06 maio, 2016
A moda conceito e o mercado de luxo na China
Compras, Curiosidades, MODA, Street Style, Tendências

Esses tempos li o comentário de um leitor do blog que disse estar surpreso com o fato do quanto o mercado da moda é forte na China. Digo moda conceito, labels. Aí me dei conta de como o país ainda é conhecido lá fora pelas roupas baratas e produtos falsificados. O que é uma pena, pois a indústria fashion na China tem talento, potencial, e vem crescendo e se destacando muito em âmbito internacional. 

Escrevi esse texto na minha coluna de moda no blog Brasileiras Pelo Mundo. Adorei tanto pesquisar sobre esse assunto (acabei aprendendo muito) e achei ainda mais gostoso escrever sobre, que resolvi compartilhar por aqui. Boa leitura! :)  

Nós brasileiros temos o costume de pensar que toda etiqueta “made in China” é sinônimo de coisa barata e de má qualidade. Na moda isso é bem evidente. Os sites de vendas online como o Aliexpress, em que roupas, sapatos e acessórios produzidos na China são vendidos a preço de banana e, muitas vezes, feitos com tecidos simples e acabamento ruim, reforçam esse pensamento. Mas a verdade é que, com o rápido crescimento econômico do país nos últimos anos, os consumidores chineses com alto poder aquisitivo se tornaram ávidos por artigos de luxo e moda de alta costura. E por isso, o “made in China” passou a atender a esse mercado, que oferece produtos exclusivos e de alta qualidade.

Em meados dos anos 90, as primeiras grifes mundiais começaram a se instalar em Hong Kong, Pequim e Xangai. Atualmente, toda cidade chinesa desenvolvida tem lojas de grifes internacionais renomadas como Dior, Louis Vuitton, Burberry, Chanel, Givenchy, Prada, Miu Miu, Hermes, entre tantas outras, espalhadas pelos melhores bairros e distritos. Estas gigantes da moda, veem a China como um dos mercados de maior potencial no mundo. Segundo uma pesquisa realizada pela ONG americana Associação de Luxo Mundial, a China é o segundo maior mercado de produtos de luxo do mundo e até 2017, será o primeiro.

Até alguns anos atrás, as consumidoras classe A desejavam produtos com megalogos ou monogramas, ou seja, aqueles que tivessem o logotipo da marca bem visível. Tudo para conferir status e poder, e mostrar que tinham condições de ter um artigo de luxo. Essa necessidade de ostentação vem, provavelmente, de uma mentalidade antiga, causada pela pobreza extrema e pelo rápido desenvolvimento econômico no país.

Hoje em dia, “qualquer um” pode exibir uma bolsa Gucci ou Louis Vuitton, especialmente devido ao crescimento desenfreado das falsificações. Por isso, bolsas com megalogos ou monogramas passaram a ser relacionadas à classe média. Basta você ir ao supermercado ou sentar em um restaurante, que vai ver várias chinesas com uma bolsa Louis Vuitton embaixo do braço. Por isso, as consumidoras ricas e “phynas” de verdade dão prioridade às marcas que oferecem produtos mais discretos, sem sinalização aparente. Com isso, as marcas de luxo passaram a rever sua forma de apresentação e estão se adequando, cada vez mais, ao estilo chinês. Bottega Veneta, uma das grifes pioneiras na eliminação da etiqueta externa, é uma das preferidas entre as chinesas com alto poder aquisitivo.

look bolsa chanel China

Louis Vuitton china país falsificação bolsas

Mas não é só de grifes internacionais que o mercado de luxo é feito na China. Com a onda do sentimento de patriotismo, espalhada principalmente pelo presidente Xi Jinping, os consumidores chineses começaram a se orgulhar do estilo de vida chinês e a prestar mais atenção às marcas nacionais. No último Shanghai Fashion Week, em outubro de 2015, a imprensa declarou que as semanas de moda da China recebem, a cada estação, mais chineses interessados na moda nacional e compradores do mundo todo, dispostos a abrir as portas de suas boutiques para os designers daqui. E não há como negar que a exposição China: Through the Looking Glass, no Met Museum de Nova Iorque, no ano passado, serviu como um empurrão para colocar de vez a moda conceito da China na cena fashion mundial.

