07 dezembro, 2016
Destino China | Mr. & Mrs. Bund, o melhor restaurante francês de Shanghai
Destino China, DICAS

No #DestinoChina de semana passada, falei sobre o tour gastrônomico (de-li-ci-oso) que fiz por Shanghai recentemente (veja aqui). Mas a verdade é que estava guardando o melhor para hoje – um post sobre o restaurante francês mais conceituado da cidade. O Mr. & Mrs. Bund Modern Eatery não só é considerado o melhor francês de Shanghai, como também foi eleito um dos 50 MELHORES RESTAURANTES DO MUNDO, em 2012 e 2013 e desde 2012 está na lista dos 50 MELHORES RESTAURANTES DA ÁSIA!

O renomado chef Paul Pairet é quem está a frente do restaurante que, como o próprio nome diz, fica localizado no The Bund – a região mais turística de Shanghai. E claro, de lá temos uma vista linda para a Pearl Tower, para o Rio HuangPu e para todos os prédios modernos e incríveis de Pudong.

No MM Bund você encontrará um ambiente chic e elegante, porém relaxante. Mesas tamanho família, poltronas exuberantes e um bar com clima intimista. O pequeno terraço é um dos melhores spots da região para apreciar a vista do The Bund e tirar aquela foto-recordação com a Torre de Pérola ao fundo. Segundo Paul Pairet comentou em entrevista para o site Design Ride, o ambiente do restaurante foi arquitetado pensando nas sensações, não só gastronômicas, mas também visuais, com o intuito de prender o olhar do visitante em cada detalhe.

Durante o dia, a luz solar suave deixa o espaço mais leve e descontraído. Á noite, a iluminação é mais intimista, tornando o lugar mais elegante e romântico.

São quatro ambientes diferentes que conversam entre si. Destaque: para a longa mesa alta que está posicionada próxima da entrada até o bar, onde os clientes podem tomar seus aperitivos ou fazerem reuniões e eventos casuais; para as mesas grandes redondas que comportam confortavelmente até 12 pessoas, em uma área semi-privada e; também para as mesas de dois a quatro lugares próximas das janelas, onde é possível degustar sua refeição com a vista linda do Bund.

mr-mrs-bund-restaurante-frances-jantar-shanghai-xangai
mr-mrs-bund-restaurante-frances-shanghai-xangai-chic Fonte: Charlie Xia

O menu é bem generoso, com mais de 200 opções de pratos, bons drinks e excelentes vinhos. Há sugestões bem diferentes e criativas. Segundo indicação da casa, os pratos mais populares são: foie gras com avelã; pão trufado; salada de tomate com mozzarella di bufala; escargots; pernas de sapo; ostras; jumbo shrimp com citrus (camarão cítrico); black cod in the bag (bacalhau cozido em um saco); lagosta; scallops (vieiras); cordeiro e; costela. Para falar a verdade, são tantas delícias que fica difícil escolher o que pedir. Mas para a nossa alegria, um dos conceitos do restaurante é exatamente este: compartilhar os pratos. Ou seja, pedir vários e dividir entre os companheiros de mesa, tipo family-style.

Um dos meus favoritos é o Black Cod in the Bag, em que o bacalhau é preparado dentro de uma saco plástico com molho cantonês, que tem gostinho de laranja. O saco é aberto quando chega a mesa e o peixe fica com sabor leve, muito bom. O foie gras e as vieiras também são boas pedidas. Para acompanhamento, amo o purê trufado, o pão trufado e o risoto trufado. Afinal, qualquer prato trufado é maravilhoso, não é?!

cod-peixe-bacalhau-restaurante-frances-xangai

mm-bund-restaurante-frances-shanghai-culinaria

peixe-bacalhau-prato-restaurante-frances-xangai-china

mr-mrs-bund-shanghai-restaurante-frances-vinho

E também tem os Set Menus, que variam de RMB 488 a RMB 2088 por pessoa (cerca de USD 75 a USD 320). O menu completo, com descrição dos pratos e valores esta aqui.

O MM Bund também é considerado o primeiro restaurante de Shanghai que emprega o conceito de late-night dining. Ou seja, de quinta a sábado a cozinha funciona até as 2 horas da madrugada. A partir de certo horário as luzes ficam ainda mais baixas e o dj assume o comando com músicas no estilo pop lounge, bem agradável.

O atendimento é ótimo, os garçons falam inglês bem e costumam explicar como é feito cada prato mais exótico. Para não dizer que é tudo perfeito, em contrapartida, as porções são pequenas e os preços um pouco salgados. Mas estamos falando de um renomado restaurante francês localizado numa das regiões mais famosas de Shanghai e vamos combinar que, francês é conhecido por servir pratos pequenos, mas sempre caprichados e saborosos.

Endereço: Bund 18, 6/F – 18 Zhongshan Dong Yi Lu, near Nanjing Dong Lu, Shanghai | 中山东一路18号6楼, 近南京东路    

Importante fazer reserva: pelo site mmbund.com ou fone +86 (21) 6323 9898 ou reservations@mmbund.com 

É uma ótima opção para quem quer comer bem enquanto estiver em Shanghai ou para surpreender amigos, parentes ou outro alguém especial. Incrível como sempre que vou lá encontro algum brasileiro, todos adoram, é unanimidade. Por esses motivos que este foi o lugar que escolhi para comemorar meu último aniversário, tão bom…

Gostou? Deixe seu like ou seu comentário…

SaveMe!
29 março, 2016
Destino China | Hong Kong e as compras no Citygate Shopping Outlet e na Mong Kok
Compras, Destino China, DICAS, Hong Kong

Hong Kong é uma cidade surpreendente, onde culturas tão diferentes se cruzam, onde o oriente encontra o ocidente e onde o simples e o imponente convivem em harmonia. Por essas e outras razões, eu gosto tanto de ir à Hong Kong, que fica a apenas 50 minutos de voo da cidade onde moro.

No ultimo fim de semana estive na cidade e aproveitei que o tempo estava nublado e com muita ventania para ir às compras e passear no shopping. Afinal, esta é a quarta ou quinta vez que visito a cidade e já tive a oportunidade de conhecer a maioria dos pontos turísticos (descubra mais aqui) e sem falar que, Hong Kong é, definitivamente, um destino perfeito para compras. É onde a gente encontra de tudo, desde computadores e outros eletrônicos até artesanatos chineses, passando por vestuário, bolsas, sapatos e acessórios de diferentes preços e qualidades.

A Times Square em Causeway Bay, os shopping centers, IFC Mall e Landmark, da região Central, a Canton Road e a extensa rua com lojas de luxo em Tsim Sha Tsui são só alguns dos exemplos de lugares que Hong Kong tem a oferecer aos shoppaholics e consumistas de plantão.

