21 julho, 2017
Shanghai Calling | Comédia romântica sobre a vida de um estrangeiro na China
DICAS, LIFESTYLE

O desafio de se mudar para um país como a China pode ser assustador para muita gente. Assim como foi para Sam Chao.

É verdade que a vida de um expatriado recém chegado na China pode não ser muito fácil, especialmente quando estamos falando da cultura, do idioma e das tradições do país. Num primeiro momento, tudo parece tão diferente e até estranho para nós. E Shanghai Calling ou O Chamado de Xangai, evidência exatamente isso: em meio a um enredo de comédia romântica clichê, o filme mostra, de forma divertida, os choques culturais que sofre um ocidental quando chega ao maior país do mundo. Sam Chao, na verdade, é o personagem vivido por Daniel Henney, um americano moderno que mesmo sendo de descendência chinesa, nada sabe sobre a China e muito menos sobre a cultura do país. Advogado de Nova Iorque, ele é transferido por seus chefes para fazer negócios em Shanghai e embarca para a China, totalmente contrariado, mas na esperança de cumprir o seu dever e ser promovido quando voltar à sua cidade natal nos Estados Unidos.

Shanghai Calling filme cultura China

Já no aeroporto de Shanghai, ele conhece a também americana Amanda (Eliza Coupe). Ela é responsável pela recolocação de expatriados na cidade e apresenta Sam à comunidade de Americatown (uma espécie de Chinatown ao contrário) e à dois expats americanos que tornam-se seus amigos ao longo da trama (um deles vivido por Bill Paxton). Na sede de sua empresa em Shanghai, Sam conhece sua assistente chinesa Fang Fang e o seu principal cliente – um americano que o procura pedindo ajuda para tratar de assuntos legais com um empreendedor chinês. É a partir daí que a história começa a se desenrolar e os problemas começam a surgir. Sam não faz o menor esforço para compreender e aceitar os costumes locais, o que torna os problemas ainda maiores – e o filme mais engraçado.

Mas deixando um pouco da história em si de lado, os confrontos do personagem principal com a cultura local e os “perrengues” que ele passa ao chegar na China são os fatos que deixam o filme mais interessante e divertido. E não há como qualquer estrangeiro que tenha se mudado para a China não se identificar com as situações que ocorrem no filme.

Algumas cenas são impagáveis, como: quando Sam dá de cara com a empregada doméstica (chamada em chinês de ayi), dentro de seu apartamento, e ela, sem qualquer descrição, desanda a falar em mandarim sem parar, enquanto ele não entende nada; e quando ele discute horrores com o taxista achando que ele está querendo tirar vantagem sua por ser estrangeiro e não falar o idioma, mas no fundo ele só está tentando ajudar; e a melhor: quando um chinês marca de encontrar Sam em um restaurante comum de comida chinesa e a cada momento senta um chinês na mesa deles, na maior cara dura e com um pote de noodles para comer. E Sam ainda fica preocupado que alguém ali poderia estar entendendo sua conversa secreta, sendo que ninguém sequer sabia falar inglês. Ok, falando assim até parece não ter muita graça, mas quem nunca passou por isso na China? Fazer uma simples pergunta em mandarim e receber uma resposta de 5 minutos, em que você não compreende absolutamente nada? Ou ter que lidar com a falta de privacidade do chinês que gosta de se intrometer em qualquer situação sua? Quando você se identifica e se dá conta que passou pelas mesmas situações do americano no filme, é inevitável segurar a risada.

Essas são situações engraçadas que a maioria dos estrangeiros na China já sentiu na pele… mas também há cenas interessantes que retratam mais detalhes da cultura chinesa. A importância de dar e receber o cartão de visitas com as duas mãos (assim como o dinheiro, o troco, a nota fiscal…) e o modo como os jovens chineses são recebidos pela família da amada, são algumas particularidades culturais mostradas no filme. E além da história, que tem seu toque divertido e charmoso, é importante destacar as cenas capturadas em Shanghai, que mostram uma cidade moderna (repleta de prédios arranha-céu), o The Bund e a Pearl Tower (dois dos principais pontos turísticos) e ainda o lado humilde e tranquilo dos locais.

O filme de Daniel Hsia, é de 2012, mas não deixa de ser bem atual. Pois acredite, todas as situações curiosas (algumas no mínimo, engraçadas) que Sam vive ao chegar na China, qualquer estrangeiro recém chegado ao país estará sujeito a passar. Até porque nada muda muito em cinco anos. No caso de Shanghai, “apenas” algumas dezenas de prédios gigantes a mais, para completar o moderno e grande horizonte da cidade. Um filme leve, engraçado e com toque de romantismo, que faz o telespectador mergulhar no entendimento de como pode ser a vida de um estrangeiro nessa louca e curiosa China.

shanghai calling comedia romantica china

Separa o saco de pipoca, acessa o filme no Netflix ou baixa no Youtube, pois vale a pena! Depois me contem o que acharam 😀

Zài Jian!

