maravilhosas e atrações em geral, então é legal você ter em mente o que deseja conhecer.

mapa tailandia bangkok ilhas praias

Se você quer saber mais sobre a cultura, religião, templos e a vida do povo tailândes vá para Bangkok e Chiang Mai (norte). Mas não tem como ir à Tailândia e não visitar suas praias paradisíacas. Antes de definirmos para onde iríamos, decidimos eliminar Pukhet das opções. O destino é super famoso e extremamente turístico, por isso, as praias já perderam um pouco da sua beleza natural. Além do mais, li em vários lugares que lá rola muita exploração sexual (não com os turistas, quero dizer, mas ver meninas e mulheres se oferecendo não estavam nos meus planos para as férias). Mas se você pretende passar dias relaxando em um resort de luxo de frente para a praia, sem se preocupar com a vida, Phuket tem inúmeras opções.

Em uma trip de 15 dias, queria conhecer as praias situadas no Golfo da Tailândia (parte leste) e as do Oceano Indíco (parte oeste) e deu certo. A locomoção pode ser um pouco cansativa e demorada, pois na ilha do leste, onde ficamos, ainda não tem aeroporto. Nos restou usar barco, ônibus e van como meio de locomoção. Perdemos algumas boas horas nesse vai e vem, mas valeu muito a pena.

Nosso voo partiu de Xiamen direto para Bangkok. Ficamos três noites na capital e foi suficiente para conhecer os principais templos, o Rio e outros pontos turísticos, fazer compras, ir a bons restaurantes e curtir um pouco do lifestyle da cidade. Escolher onde ficar hospedado em Bangkok é uma tarefa bem difícil, pois são inúmeras opções, por preços bem atrativos (a parte de hospedagem fica para o próximo post).

bangkok templo wat rio chao phraya

De Bangkok decidimos ir para o leste, onde ficam as ilhas Koh Samui, Koh Pha Ngan e Koh Tao. Aproveitando que era época de lua cheia, escolhemos ir para Koh Pha Ngan, onde acontece a Full Moon Party – a famosa festa da lua cheia sediada todo mês na beira da praia de Hat Rin. A ilha é bonita e foi legal ter tido a experiência de ir nessa festa, mas se você não é muito chegado a agito e muita galera, dê preferência a Koh Samui ou Koh Tao. Dizem que a paisagem de ambas as ilhas são de tirar o fôlego. Koh Tao é a mais sossegada e considerada o melhor spot para mergulho e snorkelling. Se tiver tempo, é tranquilo passar pelas três ilhas. Elas ficam, relativamente, próximas e há barcos de alta velocidade que fazem o transporte de  uma ilha a outra, várias vezes ao dia. Vi muita gente que deixa suas malas no hotel de uma ilha e leva só o necessário para passar um ou dois dias na ilha vizinha.

koh phangan por do sol mar barco

Bom, para chegarmos a Koh Pha Ngan pegamos um voo da Nok Air para Sarat Thani. No aeroporto já havia um ônibus esperando os passageiros para levar até o porto de Donsak (a viagem dura cerca de uma hora e meia). No porto pegamos o catamarã para as ilhas. Tempo total até chegar em Koh Pha Ngan: em torno de 6 horas. Que eu saiba, a única outra maneira de chegar às ilhas do leste é pegar um voo para Koh Samui, que tem aeroporto, mas não sei a frequencia dos voos. No meu caso, eu comprei a passagem online pelo site da Nok Air (Air Asia também tem) e vem todos os transfers incluídos (na verdade, achei que estivesse comprando a passagem aérea direto para Ko Samui, mas quando recebi o email de confirmação vi que era outro itinerário). Não é preciso se preocupar com atrasos de voos ou ônibus (sim, isso acontece), pois todos os transportes são interligados.

lomprayah catamara

De Koh Pha Ngan fomos para Krabi, no lado oeste da Tailândia. Krabi é uma região que abrange várias praias e ilhas paradisíacas, como Koh Phi Phi e Railay. Você pode chegar em Krabi de avião, mas como estavámos no leste, onde não tem aeroporto, nos sobrou mais uma aventura de deslocamento. Dessa vez fizemos tudo pela Lomprayah High Speed Catamaran.