Mas nessa recente ida a HK eu me dediquei a desbravar, especialmente, dois lugares super indicados para compras, destacando a venda de artigos de luxo, roupas, sapatos e acessórios de grifes e de marcas famosas de esportes. São estes: o Citygate Outlet e a Mong Kok.

Já falei do Citygate Outlet aqui no blog, pois é um dos lugares que sempre vou quando estou em Hong Kong. Até porque, fica pertinho do aeroporto e como o nome já diz, é outlet (vulgo: liquidação)! Dessa vez, eu fiquei hospedada na casa de uma amiga que mora no complexo de prédios em frente ao Citygate, ou seja, praticamente morei dentro do shopping durante alguns dias. Eu almoçava, jantava, fazia compras no supermercado e passeava pelas lojas do shopping quase que todos os dias. Então consegui conhecer melhor cada andar e cada cantinho de lá, pois sempre passava na correria antes de ir para o aeroporto pegar o voo de volta.

citygate outlet compras lojas marca hong kong

O andar térreo é dedicado aos atletas. Tem loja da Nike, Adidas, New Balance, Puma e The North Face. Tem também relógios da Swatch e City Chain. E uma Levis. A Nike é minha preferida, tem peças de roupa de ginástica lindas e modelos de tênis bem estilosos, bons descontos e por isso está sempre lotada.

No primeiro andar começam as lojas de vestuário de moda, cosméticos e acessórios. A Calvin Klein é uma das que mais chama a atenção, pelo tamanho da loja, que é anexada a da Armani Exchange. Ainda tem Tommy Hilfiger, Guess e Timberland. A loja de óculos Optical 88, a Samsonite e a Sasa e The Body Shop, as preferidas de quem adora maquiagem ou um creme cheiroso para o corpo.

A maior concentração de lojas tops e de artigos de luxo, provavelmente, está no segundo andar: Coach, Burberry, Polo Raulph Lauren, Armani, MaxMara, Calvin Klein underwear, Michael Kors, Kate Spade e Furla estão aqui. E uma das minhas lojas preferidas do outlet, a Diane Von Furstenberg, conhecida como DVF, uma das mulheres mais influentes do mundo da moda e criadora do vestido envelope. Mesmo sendo modelos de coleções passadas, os vestidos são atemporais, versáteis e ficam lindos no corpo, eu sou fã.

Citygate Outlet look vestido DVF compras Hong Kong

Em algumas lojas até são formadas filas de espera na porta, para garantir que o cliente que está dentro da loja consiga olhar tudo com calma e sem muito tumulto. Coach e Michael Kors são as preferidas dos chineses. Portanto, se você for a esta shopping no fim de semana, provavelmente, terá que esperar na fila para entrar. Claro que se você for as compras no Citygate pensando que tudo é muito barato, pode se decepcionar. Os descontos variam entre 30% e 50%, podendo chegar a 70%. Mas é preciso levar em consideração que estamos falando de marcas internacionais renomadas e não há lugar no mundo que supere os preços praticados por essas marcas nos Estados Unidos, por exemplo. Mas se você está em Hong Kong e procura por grifes famosas com preço mais baixo, o Citygate Outlet é o lugar mas indicado!

Se acha que terminou, está enganado… tem ainda o décimo andar do prédio, que é reservado exclusivamente para o Outlet da Aerosoles, uma marca americana de sapatos para homens e mulheres. Um andar com Praça de Alimentação e no subsolo um supermercado grande e com muitos produtos importados (eu aproveito para comprar tudo que não encontra na China Continental). O shopping fica perto do cable car do Ngong Ping 360 que leva para a Estátua do Buda Gigante e perto do Parque da Disney.

Para chegar no shopping, em Lantau Island, não tem erro. A estação Tung Chung do MRT fica dentro do local, que está situado a mais ou menos 40 minutos de distância da região Central de Hong Kong. O aeroporto está a apenas 10 minutos de ônibus e é possível ir e vir usando o ônibus número S1.

Partindo para outro lugar, esse mais próximo do centro de Hong Kong, Mong Kok fica em Kowloon e é uma das regiões comerciais mais congestionadas da cidade. Aqui você encontra de tudo: uma rua cheia de lojas de tênis e outros artigos esportivos, enorme mercado de rua com roupas e acessórios e o shopping Langham Place, com lojas de grife e marcas fashion internacionais. Dessa vez eu fui direto para a Rua Fa Yuen, conhecida como a Shoes Street, que fica entre a Rua Argyle e Rua Dundas. Estava a procura de um tênis bacana para corrida (meu mais novo vício) e algumas roupas novas de academia. A Fa Yuen Street é perfeita para isso. São incontáveis lojas outlets da Nike, da Adidas, Puma, Converse, entre outras marcas famosas. Só de lojas da Nike eu entrei em umas cinco diferentes. Procurando por tênis de vários estilos? Opção é o que não falta e alguns modelos tem até descontos consideráveis. Nessa rua há também uma loja oficial da Nike de três andares, sempre com novidades.

fa yuen street rua de esportes nike adidas converse Mong Kok Hong KONG

Cortando a Fa Yuen está o “Ladies Market”, um dos maiores mercados de rua de Hong Kong. Apesar do nome, as barracas montadas no meio da rua comercializam de tudo, para mulheres, homens e crianças: roupas, roupas e mais roupas, bolsas e maletas unissex, brinquedos para crianças e utensílios para casa. Tudo deve ser adquirido na base da barganha. Alias, aproveitando a deixa, aqui vai minha dica: nada que estiver à venda nos milhares de camelôs e barracas da China inteira, você deve pagar o preço inicial pedido, é preciso sempre barganhar.

Ladies Market mercado de rua Mong Kok compras Hong Kong

Não se assuste com a poluição visual de Mong Kok, são centenas de painéis coloridos atravessados uns na frente dos outros ao longo das ruas. A maioria escrito em mandarim. Eu, particularmente, adoro. De um lado, painéis baratos e já maltratados pelo tempo e do outro fachadas enormes e luxuosas de lojas de grife. Uma mistura fascinante. E o mais legal é ir a Mong Kok a noite, quando todos os painéis estão iluminadas e com luz neon.

Mong Kok Rua compras Kowloon Hong Kong

Mong Kong luzes neon rua compras Hong Kong

Na China, o país mais populosos do mundo, todo e qualquer lugar costuma ter uma multidão de gente pra lá e pra cá. Agora imagina ir em uma das regiões de compras mais famosas em um sábado a tarde?! No mínimo, milhares de pessoas se apertando para conseguir caminhar em cima das calçadas (na verdade, a rua é fechada para passagem de carros, pois só as calçadas não dão conta de tantos pedestres), tropeçando umas nas outras para chegar até o produto na estante da loja e quase pendurando uma melancia no pescoço para chamar a atenção do vendedor e conseguir ser atendido. Sim, uma lou-cu-ra! Um verdadeiro caos. Por isso, prefira ir durante a semana e não esqueça de armazenar um estoque de paciência para usar nesse passeio. O mais engraçado é que eu estava com uma amiga chinesa que é a calma em pessoa. Ela é tão acostumada com isso que nem se abalou com toda aquela multidão pelas ruas, enquanto eu repetia para mim mesma “preciso sair dessa loja!” a cada uma que eu tentava parar para provar algum tênis rsrsrs Mas até que não foi tão ruim assim, apenas cansativo. No fim das contas, eu consegui achar o que estava procurando e o saldo foi positivo.