 

SaveMe!
19 junho, 2017
Intercâmbio na Austrália | Estudando Inglês em Sydney
Austrália, DICAS, VIAGENS

Desde novinha tenho o desejo de morar fora do país. O destino acabou me trazendo para a China, mas até então minha primeira opção era a Austrália. Quem nunca ouviu falar de um amigo ou amigo de amigo que largou um bom emprego no Brasil para estudar e tentar a vida na terra dos cangurus?! Acredito que esse destino seja tão popular entre os brasileiros em função das praias, das belas paisagens e do lifestyle australiano e também pelo clima e pela cultura serem consideravelmente semelhantes aos do Brasil. Além disso, a Austrália tem alguns bons plus que são a segurança, a qualidade de vida e a infraestrutura.

Desde que vim morar na China, meu conhecimento de inglês melhorou consideravelmente. Mesmo que no dia a dia a gente mal se depara com chineses que saibam falar o idioma, a convivência com estrangeiros e o fato de assistir programas de TV e notícias em inglês não deixam de ser ótimos meios para improvisar. No fim das contas, a gente acaba aprendendo através do listening. O lado negativo é que deixamos a gramática um pouco de lado e ficamos sujeitos a cometer vários erros gramaticais. Pensando assim, decidi que era hora de desenterrar aquela vontade que vinha desde os meus tempos de adolescente e me dedicar a um curso de inglês num dos países onde a educação é considerada de excelência.

Como esse era um desejo meu desde que eu tinha, sei lá, uns 16/17 anos, eu achava que fazer intercâmbio na Austrália fosse coisa de garotada super jovem, recém saídos da escola, sabe?! Mas para minha surpresa, a média de idade dos alunos da escola onde estudei é de 25 a 35 anos. Tem alguns alunos de 40 e conheci até uns estudantes na faixa dos 50, o que eu achei muito legal, afinal, nunca é tarde para pararmos de estudar.

SYDNEY intercambio ingles Harbour Bridge Opera House

• O PRIMEIRO PASSO

Na minha opinião, a primeira coisa a fazer é entrar em contato com uma agência de intercâmbio, de preferência, já com a cidade da Austrália que você gostaria de morar em mente. Paralelamente, sugiro pesquisar as opções de escolas de idiomas presentes nessa cidade para já ter uma ideia de quais te agradam mais. No caso das principais cidades da Austrália, como Sydney, Canberra, Melbourne, Gold Coast e Brisbane, há diveeeersas opções de escolas.

Fazer todos os trâmites iniciais através de uma agência de intercâmbio é fundamental, pois eles te fornecem sugestões de escolas e orçamentos, ajudam com o visto, orientam quanto aos esquemas da viagem e acomodações e podem te dar suporte caso você precisar, quando estiver lá do outro lado do mundo. E o valor que você paga de taxa para a agência é muito pequeno se comparado com o tempo e com as preocupações que você deixa de gastar e ter.

Mesmo morando na China, eu fiz tudo através da Australian Centre, uma agência de intercâmbio do Brasil. Não tenho o que reclamar deles, pois sempre foram prestativos e respondiam os emails com agilidade. Mas deixo como sugestão outras opções de escolas de intercâmbio no Brasil que são especializadas em levar estudantes para a Austrália e também Nova Zelândia, tais como: Hello Austrália; World Study e; Ozzy Study Brazil.

Outra dica legal é que várias escolas de idiomas tem sede em mais de uma cidade australiana. Geralmente o aluno pode começar estudando em uma cidade e continuar o curso na mesma escola, porem em local diferente e assim experienciar o estilo de vida em diferentes lugares da Austrália.

• VISTO

duas opções de vistos mais comuns nesse caso: o de turista e o de estudante.

Com o visto de turista, que tem duração de um ano e é de múltiplas entradas, é possível estudar durante três meses na Austrália. Depois, você deve sair do país, mas quando retornar, pode voltar aos estudos por mais três meses. Mas claro que nesse caso, seria melhor ter logo um visto de estudante. Além disso, o visto de estudante permite que você trabalhe por até 20 horas por semana. A grande maioria dos brasileiros que vai para a Austrália com o objetivo de ficar por mais tempo, solicita o visto de estudante.

Como meu curso seria de curta duração (optei por seis semanas), tirei o visto de turista. Meu visto, particularmente, demorou mais que o normal para ficar pronto, já que sou uma brasileira que reside na China, então tive que providenciar mais documentos que o “geralmente necessário”. Segundo a agência me informou, o visto de turista demora em torno de três semanas para ficar pronto, enquanto que o de estudante pode demorar de um a três meses. Mais informações quanto aos tipos de visto e valores, a agência de intercâmbio é a mais indicada para te orientar.

• O CURSO

Bom, a Australian Centre me passou sugestão e orçamento de cinco escolas de intercâmbio em Sydney (Langports, Greenwich, Kaplan, Embassy e ILSC) mas desde o início eu estava inclinada a me inscrever na Langports Language College, que tinha sido indicação de uma amiga e também por ser bem rankeada entre as escolas de idiomas do país. Dois dos pontos que mais me agradaram na Langports foi a metodologia de ensino e o fato de você pode começar o curso de inglês geral em qualquer segunda feira do ano (que na verdade também ocorre em outras escolas de inglês do país).