Com esse crescimento constante, as marcas globais estão com os olhos atentos ao mercado chinês. E estilistas famosos já vêm buscando inspiração na cultura oriental há algum tempo. Criações de John Galliano para Dior, Tom Ford para Yves Saint Laurent, Sarah Burton para Alexander McQueen e Karl Lagerfeld, todas exclusivas e inspiradas na cultura chinesa, fizeram parte da exposição citada acima, que ocorreu em NY. Segundo o MET Museum, esta foi a exposição de moda mais famosa e visitada do museu até hoje.

Porcelana da Dinastia Ming (seculo XV) Evening dress by Roberto Cavalli, 2005-6 e Sarah Burton dress para Alexander McQueen 2012

Vestido do designer chinês Guo Pei

Além do sentimento patriota, o fato das chinesas optarem por trocar artigos ostentação por outros com mais classe e exclusividade, ajudou a colocar as grifes nacionais em um patamar competitivo com as marcas mundiais. Ainda que as grifes chinesas trabalhem com peças caras, tanto quanto as de grifes internacionais, e não venham acompanhadas do glamour da etiqueta europeia, elas estão ganhando espaço considerável no mercado de luxo da China e nos armários das mulheres ricas.

Masha Ma é uma das marcas mais queridas. A jovem estilista de mesmo nome já transitou pelos ateliês chiques de Paris, desfilou suas coleções no Paris e London Fashion Week, e hoje está de volta a Shanghai, onde abriu seu próprio ateliê. Uma Wang seguiu os mesmos passos e fez seu nome no mercado de luxo mundial. Suas criações já foram desfiladas nas semanas de moda da Europa e são vendidas em lojas de Londres, Milão e Nova Iorque.

E há vários outros nomes de estilistas chineses que começaram a pipocar na cena fashion mundial. Guo Pei, uma das mais renomadas, é responsável por vestir várias celebridades chinesas nos eventos mundo afora. Uma de suas criações, o imponente e polêmico vestido amarelo com cauda, foi escolhida pela cantora Rihanna para desfilar no tapete vermelho do Met Gala de 2015, um dos eventos de moda mais esperados do ano. Você lembra?

rihanna vestido met ball guo pei designer chinesa

Guo Pei também lançou uma linha em parceria com a marca de cosméticos MAC (veja as belezuras aqui). Assim como a jovem estilista de jóias Bao Bao Wan. O talentoso Jason Wu, nascido em Taiwan e radicado em Nova Iorque, é uma das estrelas do NYFW há quase 10 anos. São todos jovens designers chineses que estão transformando a moda de luxo na China e levando um novo conceito de “made in China” para o mercado ocidental. Se você se interessa por moda, pode anotar esses nomes. Eles já dominaram o mercado de luxo da China e vão fazer muito barulho na moda global. Concordas?

SaveMe!
21 março, 2016
Vogue China lança a revista Vogue Me, para geração anos 90
LIFESTYLE, MODA

A geração anos 90 da China está com tudo! Na última sexta-feira (18) a Vogue China revelou a capa da primeira edição da Vogue Me, a nova revista bimestral de moda pensada especialmente para a “geração pós-anos noventa”. Isso mesmo, a Vogue Me nasceu com o objetivo de conectar a geração deste milênio com a moda e alimentar ainda mais o poder de compra dos jovens chineses. Segundo a editora-chefe da Vogue China, Angelica Cheung, a geração pós anos 90 tem sua própria personalidade e está mais protegida das dificuldades sentidas pelas gerações anteriores. Ou seja, são jovens que nasceram na época mais rica e afluente da China, receberam uma educação melhor e tem mais condições financeiras para gastar com moda.

O trio que estampa a capa da edição de estreia da Vogue Me é composto pelo cantor da boyband sul-coreana Exo, Lu Han, a modelo-atriz-cantora-designer japonesa Kiko Mizuhara e a modelo americana Pypa America Smith. Confesso que estranhei o fato de não ter nenhum chinês na primeira capa da história da revista, mas, de qualquer maneira, os escolhidos fazem muito sucesso por aqui e claro, representam a geração dos anos 90.