09 março, 2016
Destino China | As passarelas mais altas e emocionantes da China
Destino China

Responda rápido: você gosta de aventuras? E da sensação de estar nas alturas? Bom, pelo jeito, os chineses gostam muito! Isso porque, três das 10 skywalks consideradas as mais emocionantes do mundo estão na China. Sente só:

Tianmen Mountain

A mais top delas, a montanha Tianmen fica no Tianmen Mountain National Park, na cidade de Zhangjiajie, no noroeste da Província de Hunan. O que mais chama a atenção na atração turística é a passarela construída ao redor da montanha, a mais de 1.300 metros acima do nível do mar!! De um lado, um paredão de rochas. Do outro, o céu. E apenas uma estreita passarela entre ambos. E como se isso não bastasse para deixar qualquer um intimidado (para não dizer, apavorado), a passarela é toda de vidro, cristalino, permitindo uma visão clara de tudo que há montanha abaixo. A caminhada de pouco mais de 60 metros de distância não é muito indicada para os fracos do coração ou para quem tem medo de altura.

Mas a vista lá do alto é de tirar o fôlego. E o cuidado para manter o vidro limpo e cristalino é tanto, que os turistas devem usar capas nos sapatos enquanto caminham pela ponte.

montanha tianmen zhangjiajie china altura vidro

montanha tianmen passagem de vidro

Montanha Tianmen Zhangjiajie China paisagem

Oriental Pearl Tower

A Pérola Oriental de Shanghai é um dos símbolos mais famosos da China. A torre tem 468 metros de altura e é a sexta mais alta do mundo. Foi inaugurada em 2004 e sua plataforma de observação está aberta ao público desde 2009. A plataforma tem piso e paredes de vidro,  o que possibilita uma visão panorâmica de boa parte da cidade. A vista do alto da torre é realmente linda, (confesso, dá um medinho) mas, na minha opinião, não é mais encantadora do que a beleza da torre toda iluminada, quando cai a noite. Posso ficar horas admirando….

shanghai torre oriental pearl tower observation deck

Skywalk X, Torre de Macau

A Torre de Macau, com exatamente 338 metros, tem uma atração adorada pelos visitantes, a Skywalk X. É possível caminhar ao redor do deck de observação externo da torre onde, pasmem, não há corrimão ou qualquer outro apoio para os turistas se segurarem. Claro que esse povo não é tão louco assim, os turistas ficam presos ao arnês, que é aquele equipamento usado pelos escaladores, uma espécie de cinto de segurança. O passeio de 360° ao ar livre no alto da torre oferece um visual incrível de Macau.

Torre de Macau Skywalk X

HuaShan Mountain

O monte HuaShan, situado próximo de Xi’an na Província de Shaanxi, pode não estar entre os mais altos da China, mas sua trilha é considerada a mais perigosa do país e uma das mais temidas do mundo. A HuaShan é uma das cinco montanhas sagradas da China e está associada ao Taoísmo. Para escala-lá é preciso de coragem e bom preparo físico. São cerca de 6km envolvendo muitas subidas, escadas íngremes esculpidas nas pedras e estreitas pontes de madeira junto as rochas. A montanha está na lista das mais perigosas do mundo! Mesmo assim, milhares de turistas visitam o monte em busca de aventura e belas paisagens. E também para conhecer o templo taoista, do século 2 A.C., que fica no topo. Segundo as estatísticas chinesas, não há registros de turistas que morreram nessa caminhada, mas há informações de órgãos não-chineses que mostram um número alto de mortos, chegando a 100 pessoas por ano. Teria coragem de encarar essa? Na dúvida, leve todos os equipamentos de segurança necessários, eles não exigem, mas eu não pagaria para ver. Mas mesmo parecendo super perigoso, o monte despertou muito meu interesse. Já está na bucketlist. Imagine trilhar uma das montanhas mais temidas do mundo? Seria uma grande realização…

Templo Monte Huashan china

Screen Shot 2016-03-08 at 11.36.49 PM

Monte Hua shan China aventura

Montanha Hanshan trilha escalar pedra

Screen Shot 2016-03-08 at 11.39.02 PM

Imagens: Flickr, acervo próprio e Google

E quanto mais eu conheço esse país, mais me encanto com as surpresas que ele esconde. Aqui tem de tudo e tem espaço para todos, inclusive para os mais aventureiros e para os malucos que buscam adrenalina e belos visuais.

Curtiu?

 

16 fevereiro, 2016
Destino China | Sobrevivendo em Harbin com -25 graus!
Destino China

Esses dias escrevi sobre Harbin e o Harbin International Ice and Snow Sculpture Festival, o maior festival de gelo e neve do mundo. E não é que um dia após o post ir ao ar, o Rodrigo, meu noivo, fez uma viagem de ultima hora, a trabalho, para a cidade. Ele foi pego totalmente desprevenido, mas ainda assim, conseguiu conhecer um pouco da cidade e aproveitar o clima super agradável #sóquenão que faz nessa época do ano no nordeste da China. E depois de voltar para casa, com algumas histórias engraçadas e várias dicas úteis sobre o lugar, achei que seria interessante ele fazer um relato, compartilhar com vocês o seu passeio no inverno de Harbin. Afinal, não é todo dia que você vai para um lugar onde chega a fazer -25 graus! 

Espero que essas dicas possam ajudar quem está de viagem marcada para Harbin ou qualquer outro lugar onde o frio é extremo. E também matar a curiosidade daqueles que nunca chegaram a passar por temperaturas tão baixas (como é o meu caso).

harbin china ice and snow festival gelo e neve

Quando aterrissei na China, no início de 2014, para trabalhar em Xiamen, logo me interessei em conhecer vários lugares para onde minha empresa opera, entre eles, Harbin. Claro que os chineses, colegas de trabalho, com segundas intenções, gostam de voar para lá por causa de uma de suas paixões: a comida. E a comida do hotel é uma das preferidas dos colegas locais. E o povo chinês, como vocês já leram no blog, adora comer. Mas, além disso, o hotel fornecido pela empresa é muito bom, com excelentes quartos e instalações, um magnífico SPA e um descanso entre vôos de pouco mais de 24 horas, coisas rara no dia a dia da aviação chinesa.