A Langports oferece todos estes cursos de inglês, sendo o UFO (referente ao General English) o mais procurado, além do IELTS e Cambridge. No caso do UFO, o aluno terá diferentes classes para cada skill – writing, listening, reading e speaking e poderá estar em um nível diferente em cada habilidade. Por exemplo, o aluno que sabe ler inglês melhor do que falar, ficará em um nível mais alto na classe de Reading do que na de Speaking. Compreende? Os níveis vão do 1 ao 6, sendo que o 1 é para iniciantes e 6 é o avançado.

No primeiro dia, é feito um teste de nivelamento referente a cada uma dessas skills. Portanto, são quatro testes diferentes no total. Os resultados são avaliados pelos professores e o aluno é direcionado ao nível de acordo com o seu conhecimento.

A primeira semana de aula costuma ser a semana de teste, para ver se o aluno se adapta ao nível de ensino, se estiver muito fácil pode passar para um nível acima ou mudar para um nível anterior, caso tenha dificuldades. No meu caso, comecei no nível 4 do UFO (General English) e logo mudei para o nível 5 . Geralmente, o tempo de permanência em cada nível é de oito a dez semanas, até passar para o nível superior. No meu caso, como sou o tipo de aluna nerd, que vai para estudar e aprender mesmo (afinal é o meu dinheiro e meu conhecimento que está em jogo) depois de três semanas no nível 5, mudei para o curso de Cambridge, com a permissão do meu professor, claro. Os cursos de Cambridge e IELTS são turmas fechadas, o professor é sempre o mesmo e a metodologia é um pouco diferente (não tem classes de habilidades específicas como acontece no General English). No de Cambridge ainda há bastante revisão de conteúdo, já o IELTS é mais focado nas técnicas para se fazer um bom exame, portanto indico apenas para quem quiser prestar o exame do IELST e claro, já tem um bom nível de inglês.

Na parte da tarde tem as chamadas Optional Classes, em que o aluno pode escolher a aula que irá participar de acordo com o assunto. Eu fiz aulas de Conversation, Business and Administration e Optional for IELTS. E para quem não cansou de estudar, ainda tem os Workshops. O mais popular entre os alunos é, com certeza, o de Aussie English and Slangs, em que o professor ensina gírias e expressões usadas pelos Australianos.

Sobre a Langports: a sede de Sydney tem boa infraestrutura e localização. Os professores são super gente boa. Ensinam, mas não cobram muito dos alunos. Não surpreendente, a maioria dos alunos são brasileiros, o que é um problema para quem vai lá para aprender inglês, porque querendo ou não, da porta pra fora, as conversas acabam sendo em português.

Quanto ao tempo de estudodepende muito do objetivo de cada um e do budget também. Eu fiquei apenas seis semanas, mas há muitos alunos que estudam quatro, seis, oito meses… Tem alunos que chegam lá sem falar nada de inglês e saem já sabendo desenvolver uma conversa inteligente com nativos da língua.

Australia Intercambio ingles SYDNEY

• TRABALHO

A grande maioria dos brasileiros que vai para a Austrália estudar, também trabalha. Afinal, se manter em uma cidade com altos custos de vida como Sydney, por exemplo, não é fácil. O que muitos não sabem é que, provavelmente, nossa experiência no Brasil não conta pontos na hora de arranjar um bom trabalho no país. A grande maioria faz trabalho braçal ou labor work. Começa como faxineira, garçom, ajudante de cozinha, ajudante de pedreiro, controlador de trafego, barista, etc… Dizem que os trabalhos braçais que mais pagam bem são como babá e controlador de trafego, que paga de 25 a 30 AUD por hora. Ambos exigem curso preparatório que é feito na Austrália mesmo, basta se informar com a sua agência de intercâmbio. Vale ressaltar que é bem comum montar um currículo diferente para cada tipo de vaga a qual você se candidatar. Ou seja, um currículo para a vaga de garçom, outro para a vaga de controlador de trafego…

• ACOMODAÇÃO

Viver na Austrália, especialmente em Sydney, não é barato… mas há solução para driblar os preços altos. Minha sugestão é viajar para o país já com a acomodação reservada para os primeiros 10, 15 dias. E de lá pesquisar uma moradia para passar o resto da sua estadia. Por que aí você já estará familiarizado com a cidade e provavelmente terá dicas valiosas de amigos e colegas que já moram mais tempo pela área.

Na Austrália é suuuper comum as pessoas dividirem casa (e até quartos), muitas vezes com roomies que mal conhecem. Então não é nada de se estranhar quando seu amigo brasileiro contar que divide o teto com um australiano, um asiático, um europeu, ou seja lá quais nacionalidades, que acabou de conhecer. Diversidade cultural bem interessante, não?! Os Aussies usam, especialmente, dois sites para anunciar moradias ou arranjar roommates: o Flatmates.com.au e o Gumtree.com.au.