Pegamos o mesmo catamarã até o pier de Donsak, onde um ônibus nos esperava para nos levar até Krabi. E no pier de Krabi pegaríamos um long tail (um barco pequeno de madeira, super comum na Thai) até Railay, a praia maravilhosa onde ficaríamos hospedados. O que a empresa não nos falou é que iríamos parar na sede e esperar por uma van, que então nos levaria ao pier. Por isso, a viagem atrasou duas horas e a trip que era para demorar 4 horas, demorou seis. Confesso que achei a empresa bem desorganizada. Não sei se era porque era fim de ano, muitos turistas, mas me pareceu que eles não tinham controle sobre a quantidade de pessoas que iriam para cada destino e nem vans e ônibus suficientes para atender a todos. Não sei se há outra empresa além da Lomprayah que faça esses trâmites, mas dá para comprar passagem deles sem medo. Não tivemos grandes problemas, apenas atrasos.

transporte barco tailandia long tail

Railay é simplesmente demais e eu não poderia ter escolhido destino melhor dentro da Tailândia. O lugar mais parece uma ilha, pois só é possível chegar de barco, mas na verdade é uma península de Krabi. Railay é pequena, sossega e só se anda a pé. Destino ideal para casais, especialmente em Lua de Mel. Phra Nang Beach, a praia do sudeste, é uma das mais lindas que já vi e na praia do oeste acontece o pôr do sol mais mágico do mundo. A região ainda é considerada o paraíso dos escaladores. Se você gosta de tranquilidade, belas paisagens ou está viajando com a família, esse é o lugar perfeito!

phra nang praia railay krabi tailandia

Railay por do sol mar barco krabi tailandia

Três dias em Railay são mais do que suficientes para conhecer tudo. Na verdade em um dia você conhece toda a região, mas como queríamos aproveitar, curtir praia e relaxar, ficamos mais tempo. De Railay fomos para Phi Phi Don. Essa etapa foi fácil. A passagem de barco Railay- Phi Phi compramos no hotel um dia antes. A trip durou uma hora e meia, se não me engano.

Phi Phi Don é uma ilha onde você se locomove a pé ou de long tail, mas é bem maior que Railay. Ficamos três dias e meio na ilha, que eu acho pouco para conhecer todo ela, considerando que passamos uma manhã inteira e boa parte da tarde fazendo passeio de barco pelas ilhas próximas. Aliás, o passeio de barco para Phi Phi Ley é imperdível! É nesta ilha que fica Maya Bay (do filme A Praia, com Leo Di Caprio), Loh Samah Bay e tantos outros cenários de tirar o fôlego. O passeio ainda inclui uma passada na Viking Cave e na Monkey Beach, a praia dos macacos. Se puder, dê uma esticada até Bamboo Island, a paisagem é linda e a água do mar é incrivelmente cristalina.

passeio de barco phi phi ilha krabi tailandia

Phi Phi é bem democrática, com agito o dia inteiro na região central e na praia Loh Dalum Bay e muita tranquilidade e relax em Long Beach. Ou seja, tanto faz se você procura festa ou um lugar calmo para curtir as férias, Koh Phi Phi tem para todos os estilos. Eu fiquei hospedada em Ton Sai Bay, uma praia calma, pertinho do Pier central e a menos de 10 minutos de caminhada do centro da ilha.

Estes foram os destinos que eu escolhi para visitar na Tailândia, mas na parte oeste você ainda tem a opção de ir para Ao Phang-Nga, Ko Lanta, Ko Lipe e Ilhas Trang, que segundo nosso guia Lonely Planet, é a TOP 1 da Thai. Já as praias do norte, Ko Kut e Prachuap Khiri Khan, são conhecidas por serem extremamente calmas.