Entretanto, minha curiosidade ia além da gastronomia. Eu ficava imaginando como seria a vida num lugar com temperaturas negativas de 20, 25 graus. Pra mim, guri criado no Rio Grande do Sul (que quando o jornal Zero Hora anunciava uma geada, todos os gaúchos corriam para Gramado), ir a um lugar desses não deixa de ser uma espécie de aventura.

lago congelado paisagem inverno harbin china

Bom, minha aventura ou expedição, digamos assim, foi totalmente inesperada, sem nenhum planejamento e de última hora mesmo.  Logo para mim, que curto comprar meses antes um  travel guide dos meus destinos de viagens, pesquisar os restaurantes e dicas, conversar com quem já esteve no lugar, para tentar me adequar ao máximo à cultura local. Dessa vez, não teve jeito. Uma mudança na minha escala devido a uma onda de frio na região do Yangtze River, meu voo mudou de um pernoite em Fuzhou, onde faz 10 a 12 graus, para um pernoite na curiosa, pitoresca (e fria!) Harbin. E já na chegada, meus amigos, uma bofetada de -19 graus na saída do aeroporto. E os 3 ou 4 minutos entre a porta do desembarque e o ônibus da tripulação, foram uma das sensações mais diferentes em relação a climatologia que eu já senti… dói na pele, literalmente!

Aqui então já vai a minha primeira dica: roupas especiais para essas condições são essenciais. Você pode até ir para a Sibéria, mas esteja com as roupas, ou o “look” siberiano (para falar a linguagem do China Chic). Material é tudo.

parque esculturas de gelo harbin

Porém, pela viagem repentina,  como comentei, eu estava totalmente despreparado. Nada que pudesse me deixar congelado no jardim, como o Jack Nicholson em “the Shining/O iluminado” (para os mais antigos que assistiram o filme clássico desse atorzasso). Em Harbin,  todos os lugares fechados tem calefação e estão mais do que preparados para essas condições. Mas, eu não iria perder a oportunidade de visitar o Snowland, o parque de esculturas de gelo e depois poder dar meu depoimento ao China Chic, é claro!

Por sorte, o co-piloto do vôo era da região do Tibet, ele era a calma em pessoa e tinha cursado universidade em Harbin. Conhecia bem a cidade e foi meu guia, muito atencioso. No hotel, consegui alugar um casacão, luvas e gorro e partimos então para o ponto mais turístico da cidade e destino de muitos turistas chineses nessa época do ano: os ice cravings de Harbin, um parque enorme a beira do congelado rio da cidade.

Harbin é uma cidade no extremo norte da China, que recebe os frios ventos siberianos e esta muito próxima da fronteira com a Mongólia e com a Rússia, que por sua vez, teve no passado, em períodos distintos,  a concessão da cidade. A cidade é relativamente grande, com algo em torno de 4,5 milhões de habitantes. Tem um bocado de história e chama atenção pela arquitetura gótica e varias construções que marcam a influência russa na cidade, que chegou a ser um das maiores concentrações de europeus no extremo oriente, no inicio do século. Segundo os locais, durante a Guerra Civil russa em 1918, muitos russos se refugiaram na cidade e seus decendentes, até hoje movimentam o comércio, o cotidiano e a cultura local.

Bom, o tempo era curto e era chegada a hora de conhecer a principal atração da cidade: o Snowland e as esculturas de gelo. Meu guia é experiente e sabe todos os atalhos. E o melhor, fala a língua local, o que facilita pra pegar táxi. Após muito frio e 30 minutos no carro, chegamos ao parque. A paisagem é, realmente, muito bonita. Como um grande iglu, com prédios, torres, templos e até a Muralha da China. Tudo feito de gelo e iluminado, dando um visual muito bacana. O frio é de assustar. De 20 em 20 minutos íamos para a praça de alimentação fechada, para tomar um cafezinho quente e esquentar os pés. O chão, todo com gelo, quase congelou meus pés. Só após 40 minutos encontrei um vendedor de botas no parque. Até máscara comprei, porque o vento racha a cara, literalmente. A sensação é horrível. Alias, como em todos os lugares da China, há vendedor ambulante de tudo que é coisa. No caso de Harbin, o que mais se vê a venda são gorros, luvas, botas, casacos e souvenirs…mas como era de se esperar, bem overprice. Mais uma vez digo, vá preparado. Sapatos especiais, luvas especiais, casacos especiais. Não faça como eu, que colocou todas as meias e o único tênis que tinha na mala, de corrida. Escorregava o tempo todo e o sapato, nada adequado, foi o responsável pelo belo tombo de bunda que tomei. O co-piloto ficou todo assustado, enquanto eu ria de mim mesmo…

frio neve inverno harbin

harbin china esculturas de gelo luzes

thumb_IMG_8721_1024

thumb_IMG_8718_1024

snowland esculturas de gelo frio harbin

Mas o lugar é lindo e a experiência vale muito a pena, quando você está bem “equipado”. Haviam muitas famílias e crianças patinando no gelo. Consegui agüentar alguns minutos com as mãos sem luvas para tirar fotos e fazer snaps para o China Chic, mas chega uma hora que você não sente mais as mãos. Uma curiosidade: por causa do frio extremo, meu celular ficava variando a carga da bateria de 90% para 5%, de repente 50%, depois 5…quando eu aquecia ele no bolso, a bateria “carregava” de novo!

Quando a noite cai fica realmente muito frio. A sensação térmica no meio das esculturas de gelo é inarrável. Até meu amigo chinês já está com os lábios roxos. Hora de voltar pro hotel, tomar uma xícara de chocolate quente e ter uma boa noite de sono na calefação, pois amanhã tem mais trabalho pela frente! Valeu a experiência, são esses dias que me fazem ser apaixonado por essa profissão. Até a próxima!

 

26 janeiro, 2016
Destino China | O festival de gelo e neve de Harbin
Destino China

Harbin é aquele tipo de cidade encantadora. Localizada no nordeste da China, recebe influência direta dos ventos congelantes da Sibéria, por isso, é uma das cidades mais frias do país e no inverno chega a fazer -25° celsius!!! Consegue imaginar tanto frio? Eu não. Mas é aí que entra a beleza do lugar.

A cidade sedia o Harbin International Ice and Snow Sculpture Festival, também conhecido como Ice Lantern Festival ou Harbin Ice Festival, o maior festival de esculturas de gelo do mundo! O festival acontece todo os anos, de 5 de janeiro até fim de fevereiro. Além de lotar de turistas, a cidade fica repleta de luzes coloridas e verdadeiras obras de arte esculpidas no gelo, espalhadas por quatro atrações imperdíveis.