Em ambos você cria um perfil gratuitamente e pode procurar por acomodações compartilhadas ou colegas para compartilhar uma acomodação. No Flatmates é preciso fazer o upgrade e pagar um taxa caso queira enviar mensagem para os perfis fechados (aqueles que só aceitam mensagem de quem tem conta paga) ou ver o contato de alguém. O Gumtree até onde eu sei é gratuito e ainda tem oferta de empregos.

Outra opção é pesquisar através de grupos fechados no Facebook, como o Brasileiros em Sydney.

As acomodações em Sydney ficam em tordo de AUD 150 a AUD 650, mas o valor varia muito de acordo com a localização e o tipo de quarto. A média costuma ser de 300 a 350 AUD para quarto privativo com banheiro compartilhado.

Nas minhas duas ultimas semanas em Sydney, aluguei um quarto na casa de um local que achei pelo AirBnb e também pelo Flatmates. Foi a primeira vez que fiquei na casa de um desconhecido, mas o dono era tão de boa, que me senti em casa e adorei a experiência.

E por fim, qual foi meu aprendizado com essa experiência? 

A melhor possível. Sydney é uma cidade incrível para visitar e para morar. As pessoas são educadas, bem receptivas, tudo funciona, a infraestrutura é ótima, o transporte público te leva para qualquer canto da cidade e todo lugar é seguro. Isso sem falar do clima ameno, da beleza das praias, dos inúmeros parques arborizados e das incontáveis opções de cafés, restaurantes e bares. Para mim, o lifestyle do australiano é demais! Conheci lugares incríveis e pessoas do mundo inteiro, reencontrei amigos que não via a anos (como disse, muitos brasileiros em Sydney) e fiz boas amizades que pretendo levar para a vida. 

Quanto aos estudos, meu curso durou apenas seis semanas, pois como disse anteriormente, meu objetivo principal era revisar a gramática. E posso dizer que valeu a pena. Improvisei meu conhecimento, corrigi erros gramaticais que eu nem sabia que cometia e voltei para a China muito mais confiante com meu inglês. 

Australia Sydney cenario praia

Australia canguru sydney

Australia intercambio colegas ingles amizade

05 abril, 2017
Alimentos e outros produtos brasileiros na China? Sim, temos o Taobao
Compras, DICAS, LIFESTYLE, Redes Sociais

Uma das coisas que nós brasileiros mais sentimos falta quando moramos fora é a boa e velha comida típica brasileira: arroz, feijão, aquela farofa feita no capricho, guaraná gelada, o nosso querido pão de queijo, entre tantas outras coisas que são a cara da nossa terra.

Na China, até tem o Latina Grill (que eu já contei aqui), um restaurante brasileiro presente em grandes cidades chinesas que quebra um galho quando bate aquela vontade de comer um bom churrasco, com coração de galinha, polenta frita, maionese, caipirinha bem gelada e tudo que temos direito hmmm

Mas nem sempre dá pra ir né?! E também, o que fazer quando você está na China e bate aquela vontade de comer uma comida brasileira e bem caseira? Ahhh nessas horas, ainda bem que tem o TAOBAO!!

Eu já falei sobre ele aqui – o maior site de compras da China (se não do mundo), onde a gente encontra de tudo. Mas tudo mesmo! Inclusive produtos brasileiros e o melhor, produzidos no Brasil e não made in china.

Nas minhas primeiras vindas à China, a mala vinha cheia de mantimentos – tapioca, erva mate para chimarrão, feijão preto (não que na China não tenha, mas o gostinho do brasileiro é melhor) e mais um monte de coisas que não achava por aqui. Mas graças ao Taobao, hoje em dia as malas vem bem menos pesadas haha

E navegando pelo site chinês por algum tempo, cada vez mais, fui encontrando produtos com os quais me identificava. E a felicidade em encontrar comida brasileira acessível na China?! Nossa…. Então aqui vai uma listinha dos produtos brasileiros que podemos encontrar (mantive o nome das lojas em mandarim, para facilitar a busca):

巴西食品在綫 (Brazil Food Online)

Essa é a loja real oficial de produtos brasileiros. Só vende marcas brasileiras e várias coisas gostosas, como: tapioca, Guaraná Antártica, massa para pão de queijo, erva-matebatata palha, biscoito Passatempo {eu nem comia mais quando estava no Brasil, mas tive que encomendar só para matar a saudade}, paçoquinha, suco de açaí, farofa de mandioca, goiabada, cerveja Brahma e até Miojo (que eu não sei quem compraria, já que na China tem uma infinidade de tipos de noodles… mas enfim, tem!). As vezes, algumas mercadorias não tem a pronta-entrega, como é o caso da tapioca, que é um dos campeões de venda, por isso é bom sempre ficar ligado. Quando tem a pronta-entrega chega em casa rapidinho, de dois a três dias. Já comprei diversas vezes e recomendo!

Taobao loja produtos brasileiros compras china

 

巴西顶级有机绿蜂胶原

Essa outra loja também tem “Brazil” no nome (巴西 Bāxī) mas o negócio deles é outro. O principal produto é o extrato de própolis brasileiro, vendido de diversas marcas. Mas para a alegria do bom gaúcho, a loja vende cuia de chimarrão e também erva-mate (ou yerba mate, como esta descrito). Esses produtos são de origem argentina, mas na hora do aperto, é uma boa opção para quem gosta.