IMPORTANTE: brasileiros não precisam de visto para entrar no país, mas precisam levar a carteira internacional de vacinação com a vacina da febre amarela. Eles costumam pedir no aeroporto. Se chegar no aeroporto de Bangkok, vá direto ao Healthy Control. Nós não sabíamos, perdemos tempo na fila da Imigração (bem longa, por sinal) e quando chegou nossa vez, nos pediram para ir ao Healthy Control primeiro… paciência.

Por último, a minha dica é pensar bem no que você deseja da sua viagem à Tailândia e pesquisar o melhor lugar para satisfazer seu desejo. Mas já adianto, esse país é demais e com certeza, você vai amar qualquer destino que escolher!

05 janeiro, 2016
Destino China | Macau e a região histórica de Taipa
China, Destino China

Você já imaginou conversar em português com os nativos da China? Ou um lugar na Ásia onde as placas e sinais são todos no nosso idioma? Agora, imagina se esse lugar tivesse mega cassinos e hotéis luxuosos!? Parece brincadeira, mas esse lugar existe! Macau é uma ilha ao sul da China e ao leste de Hong Kong, que foi colonizada pelos portugueses e pertenceu a Portugal até o fim de 1999, quando foi devolvida a República Popular da China. Por isso, Macau se encaixa na mesma situação de Hong Kong: um país, dois sistemas. Os assuntos externos são de resonsabilidade do governo chinês, mas Macau tem suas próprias regras quanto a algumas questões políticas e sociais: a moeda é o MOP (diferente da China Continental), internet é liberada (oba!), brasileiro não precisa de visto para entrar, são apenas algumas diferenças entre Macau e China.

Logo que você aterrisa no aeroporto já se sente em casa kkk. As placas informativas e demais painéis são todos em português. Macau é relativamente pequena e a maioria dos hotéis tem transfer do aeroporto. Mas se precisar, táxi é bem barato.

Largo do Senado praça publica Taipa Macau

A ilha é divida em três regiões: Taipa, Cotai e Coloane, que são interligadas por meio de pontes. A Península de Macau, Taipa, é a parte histórica e cultural da cidade. Um região pequena, mas que abrange mais de 20 prédios históricos, e que foi nomeada pela UNESCO, como Patrimônio Cultural e Centro Histórico de Macau. Em Taipa todas as atrações turísticas e nomes de ruas são em português, muito legal! O must-see é as Ruinas da Igreja de São Paulo, que é considerado o maior monumento do Cristianismo na Ásia. A Igreja foi construída em 1602 e pegou fogo em 1835, ficando em ruínas, que hoje é a principal atração de Macau. Próximo das Ruinas fica a Fortaleza do Monte, a principal construção militar de Macau, com quartel e canhões que foram usados em 1622, para combater a invasão holandesa. Do alto do Forte, é possível ter uma vista aérea da cidade. A Península é uma região antiga e não muito bonita, mas vale a pena o passeio. A entrada é free e dentro do Forte fica o Museu de Macau.

Escadas Ruinas da Igreja São Paulo Macau historia

Ruinas Igreja São Paulo fogo macau

Vista da peninsula de macau Taipa

Fortaleza Forte macau canhão militar

A melhor maneira de chegar a estas atrações é através do Largo do Senado, considerado o centro urbano de Macau e o ponto mais popular de eventos públicos e celebrações. A praça é aconchegante, cercada por prédios coloridos e no estilo neo-clássico e tem calçada com azulejos preto e branco, formando desenhos que lembram muito as calçadas de Copacabana. A praça fica entre a Avenida da Praia Grande e a Avenida de Almeida Ribeiro.

Largo do Senado praça classica Copacabana macau

Largo do Senado praça centro Macau

Macau ainda tem a Igreja de São Domingos, a Igreja da Santo Antônio, Igreja de Santo Agostinho, o Templo A-Má, o Museu de Arte, a Casa do Mandarim, entre outros, como atrações turísticas. A cidade é pequena e a visita a estes lugares, toma de um a dois dias, dependendo do seu grau de interesse.