Uma das principais atrações é o Ice and Snow World, um mundo de mais de 750 metros quadrados de esculturas de gelo que consomem mais de 300 mil metros cubicos de neve. As esculturas são inspiradas em contos tradicionais chineses e em famosas obras arquitetônicas mundias, como a Muralha da China e as Pirâmides do Egito. E assim que escurece, em torno das 4 horas da tarde, as esculturas ficam iluminadas e coloridas, o que dá um efeito ainda mais lindo. Além de apreciar essas obras de arte, o turista ainda pode participar de eventos culturais e praticar esportes de inverno, como esqui.

Repara na réplica da Muralha da China feita com gelo. Incrível, não?!

ice snow park neve gelo cor harbin china

Ice and snow escultura gelo e cor harbin castelo

ice snow park templo de gelo neve harbin china

ice snow park muralha da china gelo harbin

ice snow park gelo e luz colorida harbin china

Outro parque temático, é o Snow Sculpture Art Expo que fica no The Sun Island Park. Tem o maior museu de arte em neve do mundo e muitas esculturas esculpidas maravilhosamente. Tipo, quase inacreditável de tão perfeito. A exposição tem diferentes temas a cada ano e costuma expor esculturas que representam outros países, como Rússia, França, Japão e Coréia do Norte. O parque é todo branquinho, coberto por neve, uma paisagem realmente linda.

snow expo parque neve beleza inverno harbin

snow sculpture escultura neve harbin china

snow sculpture expo park escultura neve harbin

snow sculpture museu escultura neve desenho harbin

Próximo do rio Songhua, o Zhaolin Park é outro lugar imperdível de Harbin. Um parque agradável, com um lago artificial, algumas belas pontes e jardins e, no verão, fica repleto de flores coloridas e perfumadas. Já no inverno, é aqui que acontece o Ice Lantern Show. As lanternas de gelo são feitas com água congelada, gelo natural do rio Songhua e luzes e então esculpidas. Foram as ice lantern que deram origem ao festival. As obras são divididas por temas que retratam obras clássicas chinesas, prédios históricos e costumes. Igrejas no estilo europeu, flores, jardins, leões, dragões e tantos outros objetos esculpidos em gelo são expostos aqui. Durante o dia, algumas esculturas até parecem reais (!!), digo, parecem ser templos, prédios e pontes de verdade.

Zhaolin Park Harbin templo entrada gelo

Zhaolin park ice lantern festival harbin

zhaolin park harbin templo gelo neve inverno china

zhaolin park esculturas de gelo flores luzes harbin china

zhaolin park festival inverno china dragao coloridoAcredita que esses dragões são feitos de gelo? Quanta beleza!

A atração mais recente do festival é a Songhua River Ice and Snow Happy Valley, que fica sob o congelado rio Songhua. Além de esculturas de gelo, todas as atividades de inverno que você pode imaginar tem aqui: futebol na neve, bicicleta especial, patinação, karting e tantas outras. 

rio songhua escultura colorida gelo harbin china

rio Songhua congelado esportes de inverno ski patinacao harbin

rio Songhua congelado harbin china

Fonte imagens: acervo próprio, Flickr

E mais do que uma exposição de esculturas em gelo, o Ice and Snow Festival é também uma amostra da arte e cultura chinesa e também internacional. E além de turistas, a cidade recebe artistas e especialistas de esculturas em gelo, do mundo todo, que participam de competições. Durante o festival, há também competições desportivas, como ski, patinação no gelo e trenó.

Desde a primeira vez que ouvi falar desse festival, fiquei doida para conhecer Harbin. Ainda não tive a oportunidade de ir, mas está na minha wish list de viagens. Uma amiga, que tinha o mesmo desejo que eu, acabou de voltar maravilhada de lá (e congelada também). Essa é outra dica mega importante: levar roupas apropriadas para a neve e frio extremo. Claro que se você vai viajar para um lugar que faz -20° graus, você vai pensar nisso. Mas no caso dessa amiga, ela ganhou a viagem de surpresa do marido. Vestiu todas as roupas mais quentes que tinha no ármario e foi. Não foi suficiente, afinal, não é todo dia que temos casacos e acessórios tecnológicos, recomendados para essas temperaturas, no nosso closet.

Você pode chegar nas atrações de táxi, ônibus ou transfer do próprio hotel. Em Harbin você encontra grandes redes de hotéis para ficar hospedado, como o Kempinski, Holiday Inn, Ibis Hotel, Shangri-lá, entre outras ótimas opções que você encontra aqui.

Se você também se encantou por Harbin e pretende conhecer o Festival de Gelo e Neve, neste site tem várias informações pertinentes, como horários de funcionamento, valor do ingressso, como chegar por meio de transporte público e até tours turísticos de três a seis dias.

Agora vista o seu casaco de neve, seu gorro e manta térmicos e curta as belezas de inverno de Harbin! 

19 janeiro, 2016
Destino China | Latina Grill, o sabor brasileiro na China
Destino China, DICAS

Pensa no melhor churrasco que você já comeu ou na melhor churrascaria que você já foi na sua vida. Pensou? O Latina é melhor! Sério! Melhor porque você está a milhares de kilômetros distante da sua terra e porque, se voce está algum tempo na China, provavelmente, está a algum tempo sem comer carne de qualidade! E quando você está do outro lado da mundo, não espera comer um churrasco tão saboroso e suculento (eu como boa gaúcha, amo!).

Recentemente, fui almoçar no Latina Grill em Shanghai, e mostrei minha saga pelo Snapchat {add Chinachic8 para acompanhar minhas aventuras em tempo real} e sei que muitos seguidores que estão no mesmo barco que eu, ou seja, com saudades de casa, se deliciaram junto comigo. Sabe aquele ditado: a gente só dá valor quando perde?! Pois bem, depois que vim para a China e entendi que achar uma boa picanha, um filé, o tão simples e gracioso aipim (macaxeira, mandioca, ou seja lá como você chama), o pão de queijo salgado (aqui na China até tem algo parecido, mas é doce) seria tarefa bem difícil, eu passei a dar muito valor para a nossa comida brasileira.
.
O restaurante tem espeto corrido e à la carte e um buffet generoso de saladas, frios e acompanhamentos. Entre eles: feijão preto, espiga de milho, polenta, aipim frito, pão de queijo e várias outras delícias. Tem tudo conforme pede uma refeição em uma churrascaria de respeito! E caipirinha, claaaro…
.
Churrascaria Latina Grill espeto corrido carne Shanghai China

restaurante brasileiro china latina

 .

pao de queijo guarana
.
E além de todas essas delícias, agora eles tem até guaraná Antártica!! Eu não tomo refri, mas quis trazer um para minha amiga brasileira que também mora em Xiamen. Pena que me recolheram a latinha no aeroporto, já que na China é proibido carregar líquidos mesmo em voos domésticos. O mais engraçado foram os guardinhas do raio-x do aeroporto, que não conseguiram esconder a curiosidade e já pegaram a lata de guaraná na minha frente. Devem ter adorado a bebida.
 