Alias, para minha surpresa, tem várias lojas do Taobao que vendem cuia de chimarrão, basta pesquisar por 马黛茶杯 (Mǎ dài chábēi – copo de mate).

E a fruta típica do nosso Brasil, o açaí, tem representante no site chinês. A fruta em si ainda não achei, mas sim o açaí em pó. Basta pesquisar por “acai powder” com “c” mesmo e verá que várias lojas comercializam. A marca é americana, mas claro que deve vir das terras tupiniquins.

Taobao compras açaí brasil

E por último, um alimento que não é somente especialidade brasileira, mas que tenho certeza que todo brasileiro, de norte a sul, adora. É o tal do aipim, também conhecido como mandioca e macaxeira. Aii que delícia!! Pior que nunca encontrava pra vender na China, nem nos maiores supermercados, como Carrefour e Walmart, e sentia a maior falta. Mas aí inventei de traduzir do inglês pro mandarim, pesquisei no Taobao é não é que eu achei!!? Em chinês se chama 木薯 (mùshǔ), então basta pesquisar por esse nome.

Taobao mandioca aipim comida tipica brasileira china

Mas não é só alimentos brasileiros que a gente encontra no Taobao, tem também marcas de cosméticos, como as famosas Boticário e Natura, que eu particularmente adoro! Especialmente os cremes hidratantes, super perfumados. Adorei ter encontrado essas belezinhas pelo site, pois isso era outra coisa que eu costumava trazer do Brasil. Para achar, basta pesquisar por “Boticario” e “Natura Brazil”.

Taobao cremes produtos beleza boticario china

Bom, esses são algumas coisas que eu mais sentia falta de comer depois que vim para a China. E pesquisando no site, conversando com um ali e outro aqui, acabei descobrindo onde achar. Se você conhece mais algum, sua dica será bem vinda nos comentários.

Para falar a verdade, depois que descobri o Taobao, não senti falta de mais nada nas minhas refeições. Claro que o preço dos produtos é mais alto do que os praticados no Brasil, afinal, estamos falando de produtos importados. Mas ainda assim é ótimo saber que temos a ‘quem’ recorrer quando acaba o nosso estoque, não é?!

 

05 fevereiro, 2017
Meu vestido de noiva Made in China
Beleza, BELEZA, Compras, DICAS, Look do Dia, MODA, Tendências

Hoje, três meses do dia da minha festa de casamento, estava revendo as fotos e resolvi compartilhar aqui sobre um assunto bem pessoal e especial – A ESCOLHA DO MEU VESTIDO DE NOIVA. Afinal, eu amei, muita gente amou e foi MADE IN CHINA.

Olha, vocês não sabem quanta gente ficou surpresa quando contei que mandei fazer meu vestido na China… Na verdade, eu vi diversos vestidos para alugar no Brasil e além de serem caros (os que mais gostei variavam de R$ 6mil a R$ 9 mil o valor do aluguel!), não me apaixonei por nenhum que provei. E como eu já tinha uma ideia bem clara do modelo de vestido de noiva que eu queria seria melhor mandar fazer. Como eu passo mais tempo na China do que Brasil, ficaria complicado mandar fazer um vestido no Brasil e acompanhar tudo de tão longe. Então eu pensei: por que não mandar fazer o vestido de noiva na China?

Acho que já está mais do que na hora de acabar com essa premissa de que tudo que é feito na China é de má qualidade. Até porque aquela bolsa que você pagou caríssimo ou a camiseta de marca que você comprou em Nova Iorque, podem muito bem terem sido produzidas na China.

Por aqui existem milhares de costureiras especializadas em vestidos de festas e de noivas. Nem todas são boas, claro e eu pesquisei muito, perguntei muito, pois sabia que precisava de alguém que pudesse confiar tanto na qualidade do serviço e mão de obra quanto na qualidade do material, comprometimento, prazo de entrega, etc.. São vários fatores a se analisar antes de escolher o responsável por confeccionar o modelito mais especial da sua vida.

Uma amiga que trabalha no ramo de roupas e já mora há muitos anos na China, me indicou um ateliê de noivas em Hangzhou. Entrei em contato com a dona, uma chinesa muito querida e simpática chamada Vivi, peguei um voo para Hangzhou e fui conhecer o ateliê. Claro que a maioria dos vestidos prontos que ela tinha eram bem no estilo chinês – muito tule, saia rodada cheia de camadas e até alguns modelos em vermelho, já que faz parte da tradição chinesa as mulheres se casarem de vermelho. Nada do meu agrado, mas eu já sabia que iria mandar fazer o vestido do jeito que eu imaginava.

Desde o início das pesquisas, já imaginava um modelo de vestido de noiva justo. E como estávamos planejando um casamento moderno e na praia, o modelo sereia seria perfeito para a ocasião e também para meu tipo de corpo, mignon. E tinha que ter um decote bem profundo nas costas. Acho lindo para as magrinhas e levemente sensual.