Vogue Me China revista moda geração anos 90

Inspirada no aplicativo Vogue Mini, lançado no ano passado, essa é a primeira revista chinesa voltada para o público jovem, que tem, em média, 24 anos {aii, já passei um pouquinho do target :P}. A edição de abril (a primeira!) chega às bancas na próxima segunda-feira, dia 28. Estará disponível na Amazon, no Tmall, JD e no WeChat, o famoso app de bate-papo chinês. Além da capa com astros teens, ela terá 250 páginas recheadas com editoriais e novidades sobre moda.

Vogue Me China behind the scene anos 90

Palmas para a Vogue China e sua ideia brilhante. Uma pena que meu nível de conhecimento em mandarim não seja suficiente para ler o conteúdo interessante que deve estar estampado nas páginas da revista, quem sabe um dia…

26 outubro, 2015
Shanghai Fashion Week Street Style
MODA, Street Style

Se tem uma coisa que chama tanta atenção aos olhos da mídia e de nós curiosos apaixonados por moda, quanto os desfiles das semanas de moda, são os looks de street style. It girls, fashionistas e instagrammers preparam “O” look para arrasar fora das passarelas e chamar a atenção dos fotógrafos. E em Xangai, a capital da moda na China, não poderia ser diferente.

Os chineses tem uma criatividade incrível quando o assunto é look do dia e uma capacidade de compor produções com mistura de peças excêntricas – as vezes dá certo, as vezes não {relembre o estilo de se vestir das chinesas aqui}. Depois de vermos o que rolou nas passarelas do Shanghai Fashion Week Spring 2016, vamos conferir as produções e outfits das chinesas?!

look branco all white chinese style assimetricostreet style China Shanghai listrasstreet style China Shanghai mix de estampas printshanghai fashion week street style printsblack and white outfit look preto e branco

Imagens WWD

Os looks all white são um caso de amor a parte, já dominam as produções há algumas temporadas e são presença constante dentro e fora das passarelas. E o clássico preto e branco, nem se fala, composição que não tem erro! E pode ver que dá para combinar de infinitas maneiras, entre elas – calça + blusa, camisa + blazer ou maxi camisa com bota longa.

As listras já estavam em alta na ultima temporada de verão e apareceram em alguns desfiles primavera/verão das fashion weeks internacionais. E muito, muito nos looks de street style. Elas dão um toque de seriedade à produção e as listras verticais são ótimas aliadas para quem quer parecer mais magro e longilíneo.

E quem ainda não aderiu ao mix de estampas, por favor, inspire-se! O mix de estampas deixa o look super interessante e é uma das apostas do próximo verão, há quem diga, não é Chanel? A grife não economizou no uso de prints diferenciadas em seu ultimo desfile, no Paris Fashion Week. Vale usar look todo com a mesma estampa também, que fica incrível e cai super bem nos dias mais quentes e ensolarados!

Para finalizar, acredito que super vale essa “comparação” entre as produções de moda internacionais e da China, e estou achando que o conceito fashion no ocidente e no oriente estão bem alinhados. Concordam?

23 outubro, 2015
Shanghai Fashion Week Spring 2016
MODA, Tendências

Depois das emocionantes semanas de moda da Europa e de Nova Iorque, começou o São Paulo Fashion Week e simultaneamente, o Shanghai Fashion Week. A semana de moda de Xangai é a principal da China e uma das mais dinâmicas e esperadas da Ásia, que conta ainda com a de Beijing e tantas outras mais regionais.

Quando o Instituto do MET Museum de Nova Iorque anunciou, no início deste ano, que a exposição seria sobre a China (leia mais aqui) – e ainda foi considerada a exposição de moda mais famosa do MET – previa-se que o país iria se destacar e muito na cena fashion mundial. E o legal é que a imprensa internacional destacou que a semana de moda de Xangai está cada vez mais agradando multidões de chineses com sede de moda e compradores do país e do exterior, que estão de olho nos designers chineses e abrindo as portas de suas boutiques para eles.