Atualmente, existe cinco restaurantes em Shanghai, um em Shenzhen e um em Beijing (que inaugurou recentemente) e estão com planos de abrir um em Guangzhou neste ano. O maior deles, e acredito, mais frequentado, fica na Rua Tongren, número 88 e tem um ambiente incrível. A decoração conta com palmeiras, paredes cobertas por folhagens, vidros azulados no chão (que lembram o mar) e música brasileira ambiente. Clima todo montado para a gente se sentir no Brasil.
.
latina grill restaurante churrascaria china
Outros endereços:
Shangai – Latina Lujiazui, Rua Lujiazui Ring, nº 165
Shanghai – Latina Biyun, no Green City Leisure & Sports Center House. Rua Biyun, nº 633
Shanghai – Latina Grand Gateway Plaza, Hongqiao Rd, nº 166
Shanghai – Latina Science & Technology Museum, Yatai Shenghui Shopping Square, Century Avenue 2002
Shenzhen – SeaWorld, zona C
Beijing – Grand Summit Building, próximo da estação de metrô Liangmaqiao
Se você estiver em algumas dessas cidades, junta a família os amigos e não perca essa experiência DELICIOSA! 😛
12 janeiro, 2016
Destino China | Os cassinos de Macau, a Las Vegas da Ásia
China, Destino China

Como contei aqui, Macau pertenceu à Portugal até 1999, quando foi devolvida para o governo chinês. Nessa época e desde a década de 1850, na verdade, Macau tinha algumas casas de jogos e uma lei que permitia apostas. Mas foi em 2002 que a China começou a construir o império dos hotéis de luxo e dos grandes cassinos, na região de Cotai, que continua em constante crescimento. Empresas que estão por trás de grandes cassinos de Vegas, como a Las Vegas Sands Corporation, também estão apostando em Macau. Tanto é, que a rua onde fica o The Venetian e o City of Dreams foi nomeada carinhosamente de Cotai Strip, fazendo referência a principal avenida de Vegas.

Com pouco mais de 10 anos, a região se desenvolveu de forma absurda de tão rápida e está se preparando para receber o Wynn e o The Parisian, entre outros, com direito a Torre Eiffel e tudo (que inclusive já está bem adiantada, pelo o que vi quando estive por lá). Além disso, há notícias de que os cassinos de Macau vem faturando mais do que todos os cassinos dos Estados Unidos juntos.

Atualmente, há cerca de 35 cassinos na Península de Macau e 10 na Ilha de Taipa. O lugar mais fun para ficar hospedado é próximo de Cotai, pois é aqui que ficam os maiores e mais novos hoteis-cassinos.

As opções de hospedagem ainda não são tão grandes como em Vegas, mas são tão boas quanto. A minha escolha foi o Galaxy Hotel, por causa da piscina de ondas (confesso :P), que eu acabei nem usufruindo, pois esfriou nos dias que estive lá. O que não foi problema, já que há uma piscina de água quente e várias jacuzzis maravilhosas a céu aberto. Realmente, o lugar ideal para relaxar. Isso sem falar do luxo e conforto do quarto, do cassino gigante, dos restaurantes deliciosos e das tantas lojas de grife e suas esplendidas vitrines. A estrutura é imensa e realmente incrível!! Me senti em Vegas, mesmo!

Galaxy hotel macau piscina ondas verao

Galaxy hotel macau cassino jacuzzi vegas

cassino galaxy hotel macau sala apostas

Outras ótimas opções para ficar hospedado são: The Venetian Macau, Hard Rock, Grand Hyatt, Four Seasons, Sheraton, Conrad, Holiday Inn, Crown Towers, JW Marriot e The Ritz-Carlton. Ou seja, como podes notar, as melhores redes de hotéis estão aqui (e com preços bem mais acessíveis do que o normal). Todos os hotéis tem transfer para o aeroporto, para o porto, para o centro da cidade e para outros hotéis-cassinos.

Quanto aos cassinos, o do The Venetian é o maior, mas, se você é apostador, não se preocupe, todos os cassinos tem, praticamente, os mesmo jogos: roleta, blackjack, pôquer, máquinas caça-níqueis e outros jogos tradicionais chineses. BTW, o The Venetian de Macau não perde nada para o de Vegas. Tem até os canais de Veneza. E é um lugar ótimo para compras, há praticamente, um shopping center dentro do complexo.

cotai strip macau cassino the venetian

cotai strip hoteis cassinos hard rock crown towers

the venetian casino vegas macau

cassino the venetian luz arvore de natal decoracao

Cassino Galaxy Macau Vegas Asia caça niquel

Decoracao the venetian cassino macau

the ventian macau canal veneza

A noite, o agito é no Soho, que fica no City of Dreams. O City of Dreams é um complexo com cassino, que liga os hotéis Hard Rock, Grand Hyatt e Crown Towers. É aqui que fica também uma das atrações mais imperdíveis de Macau, o The House of Dancing Water. Mas falando primeiro do Soho, este é um espaço de entertenimento, que conta com vários restaurantes. Eu indico o Hard Rock Café (sempreee :P), o italiano Shelter (a comida é maravilhosa) e o espanhol T for Tapas. Em uma das noites que estive lá, tinha até uma dupla de brasileiros apresentando canções de jazz e bossa nova, super agradável! Por alguns momentos até achei que estivesse no Brasil…. :)

soho macau hard rock city of dreams jantar italiano shelter

Para terminar a noite, a maior e mais conceituada casa noturna de Macau, Club Cubic, fica também no City of Dreams.

E sobre o The House of Dancing Water, o que posso falar?! Que talvez foi o show mais incrível que já presenciei na minha vida! Eu comprei o ingresso (aqui) achando que iria assistir mais um show de águas dançantes comum, mas estava totalmente enganada. A apresentação de uma hora e meia conta a história de um princípe que tenta salvar a amada das garras da rainha má (nenhuma novidade até aqui), mas a história se desenvolve na água, dentro de uma piscina com 3,7 milhões de litros d’água. Em alguns momentos, o chão do teatro sobe, a água some e o show continua em “terras firmes”. São dezenas (talvez até centenas) de artistas que fazem saltos na água, danças suspensas no ar, saltos de moto e outras acrobacias inacreditáveis. Sabe quando você fica o tempo todo de boca aberta, pensando “como eles conseguem fazer isso?” Tem ainda apresentação de trajes típicos e vários efeitos especiais (fiquei tão concentrada na apresentação, que esqueci de tirar fotos). Sugiro comprar o ingresso antecipado pelo site. É caro (paguei quase U$100 por pessoa), mas vale muito! É imperdível!!

house of dancing water show aguas dancantes macau

E depois de conhecer um pouquinho de Macau, quero saber… quais foram as suas impressões? 😉

05 janeiro, 2016
Destino China | Macau e a região histórica de Taipa
China, Destino China

Você já imaginou conversar em português com os nativos da China? Ou um lugar na Ásia onde as placas e sinais são todos no nosso idioma? Agora, imagina se esse lugar tivesse mega cassinos e hotéis luxuosos!? Parece brincadeira, mas esse lugar existe! Macau é uma ilha ao sul da China e ao leste de Hong Kong, que foi colonizada pelos portugueses e pertenceu a Portugal até o fim de 1999, quando foi devolvida a República Popular da China. Por isso, Macau se encaixa na mesma situação de Hong Kong: um país, dois sistemas. Os assuntos externos são de resonsabilidade do governo chinês, mas Macau tem suas próprias regras quanto a algumas questões políticas e sociais: a moeda é o MOP (diferente da China Continental), internet é liberada (oba!), brasileiro não precisa de visto para entrar, são apenas algumas diferenças entre Macau e China.