Depois de explicar como gostaria e mostrar algumas fotos, a Vivi fez um esboço do vestido e me deu algumas dicas do que podíamos mudar, para deixa-lo mais bonito e confortável. Achei ótimo que ela foi super sincera, mostrou que tinha bastante conhecimento no assunto e assim, me passou confiança. Pois além da barreira dos costumes e do idioma, afinal ela é uma chinesa e fala um inglês razoável, ela conseguiu captar minhas ideias e nos entendemos bem.

Minha outra exigência era usar renda. Amo vestido de noiva rendado e sempre sonhei com o meu assim. Ela me mostrou algumas rendas taiwanesas e além disso, eu tinha a opção de usar renda italiana ou francesa, o vestido ficaria quase o dobro do preço, mas mesmo assim sairia mais barato do que mandar fazer um vestido de mesmo nível no Brasil. Só consegui ver as rendas italianas e francesas por foto e foi difícil decidir por uma. Quando finalmente decidi, não teria mais tempo hábil para mandar a renda da Europa e confeccionar o vestido, então acabei optando por usar só rendas taiwanesas. E para falar a verdade, eu amei as rendas. As rendas de Taiwan são conhecidas pela boa qualidade, tão boas quanto a renda francesa, leves e com toque macio. Algumas partes da renda não foram costuradas no vestido, para dar um leve efeito 3D, em alta no universo dos casamentos atualmente.

No mais, ela usou três camadas de tule transparente no corpo do vestido e apenas duas na cauda, pois queria uma cauda leve e esvoaçante. A transparência é uma tendência de moda super atual e como o casamento seria durante o dia e na praia, teria tudo a ver. No dia, usei um shortinho justo de cintura alta cor da pele, para não mostrar demais. E um dos tecidos tinha um fundo de tela, o que eu achei que deu um detalhe a mais e super remete ao estilo praiano. Sobre a cauda, pedi que não fosse tão longa, pois iria usar véu na hora da cerimônia e cauda muito longa atrapalha para dançar. Na festa, prendi a cauda no vestido para aproveitar e dançar muito sem qualquer preocupação de pisarem nela. A cauda foi presa com botões transparentes que ela costurou no vestido, quase impossíveis de enxergar.

Para dar o toque final, ela usou pequenas miçangas transparentes e pérolas por cima da renda. As pérolas ficaram um charme e tem tuuuudo a ver com o clima praia, mar, romance… E ainda usei um cinto delicado para marcar a cintura e deixar a silhueta bem feminina. A renda e as pérolas dão um toque romântico ao estilo mais sexy do modelo sereia decotado. Achei na medida perfeita para meu tipo de corpo.

Para não dizer que foi tudo perfeito, no meio do caminho tivemos alguns contratempos, o vestido era como eu havia passado pra ela, mas não tinha ficado bem no meu corpo, então ela fez um novinho com todas as alterações que eu pedi. No dia da ultima prova fiquei super aliviada, estava perfeito, como eu queria. E no dia do casamento, me senti linda e muita confortável com ele.

20161105EvelynRoro_0831

IMG_0119

20161105EvelynRoro_1800

20161105EvelynRoro_2729

20161105EvelynRoro_4465

20161105EvelynRoro_4188

Bom, mas para as noivas que pensam em encomendar vestido da China, eu sugiro pesquisar bem, entrar em contato com o vendedor, perguntar sobre a qualidade do material, do tecido usado e a procedência da renda, caso tenha. As rendas chinesas costumam ser mais duras e pouco maleáveis, não se moldam no corpo. Também já vi muito vestido costurado de qualquer jeito e até manchado. Nem sempre dá pra confiar nas fotos postadas pela loja em questão, pois as vezes eles copiam o modelo de alguma marca famosa ou de alguma celebridade e divulgam fotos não autorais como se fossem deles. O modelo pode ser lindo, mas a qualidade nem tanto, por isso fique atenta. E independente se for mandar fazer o vestido de noiva na China ou em qualquer outro lugar do mundo, acho importante ter em mente o modelo que deseja, o que ficará melhor no seu tipo de corpo, pois além de se sentir linda, tem que se sentir confortável, segura e de bem consigo mesma. Afinal, esse é o SEU DIA DE ARRASAR!

Quem tiver interesse (e algumas meninas já entraram em contato comigo perguntando) vou deixar o contato do ateliê da Vivi. Ela confecciona o vestido a distância, manda fotos a cada etapa de produção e quando pronto envia para o seu endereço, inclusive no Brasil.

V2 Wedding Dress Hangzhou | WeChat ID: oranpooh (Vivi). Ps: tem várias fotos do trabalho dela no wechat e ela prometeu que vai fazer um insta, atualizo por aqui quando souber.

Essa foi a minha experiência com vestido de noiva da China e a sua?