Igreja do Largo do Senado Macau

Cidade colonizada portugueses taipa Macau

Maaaaas, não esqueça de reservar alguns dias para relaxar nos luxuosos hotéis e curtir os mega cassinos. Na minha opinião, a parte mais divertida de Macau é Cotai. Mas sobre isso, eu conto no #DestinoChina da próxima semana. 😀

Zài jiàn

16 dezembro, 2015
Destino China | Sete Dias no Tibete (parte 2 – lago Yamdrok e Monte Everest)
Destino China
Depois de três dias incríveis em Lhasa, partimos para mais uma aventura pelo Tibete. No quarto dia, pegamos a estrada cedinho, dirigindo rumo ao sudoeste, 350 km até a próxima parada: Shigatse. A segunda maior cidade do Tibet é nosso ponto de parada. No caminho, muitas subidas, até passar por Gyantse (cidade) e pelo estonteante Yamdrok Yumtso Lake. O lago é muito bonito, com uma cor azul turquesa e não dá vontade de parar de tirar fotos. Os tibetanos o consideram um dos quatro lagos sagrados do Tibet e, com certeza, é uma das paisagens mais bonitas da viagem.
 yamdrok lake visual perfeito lago

visual montanhas yamdrok lake lago tibete

Yamdrok Yumtsu Lake lago sagrado tibete

Yamdrok Yumtsu lake lago azul turquesa tibete

mastiff tibetano cachorro montanhas tibete

Tibetanos Shigatse Tibete

No caminho encontramos um dogão mastiff tibetano, que parece uma fera, mas era dócil demais e alguns locais muito amigáveis.
.
No dia seguinte, partimos para o ponto máximo da viagem: o EBC (base camp do Monte Everest). O plano era dormir no pé da montanha, no último ponto do lado tibetano, onde é possível ir sem ser escalador profissional. Dessa vez, decidi não escalar :) Para irmos lá, mais uma autorização com a polícia local e 350 km de estrada. Aliás, diga-se de passagem, a estrada foi uma surpresa muito agradável, nova e bem conservada. Muito segura. No início da tarde, já se avistava a cadeia do himalaya com todos seus picos nevados e o grande astro, o imponente Everest. O base camp fica a 5.200 metros acima do nível do mar, o ar falta, dá aquela sensação estranha, mas o visual e a energia do lugar compensam, que dia! Sensação indescritívelmente boa estar com meus pais nesse lugar. Como falei anteriormente, a intenção era dormir no acampamento ao pé da montanha, mas estava tão frio e ventando que o acampamento estava fechado. Fomos dormir no EBC Tent Guest House, o único lugar para ficar hospedado. Ali as camas eram simples, muitos edredons e saco térmico de dormir. Mas nada de aquecedor. E olha que chegou a fazer -17°C (menos 17!) na madrugada!! Acho que nunca passei tanto frio na vida!

Monte Everest ponto alto neve montanha

base camp monte everest tibete nepal

Monte Everest Tibete Nepal montanha neve ponto alto
.
monte everest alpinista tibete
.
Neste dia, para fechar com chave de ouro, uma ótima surpresa: o restaurante com fogão a lenha e vários turistas reunidos, conversando e bebendo vinho, muito astral.
No dia seguinte, mais queixo caído com o visual do ponto mais alto do mundo. Muitas fotos e uma visita ao Monastério RongPhu, o mais alto do mundo (ainda em atividade) e com vista das montanhas.
monasterio alto mundo Rong Phu tibete
.
Hora de voltar até Shigatse, recarregar as baterias e no dia seguinte partir para o longo caminho até Lhasa. Foi uma viagem inusitada e muito legal, conhecendo e passando por lugares bem remotos e convivendo com um povo muito calmo, religioso e humilde, que mantém suas crenças e tradições. Superou as expectativas. Até a próxima!
08 dezembro, 2015
Destino China | Sete dias no Tibete (parte 1 – a capital Lhasa)
Destino China
Finalmente, finalmente, o post tão esperado sobre o Tibete!! Para falar sobre esse lugar tão inusitado, o blog recebeu um colaborador muito especial – meu noivo/(futuro) marido, Rodrigo, que fez uma viagem incrível ao Tibete. Eu não pude ir, pois estava no Brasil resolvendo umas pendências e, principalmente, porque só é permitido grupos de até três brasileiros por vez, na região (ele explica melhor no post). Mas depois de ter lido o relato dele e visto as fotos do lugar, eu confesso que me arrependi de não ter ido :/ Confere só a primeira parte da viagem:

Destino China Sete dias no Tibete

Qual a primeira ideia que vem à cabeça ao se mencionar o destino “Tibet“? Sem dúvida, os primeiros conceitos são os de um lugar místico, cheio de história, política e acima de tudo religião, especialmente o budismo. Além disso, as montanhas dessa região, talvez pela distância e dificuldade de logística, dão à sensação de ser uma viagem longe do alcance da galera do mundo ocidental.

Morando há quase dois anos na China, uma das minhas metas é aproveitar a oportunidade e desbravar essa cultura e as províncias e cidades chinesas e por isso, muitos lugares nesse país incrível e maluco me atraem, e a terra do Dalai Lama, por toda sua misticidade, com certeza é uma delas. Por isso, resolvi aproveitar a visita dos meus pais ao país e, nas minhas férias, levá-los para esse lugar único e diferente. Um presentão para eles e para mim, uma viagem incrível, cheia de surpresas e lugares indescritivelmente lindos.

Nossa viagem foi planejada para o final de outubro, quando os preços estão mais em conta, o frio ainda não chegou com tudo e os pontos turísticos não estão cheios.
Começamos por Lhasa, a capital do Tibet e cidade com o maior número de voos da China. Pegamos um voo de Chongqing vindo de Xiamen, nossa cidade de partida. Várias empresas chinesas voam de e para Lhasa e ainda há a opção de ir de trem, num vagão com dormitório. Porém, a viagem é longa. Partindo de Beijing, por exemplo, são duas noites no trem. Há ainda a opção de pegar o trem no meio do caminho, mas não queríamos perder tempo dormindo dentro de um vagão.
.
Para ir ao Tibet, um capítulo à parte, é a preparação da viagem. É necessário uma autorização específica das autoridades locais que é requisitada já no embarque da viagem e, além disso, é preciso contratar uma agência credenciada que irá agendar e informar os tempos e as datas de visita. Com todo esse “pano preto” para se chegar lá, pesquisamos e optamos pela Explore Tibet, do agora meu amigo Kalsang. Recomendo.
.
No primeiro dia, mesmo com dor de cabeça e outros sintomas por causa da altitude (Lhasa fica a mais de 3.500 metros acima do nível do mar), fomos dar um giro pela cidade e a primeira parada foi no Barkhor Circuit, onde está o Jokhang Temple, um dos pontos mais antigos e históricos de Lhasa e um dos três circuitos da cidade que são percorridos no sentido horário pelos budistas. Tudo é feito no sentido horário pela crença deles, desde as visitas nos templos até o jeito de girar os vários sinos tibetanos espalhados pela região. Como pra mim, a gastronomia e o happy hour são partes importantíssimas de qualquer trip, seguindo meus “estudos”, nosso fim de tarde foi no House of Shambhala, um boteco com decoração bem tibetana com um cardápio farto de opções indianas, nepalesas e locais, claro. Lugar bacana e com um terraço com vista para as montanhas, vale a passada lá. Falando nisso, cerveja no Tibet é a Lhasa Bier, bem honesta e de 10 a 15 RMB nos bares. Pra China, de graça.
Lhasa Tibete barkhor center
.
Tibete lhasa povo budismo
 .
Tibete Lhasa peregrinaçao reza agradecimento templo budismo
.
Tibete Lhasa sinos templo sentido horario
.
jokhang temple temple Lhasa
Tibete Lhasa vista do templo montanhas
Segundo dia cedinho fomos para um dos highlights da viagem, especialmente para minha mãe: o Potala Palace, antiga casa do Dalai Lama, filmado inúmeras vezes no filme “Sete anos no Tibet” que nós reassistimos antes de pegar o avião, para aumentar ainda mais a empolgação com a viagem e a moral dos turistas. Acho muito legal ver filmes que tenham a ver com a viagem. E foi bem bacana ver de perto os lugares onde eram feitas às cerimônias, no filme, e reconhecer alguns cantinhos pessoalmente. O palácio é cheio de energia, enorme, com mais de mil quartos e cheio de altares e estátuas do budismo. Escadarias pra tudo quanto é lado e lá do topo, uma vista incrível da cidade. Sem dúvida o melhor passeio de Lhasa. Prepara-se para subir muitos degraus e lutar contra a falta de ar, devido a alta altitude.