Logo que você aterrisa no aeroporto já se sente em casa kkk. As placas informativas e demais painéis são todos em português. Macau é relativamente pequena e a maioria dos hotéis tem transfer do aeroporto. Mas se precisar, táxi é bem barato.

Largo do Senado praça publica Taipa Macau

A ilha é divida em três regiões: Taipa, Cotai e Coloane, que são interligadas por meio de pontes. A Península de Macau, Taipa, é a parte histórica e cultural da cidade. Um região pequena, mas que abrange mais de 20 prédios históricos, e que foi nomeada pela UNESCO, como Patrimônio Cultural e Centro Histórico de Macau. Em Taipa todas as atrações turísticas e nomes de ruas são em português, muito legal! O must-see é as Ruinas da Igreja de São Paulo, que é considerado o maior monumento do Cristianismo na Ásia. A Igreja foi construída em 1602 e pegou fogo em 1835, ficando em ruínas, que hoje é a principal atração de Macau. Próximo das Ruinas fica a Fortaleza do Monte, a principal construção militar de Macau, com quartel e canhões que foram usados em 1622, para combater a invasão holandesa. Do alto do Forte, é possível ter uma vista aérea da cidade. A Península é uma região antiga e não muito bonita, mas vale a pena o passeio. A entrada é free e dentro do Forte fica o Museu de Macau.

Escadas Ruinas da Igreja São Paulo Macau historia

Ruinas Igreja São Paulo fogo macau

Vista da peninsula de macau Taipa

Fortaleza Forte macau canhão militar

A melhor maneira de chegar a estas atrações é através do Largo do Senado, considerado o centro urbano de Macau e o ponto mais popular de eventos públicos e celebrações. A praça é aconchegante, cercada por prédios coloridos e no estilo neo-clássico e tem calçada com azulejos preto e branco, formando desenhos que lembram muito as calçadas de Copacabana. A praça fica entre a Avenida da Praia Grande e a Avenida de Almeida Ribeiro.

Largo do Senado praça classica Copacabana macau

Largo do Senado praça centro Macau

Macau ainda tem a Igreja de São Domingos, a Igreja da Santo Antônio, Igreja de Santo Agostinho, o Templo A-Má, o Museu de Arte, a Casa do Mandarim, entre outros, como atrações turísticas. A cidade é pequena e a visita a estes lugares, toma de um a dois dias, dependendo do seu grau de interesse.

Igreja do Largo do Senado Macau

Cidade colonizada portugueses taipa Macau

Maaaaas, não esqueça de reservar alguns dias para relaxar nos luxuosos hotéis e curtir os mega cassinos. Na minha opinião, a parte mais divertida de Macau é Cotai. Mas sobre isso, eu conto no #DestinoChina da próxima semana. 😀

Zài jiàn

16 dezembro, 2015
Destino China | Sete Dias no Tibete (parte 2 – lago Yamdrok e Monte Everest)
Destino China
Depois de três dias incríveis em Lhasa, partimos para mais uma aventura pelo Tibete. No quarto dia, pegamos a estrada cedinho, dirigindo rumo ao sudoeste, 350 km até a próxima parada: Shigatse. A segunda maior cidade do Tibet é nosso ponto de parada. No caminho, muitas subidas, até passar por Gyantse (cidade) e pelo estonteante Yamdrok Yumtso Lake. O lago é muito bonito, com uma cor azul turquesa e não dá vontade de parar de tirar fotos. Os tibetanos o consideram um dos quatro lagos sagrados do Tibet e, com certeza, é uma das paisagens mais bonitas da viagem.
 yamdrok lake visual perfeito lago

visual montanhas yamdrok lake lago tibete

Yamdrok Yumtsu Lake lago sagrado tibete

Yamdrok Yumtsu lake lago azul turquesa tibete

mastiff tibetano cachorro montanhas tibete

Tibetanos Shigatse Tibete

No caminho encontramos um dogão mastiff tibetano, que parece uma fera, mas era dócil demais e alguns locais muito amigáveis.
.
No dia seguinte, partimos para o ponto máximo da viagem: o EBC (base camp do Monte Everest). O plano era dormir no pé da montanha, no último ponto do lado tibetano, onde é possível ir sem ser escalador profissional. Dessa vez, decidi não escalar :) Para irmos lá, mais uma autorização com a polícia local e 350 km de estrada. Aliás, diga-se de passagem, a estrada foi uma surpresa muito agradável, nova e bem conservada. Muito segura. No início da tarde, já se avistava a cadeia do himalaya com todos seus picos nevados e o grande astro, o imponente Everest. O base camp fica a 5.200 metros acima do nível do mar, o ar falta, dá aquela sensação estranha, mas o visual e a energia do lugar compensam, que dia! Sensação indescritívelmente boa estar com meus pais nesse lugar. Como falei anteriormente, a intenção era dormir no acampamento ao pé da montanha, mas estava tão frio e ventando que o acampamento estava fechado. Fomos dormir no EBC Tent Guest House, o único lugar para ficar hospedado. Ali as camas eram simples, muitos edredons e saco térmico de dormir. Mas nada de aquecedor. E olha que chegou a fazer -17°C (menos 17!) na madrugada!! Acho que nunca passei tanto frio na vida!