 O Shanghai FW começou dia 13 de outubro e terminou ontem, dia 21. Na passarela foi apresentada a coleção Spring 2016 de renomados estilistas chineses e de outros que estão surgindo agora no mercado, mas que já estão garantindo seu lugar ao sol. Os desfiles aconteceram no Taiping Lake Park, uma região super agradável no bairro mais descolado da cidade, o Xintiandi.
Dá uma olhada no que já rolou e o que promete ser tendência na primavera/verão de 2016 na China, e porque não, no mundo?!

• Boundless

A veterana na SFW, Zhang Da tornou-se mundialmente conhecida como designer da Shang Xia, uma grife chinesa de luxo criada pela label francesa Hermès. Na sua própria marca, Boundless, a estilista mistura alta costura com elementos que representam a cultura e a história revolucionária chinesa. Para a passarela, ela trouxe uma coleção minimalista, com linhas retas e design enganosamente simples. Muitos modelos assimétricos, saias e calças midi (suuuper em alta) e vestido moletom, confirmando a onda esportiva. Achei o máximo que ela estampou caracteres chineses em algumas peças, o que é super raro de se ver, diferente das palavras em inglês.
Boundless Shanghai Fashion minimalista assimetrico vestido moletom

• Fake Natoo

A designer de Beijing, Zhang Na, trouxe para a passarela muito branco, tecidos fluídos e esvoaçantes (que apareceram muito nas semanas de moda da Europa), camadas em sobreposição e estampas impactantes. Mas como menos é mais, os modelos que mais se destacaram na coleção foram os com shapes mais simples, com drapeados na lateral que moldaram o corpo das modelos, vestidos abertos nas costas que conferem uma pitada sensual e elegantes macacões. A escolha das cores e a leveza dos materiais super lembram o frescor do verão!
Fake Natoo vestido costas abertas
Fake Natoo shanghai look all white branco tecido fluido drapeado

• Black Spoon

It’s all about drama e romantismo na coleção de primavera do designer Moti Bai, que contou com vestidos de seda estampados e esvoaçantes, mangas e golas com babados, looks todo com listras e camadas e mais camadas de organza formando silhuetas volumosas. Tudo super feminino e levemente girlie. Destaque para a make fofa, estilo bonequinha, com a pele branca, as bochechas bem marcadas e boca com contorno de coração.
Black Spoon Shanghai vestido babado romantico

• Nicole Zhang

Com uma coleção inspirada nos anos 80 e uma pitada de Rock’n Roll, Nicole Zhang é uma das estilistas chinesas que mais ousa. Conhecida por sua linha divertida e despojada, ela se mostrou fiel ao seu estilo. A coleção Spring 2016 é super fun, com uma overdose de jeans denim, mix de estampas e prints engraçados, como os bustiês abaixo. Eu adorei que ela usou lurex para criar vestidos e conjuntos descolados. E nos pés? Sneakers! Com certeza, o desfile mais moderninho da semana. Nicole Zhang Shanghai moda moderna mix estampas lurex brilho

• Museum of Friendship

Coleção divertida, colorida e com pegada sporty! A marca de Momo Wang, baseada em Londres, fez seu primeiro show no SFW e já chegou, chegando. Com uma coleção chamada “After School”, jeans, saias plissadas, assimétricas e calças com lantejoulas prateadas, foram destaque, assim como o modelo atualizado de uniforme das escolas chinesas, que veio super sexy. Em contrapartida, bordados com motivos de gatinhos e cachorros, remetem a infância.  Me lembrou um pouco o estilo funny da Moschino. Uma coleção super energizante e diferente, adorei!!!
Museum of Friendship oculos coraçao jovem
Museum of friendship coleçao school jeans sporty
O Shanghai Fashion Week contou ainda com mais desfiles, de marcas como I Love Pretty (super clássica), C.J. Yao (adepto do sportwear) e WMWM (que sempre aposta no combo P&B). E teve espaço também para a moda masculina – Hiuman e Feng Cheng Wang foram as marcas menswear que desfilaram nesta temporada.
Agora, cá entre nós, essas produções não perdem nada para as semanas de moda internacionais, não é?! Esses designers chineses são para ficar de olho, pois prometem bombar na cena fashion! Estou curiosa para saber o que acharam, conta vai…