Potala Palace Dalai Lama palacio Tibete Lhasa

Viagem Tibete Lhasa Potala Palace

Escadaria Potala Palace Dalai Lama

Escadas do Potala Palace Lhasa Tibet
Tibete Potala palace vista do palacio montanhas
.
Palacio de potala iluminado
No nosso terceiro e último dia em Lhasa, nosso guia nos levou em dois monastérios: o Sera Monastery, do século 15 e o Deprung Monastery, que chegou a ter mais de 10.000 monges na época áurea do Tibet e foi a residência do Lama antes do Potala Palace. Mais uma vista sensacional da cadeia de montanhas e da cidade, que cresce em ritmo acelerado desde a incorporação à China. O Nima, nosso guia, explicava todas as fotos, estátuas altares e seus significados. Uma religião muito rica em detalhes, Santos, crenças e histórias e que tem uma ligação enorme com a Índia, de onde foi trazida.
 Sera Monastery monasterio Lhasa Tibete

Sera Monastery monasterio montanhas

Monasterio monges vida no Tibete Lhasa

decoração monasterios budismo

Como curiosidade, era dia de pintura no monastério e no Potala, e a “tinta” era uma mistura de leite, iougurte de yak (um boi próprio da região) e açúcar. Tudo material doado e jogado de balde por centenas de voluntários e monges. Finalizamos um ótimo dia com um happy hour num boteco estrangeiro chamado Dunya. Cervejas belgas e cardápio de western food a preços honestíssimos. Boa pedida! A viagem continua ainda mais emocionante no próximo #DestinoChina. Até lá!
01 dezembro, 2015
Destino China | As atrações turísticas e históricas de Pequim
Destino China

Palácio de Verão, Templo do Céu, Praça da Paz Celestial, Parque Beihai, só para citar alguns sights imperdíveis de Pequim. Há tanto o que se conhecer e admirar nesta cidade, que a capital chinesa merece mais um post na tag Destino China. Neste quarto e último post vou falar sobre atrações encantadoras e históricas que são must-see! Todos estavam na minha lista de lugares a conhecer, mas infelizmente, os dois dias e meio que estive na cidade não foram suficientes para visitar tudo :(

Diferente de Shanghai, onde três dias é suficiente para conhecer muita coisa, Pequim demanda mais tempo. Além de ter muitas atrações turísticas, estas costumam ser grandes e mais distantes umas das outras. Por exemplo, a Muralha da China fica fora da cidade e a Cidade Proibida é tão grande que toma, no mínimo, uma tarde para conhece-lá. Se você pretende ir ou está indo à Pequim, organize bem seu tempo e não deixe de visitar esses lugares (eu já estou louca para voltar lá e conhecer pessoalmente cada cantinho).