19 janeiro, 2017
Maquiagem sem desperdícios? Conheça a “esponja” de silicone da Molly Cosmetics
Beleza, BELEZA, DICAS

Uma marca de beauty de Hong Kong, a Molly Cosmetics, lançou um produtinho que promete “revolucionar” a forma de aplicar maquiagem. É a SiliSponge, uma “esponja” de silicone que serve para espalhar a maquiagem cremosa, sem causar muito desperdício.

silisponge molly cosmetics esponja silicone aplicar maquiagem

Segundo a Molly Cosmetics, quando usamos a esponja normal ou o pincel, praticamente metade do líquido ou creme despejado na esponja é absorvido pela mesma e só a outra metade é aplicada na pele. Sendo assim, quase metade daquela sua base que custou os olhos da cara, vai pelo ralo. Preocupados com o desperdício, a marca trouxe para o mercado há alguns meses a SiliSponge, que é indicada para a aplicação de produtos cremosos e tem o objetivo de evitar o desperdício dos nossos produtos de beleza favoritos. E ela promete espalhar bem o produto cremoso ou líquido de forma uniforme e sem comprometer a cobertura. Outro ponto positivo é que o aplicador de silicone não deixa nossos dedos cheios de make como a esponjinha tradicional. Ótimo, não é!?

E a SiliSponge tem suas vantagens em relação a esponja normal não só na hora de aplicar a maquiagem, como também na hora de lavar. A mulherada que adora make e é adepta da esponjinha, vamos combinar que essa suja com muita facilidade e nem sempre limpamos com a frequência necessária. Apesar de ajudar um bocado na hora de passar a maquiagem, a esponja normal absorve muito do produto, suja facilmente, é ruim de limpar e demora para secar. Já para limpar o aplicador de silicone é só lavar com sabão neutro e água morna, secar com um pano seco e pronto, já está como nova e pronta para ser usada outra vez. Além de prática, é super higiênica.

Está a venda no site da marca, em dois modelos diferentes (um deles com glitter!), por preços que variam de $ 9,90 a $ 16,90. E eles tem entrega internacional. Mas esse produtinho, que já é sucesso na Ásia e entre as blogueiras e os profissionais de beleza do mundo todo (já li diversos reviews pela internet, desde que o produto foi lançado, no fim do ano passado), está quase sempre sold out no site da Molly (e me admiro que nenhuma outra marca tenha copiado a ideia ainda).

silisponge aplicador esponja silicone molly cosmetics beleza

SiliSponge esponja silicoone molly cosmetics glitter

Parece uma maravilha, não é?! Para quem gostou da novidade, o jeito é ficar de olho no site da Molly Cosmetics para ver quando a SiliSponge será reposta à venda. Uma outra dica que li muito por aí: para o efeito ficar perfeito é indicado aplicar o produto através de leves batidas no rosto e não espelhando de um lado para o outro.

O que vocês acharam meninas? Ansiosas para experimentar? Deixem seus comentários!

 

18 janeiro, 2017
Cingapura | Cultura e atrações turísticas
VIAGENS

Moderna, cosmopolita, multifacetada e multicultural. Esses são os principais adjetivos que definem a Lyon City, como é conhecida. Desde que me mudei para a China tinha muita vontade de conhecer Cingapura. Meu marido, que já esteve diversas vezes na cidade, sempre dizia que eu ia adorar. Ah, e não é que ele me conhece tão bem… para ser sincera, não há como não se encantar por um lugar onde tudo é bonito, bem cuidado e onde tudo funciona.

Cingapura Marina Bay Singapore flyer

A cidade-estado situado no sudeste da Ásia, definitivamente é um lugar onde há muito para se ver e para se fazer. Cingapura, talvez seja o país onde mais veremos culturas diferentes vivendo lado a lado. Para falar a verdade, a mistura de culturas e religiões foi o que mais me chamou atenção: ocidentais, chineses, indianos, árabes, malasianos e praticantes do islamismo. Cingapura é um país tropical e faz calor o ano inteiro. Por isso, é curioso ver boa parte da população com looks bem despojados como regata e short, outra parte vestindo sari (a vestimenta indiana) e uma terceira parte muçulmana, com mulheres usando roupas longas e véu ocultando o cabelo e o colo ou vestindo a burca que deixa apenas os olhos a mostra. Gente do mundo todo e cada um com suas crenças e tipos de vestimentas convivendo em harmonia e com respeito as tradições.

Dizem que cerca de 75% da população de Cingapura é chinesa e por isso, qualquer dos quatros cantos da cidade que você visite – seja hotel, restaurantes, lojas, parques… – você irá se deparar com os locais conversando em mandarim. A parte boa é que esses chineses também falam inglês. Isso porque, Cingapura foi fundada como colônia britânica em 1819 e o inglês se tornou o idioma principal. Muitos aspectos de Cingapura se assemelham à cultura ocidental. Caminhando pelas ruas da cidade, muitas vezes me esquecia que estava na Ásia e por isso, considero Cingapura um dos países asiáticos onde um brasileiro pode sofrer o menor dos choques culturais. E como todos falam inglês, raramente algum turista entrará em apuros por causa do idioma. Com certeza, é um bom destino para se começar uma aventura pela Ásia.