Monte Everest ponto alto neve montanha

base camp monte everest tibete nepal

Monte Everest Tibete Nepal montanha neve ponto alto
.
monte everest alpinista tibete
.
Neste dia, para fechar com chave de ouro, uma ótima surpresa: o restaurante com fogão a lenha e vários turistas reunidos, conversando e bebendo vinho, muito astral.
No dia seguinte, mais queixo caído com o visual do ponto mais alto do mundo. Muitas fotos e uma visita ao Monastério RongPhu, o mais alto do mundo (ainda em atividade) e com vista das montanhas.
monasterio alto mundo Rong Phu tibete
.
Hora de voltar até Shigatse, recarregar as baterias e no dia seguinte partir para o longo caminho até Lhasa. Foi uma viagem inusitada e muito legal, conhecendo e passando por lugares bem remotos e convivendo com um povo muito calmo, religioso e humilde, que mantém suas crenças e tradições. Superou as expectativas. Até a próxima!
08 dezembro, 2015
Destino China | Sete dias no Tibete (parte 1 – a capital Lhasa)
Destino China
Finalmente, finalmente, o post tão esperado sobre o Tibete!! Para falar sobre esse lugar tão inusitado, o blog recebeu um colaborador muito especial – meu noivo/(futuro) marido, Rodrigo, que fez uma viagem incrível ao Tibete. Eu não pude ir, pois estava no Brasil resolvendo umas pendências e, principalmente, porque só é permitido grupos de até três brasileiros por vez, na região (ele explica melhor no post). Mas depois de ter lido o relato dele e visto as fotos do lugar, eu confesso que me arrependi de não ter ido :/ Confere só a primeira parte da viagem:

Destino China Sete dias no Tibete

Qual a primeira ideia que vem à cabeça ao se mencionar o destino “Tibet“? Sem dúvida, os primeiros conceitos são os de um lugar místico, cheio de história, política e acima de tudo religião, especialmente o budismo. Além disso, as montanhas dessa região, talvez pela distância e dificuldade de logística, dão à sensação de ser uma viagem longe do alcance da galera do mundo ocidental.

Morando há quase dois anos na China, uma das minhas metas é aproveitar a oportunidade e desbravar essa cultura e as províncias e cidades chinesas e por isso, muitos lugares nesse país incrível e maluco me atraem, e a terra do Dalai Lama, por toda sua misticidade, com certeza é uma delas. Por isso, resolvi aproveitar a visita dos meus pais ao país e, nas minhas férias, levá-los para esse lugar único e diferente. Um presentão para eles e para mim, uma viagem incrível, cheia de surpresas e lugares indescritivelmente lindos.

Nossa viagem foi planejada para o final de outubro, quando os preços estão mais em conta, o frio ainda não chegou com tudo e os pontos turísticos não estão cheios.
Começamos por Lhasa, a capital do Tibet e cidade com o maior número de voos da China. Pegamos um voo de Chongqing vindo de Xiamen, nossa cidade de partida. Várias empresas chinesas voam de e para Lhasa e ainda há a opção de ir de trem, num vagão com dormitório. Porém, a viagem é longa. Partindo de Beijing, por exemplo, são duas noites no trem. Há ainda a opção de pegar o trem no meio do caminho, mas não queríamos perder tempo dormindo dentro de um vagão.
.
Para ir ao Tibet, um capítulo à parte, é a preparação da viagem. É necessário uma autorização específica das autoridades locais que é requisitada já no embarque da viagem e, além disso, é preciso contratar uma agência credenciada que irá agendar e informar os tempos e as datas de visita. Com todo esse “pano preto” para se chegar lá, pesquisamos e optamos pela Explore Tibet, do agora meu amigo Kalsang. Recomendo.
.
No primeiro dia, mesmo com dor de cabeça e outros sintomas por causa da altitude (Lhasa fica a mais de 3.500 metros acima do nível do mar), fomos dar um giro pela cidade e a primeira parada foi no Barkhor Circuit, onde está o Jokhang Temple, um dos pontos mais antigos e históricos de Lhasa e um dos três circuitos da cidade que são percorridos no sentido horário pelos budistas. Tudo é feito no sentido horário pela crença deles, desde as visitas nos templos até o jeito de girar os vários sinos tibetanos espalhados pela região. Como pra mim, a gastronomia e o happy hour são partes importantíssimas de qualquer trip, seguindo meus “estudos”, nosso fim de tarde foi no House of Shambhala, um boteco com decoração bem tibetana com um cardápio farto de opções indianas, nepalesas e locais, claro. Lugar bacana e com um terraço com vista para as montanhas, vale a passada lá. Falando nisso, cerveja no Tibet é a Lhasa Bier, bem honesta e de 10 a 15 RMB nos bares. Pra China, de graça.
Lhasa Tibete barkhor center
.
Tibete lhasa povo budismo
 .
Tibete Lhasa peregrinaçao reza agradecimento templo budismo
.
Tibete Lhasa sinos templo sentido horario
.
jokhang temple temple Lhasa
Tibete Lhasa vista do templo montanhas
Segundo dia cedinho fomos para um dos highlights da viagem, especialmente para minha mãe: o Potala Palace, antiga casa do Dalai Lama, filmado inúmeras vezes no filme “Sete anos no Tibet” que nós reassistimos antes de pegar o avião, para aumentar ainda mais a empolgação com a viagem e a moral dos turistas. Acho muito legal ver filmes que tenham a ver com a viagem. E foi bem bacana ver de perto os lugares onde eram feitas às cerimônias, no filme, e reconhecer alguns cantinhos pessoalmente. O palácio é cheio de energia, enorme, com mais de mil quartos e cheio de altares e estátuas do budismo. Escadarias pra tudo quanto é lado e lá do topo, uma vista incrível da cidade. Sem dúvida o melhor passeio de Lhasa. Prepara-se para subir muitos degraus e lutar contra a falta de ar, devido a alta altitude.

Potala Palace Dalai Lama palacio Tibete Lhasa

Viagem Tibete Lhasa Potala Palace

Escadaria Potala Palace Dalai Lama

Escadas do Potala Palace Lhasa Tibet
Tibete Potala palace vista do palacio montanhas
.
Palacio de potala iluminado
No nosso terceiro e último dia em Lhasa, nosso guia nos levou em dois monastérios: o Sera Monastery, do século 15 e o Deprung Monastery, que chegou a ter mais de 10.000 monges na época áurea do Tibet e foi a residência do Lama antes do Potala Palace. Mais uma vista sensacional da cadeia de montanhas e da cidade, que cresce em ritmo acelerado desde a incorporação à China. O Nima, nosso guia, explicava todas as fotos, estátuas altares e seus significados. Uma religião muito rica em detalhes, Santos, crenças e histórias e que tem uma ligação enorme com a Índia, de onde foi trazida.
 Sera Monastery monasterio Lhasa Tibete

Sera Monastery monasterio montanhas

Monasterio monges vida no Tibete Lhasa

decoração monasterios budismo

Como curiosidade, era dia de pintura no monastério e no Potala, e a “tinta” era uma mistura de leite, iougurte de yak (um boi próprio da região) e açúcar. Tudo material doado e jogado de balde por centenas de voluntários e monges. Finalizamos um ótimo dia com um happy hour num boteco estrangeiro chamado Dunya. Cervejas belgas e cardápio de western food a preços honestíssimos. Boa pedida! A viagem continua ainda mais emocionante no próximo #DestinoChina. Até lá!