Beijing é mais uma cidade da China onde a mistura da tradição com a modernidade é indiscutível (estão aí as hutongs para confirmar isso). O tamanho da cidade é além do imaginável! Turistas devem se concentrar no distrito de Dongcheng, que é onde ficam as principais atrações. A Cidade Proibida, assim como a maioria das hutongs, ficam na parte central de Dongcheng. Quer saber o que mais você não pode perder?

Praça da Paz Celestial (Tian’anmen Square)

De cara para a entrada principal da Cidade Proibida, a praça mais conhecida como Tian’anmen é a maior praça do mundo (!!), com cerca de 440 mil metros quadrados. Você pode até conhecer ambas atrações (praça e Cidade Proibida) no mesmo dia, mas prepare-se para caminhar muito. A Tian’anmen foi construída a pedido de Mao Tse Tung para celebrar a grandiosidade do Partido Comunista. Ela foi palco do famoso protesto/massacre de 1989. O que o turista vai ver? O Monumento das Pessoas Heróis, o Mausóleo de Mao Zedong, prédios no estilo soviético e diversos políciais fardados marchando ou a cavalo (a segurança é super reforçada). Não dá para deixar de conhecer, pois é símbolo histórico da China.

tian'anmen Praça da Paz Celestial coração Beijing

praça da paz celestial segurança monumento pessoas herois

Templo do Céu (Temple of Heaven / Tiantan)

Considerada uma das construções mais lindas da China e o templo mais fantástico de Pequim, esta atração é o item número um da minha lista. O lugar não é apenas um templo, mas sim um conjunto de prédios construídos a partir do ano de 1400. São mais de três milhões de metros quadrados (consegue imaginar o tamanho disso?), sendo grande parte área verde. As principais construções são o Templo do Sol, a Abóbada Imperial Celestial, o Altar Circular e a Sala de Oração para Boas Colheitas (todos é preciso pagar 2o yuans para entrar), e eram onde o Imperador fazia suas oferendas e orações. O Templo do Céu é muito maior que a Cidade Proibida, casa do Imperador, porque, diz a lenda, ninguém ousava construir um lugar maior do que o destinado para os céus. O templo fica na parte sul de Dongcheng.

templo do ceu temple of heaven beijing china

templo do céu temple of heaven beijing oferenda oração

Palácio de Verão (Summer Palace / Yiheyuan)

Famoso por seus jardins imperiais maravilhosos, os palácios serviam como casa de verão da família Imperial. Delícia, né!? O lugar é tomado por água. É aqui que fica o Lago Kunming e a Colina da Longevidade, dois dos principais spots. Além da Ponte dos 17 Arcos, que passa pelo lago, o Longo Corredor que, como o nome já diz, é um longo corredor todo decorado, o Templo da Virtude Budista, entre tantos outros. Mais uma atração bem linda e bem grande para conhecer em Pequim. O Palácio de Verão, assim como o Antigo Palácio de Verão, ficam na parte norte da cidade e ambos são considerados patrimônio cultural da UNESCO.

Summer palace Palacio de Verao jardim imperial

lago Kunming lake Palacio de Verao Pequim

Parque Beihai (Beihai Gongyuan)

O que não falta em Pequim são parques, não sei dizer quantos, mas são muitos³. Só nos arredores da Cidade Proibida já nos deparamos com vários e um dos mais importantes é o Beihai Park. Este é considerado um dos mais belos jardins chineses. Ele concentra anos de importantes histórias da China e por isso é um dos mais procurados pelos turistas. Próximo do Beihai fica o Zhongnanhai, que já foi centro político de diversos gorvenos chineses ao longo dos anos e, atualmente, é sede do Partido Comunista da China.

Beihai Park centro Beijing

Beihai park ponte lago

Outras atrações importantes são o Templo dos Lamas, a Drum e a Bell Tower, o Museu Nacional da China, o Templo do Confucius, o parque Jingshang… ufa, são tantas atrações. E quando bater a fome, não deixe de experimentar o pato à Pequim no restaurante Quanjude Roast Duck, o prato mais típico de Pequim no restaurante mais tradicional da cidade.

Zàijiàn 再见