Desde que se tornou independente da Malásia, em 1965, Cingapura tornou-se um dos países mais prósperos e desenvolvidos e possui o porto mais movimentado do mundo. Estradas amplas e bem cuidadas, ruas limpas, transporte público moderno e acessível, segurança, educação de qualidade, arquitetura moderna, parques arborizados e uma grande variedade de atrações, bons restaurantes e vida noturna faz da cidade do Leão um dos destinos mais procurados da Ásia. E faz qualquer turista se encantar e ter vontade de se mudar pra lá na hora (eu não teria dúvidas)! Para não dizer que é o lugar perfeito, tem um único probleminha: o alto custo de vida.

Se você pretende aproveitar o lado bom que Cingapura oferece, prepare-se para gastar bem alguns S$ Singapore dollars. Mas vale a pena, pois é uma cidade-estado única. Além de sentir o clima e a mistura de culturas desse país surpreendente, segue abaixo algumas atrações imperdíveis:

Marina Bay

A região onde fica o famoso lago de Cingapura, recebe esse nome por causa do icônico Marina Bay Sands. O Marina Bay Sands é um complexo que funciona como hotel, shopping center, cassino, museu e centro de convenções e tem entretenimento para a família toda. Aquele mesmo com o topo em formato de barco e onde fica a famosa piscina de borda infinita, uma das mais altas do mundo.

Marina Bay hotel Singapore flyer roda gigante cingapura

Marina Bay sand hotel piscina borda infinita infinity pool

Ficamos hospedados alguns dias nesse hotel e além da piscina (que só é aberta para hóspedes), o que mais gostei foi a diversidade de restaurantes de chefs renomados. Muitas opções excelentes, inclusive o Bread Street Kitchen, com menu assinado pelo Gordon Ramsay, do Master Chef USA. Ou seja, só come mal quem quer… E para quem gosta de jogar, não pode deixar de ir no Cassino, situado no térreo.

Gardens By the Bay

Anexado ao Marina Bay Sands, o eco-parque de 101 hectares é um dos highlights imperdíveis de Cingapura. O jardim abriga dois enormes conservatórios, diversas árvores gigantes chamadas de Super Trees, entre outras atrações. Durante o dia o cenário é lindo, mas a noite as Super Trees se iluminam e num jogo de cores e luzes, se tornam coloridas e mudam de cores constantemente. É praticamente um show aos olhos dos visitantes.

Gardens By The Bay jardim cingapura

Gardens by the Bay Cingapura luzes coloridas

A entrada no jardim é gratuita, mas para entrar nos observatórios ou subir até a OBCB Skyway, uma passarela de pedestres que fica entre as Super Trees, é preciso pagar uma taxa. Mais informações e valores no site do Gardens By the Bay.

Singapore Flyer

Uma das principais atrações da cidade-estado é considerada a maior roda gigante do mundo. São 30 metros a mais de altura se comparada a London Eye. A Singapore Flyer foi construída de acordo com os princípios do Feng Shui e oferece uma vista panorâmica de boa parte da cidade. Além de ser um bom passeio e uma aventura para quem tem medo de altura, a Singapore Flyer contribui para deixar o skyline da cidade ainda mais mágico.

Merlion Park

O parque fica a beira do lago e é casa da estátua símbolo de Cingapura, o Merlion. Uma figura mitológica que tem cabeça de leão e corpo de peixe e quase 9 metros de altura. O leão, Singa, representa o animal avistado na região pelos primeiros imigrantes. Já o peixe remete ao tempo histórico em que Cingapura era conhecida como cidade marítima. O nome é dado devido a junção das palavras em inglês “marmeid” e “lion”. É um passeio legal para fazer durante o dia ou no fim da tarde, quando os prédios em torno do Marina Bay começam a se iluminar.

Merlion Marina Bay Singapire cingapura

Merlion park fonte leão cingapura

Cavenagh Bridge

Ainda que não seja uma das atrações tão imperdíveis assim, a imponente ponte datada de 1868 é bem interessante. Sua construção começou em 1858 e foi finalizada em 1867. Aproveitamos o passeio para tomar um delicioso café no The Fullerton, um dos hotéis mais antigos e tradicionais de Cingapura e que tem vista para a ponte. Próximo da ponte há várias esculturas de bronze retratando cenas da era colonial que valem uma olhada e alguns cliques.

Cavenagh bridge The Fullerton hotel cingapura

The Fullerton hotel cafe Cavenagh bridge cingapura

Marina Bay estatua de bronze cingapura

Clark Quay e Boat Quay

O histórico cais as margens do rio de Cingapura teve seus prédios reformados na década de 90 e hoje é uma famosa área de entretenimento para adultos. Com certeza a região mais indicada para quem curte vida noturna agitada ou procura um bom lugar para jantar. São inúmeros bares e restaurantes especializados na culinária do mundo inteiro: tailandesa, chinesa, japonesa, vietnamita, indiana, italiana, francesa, alemã, turca, americana, mexicana… só para citar algumas que me recordo de ter visto. A região do Riversides começa a ficar mais agitada no cair da noite, onde as pessoas saem em busca de um bar para reunir os amigos e aproveitar o happy hour. Na madrugada, a balada Zouk é uma das mais famosinhas da região.

O Clark Quay é boa parte a céu aberto, mas existem refrigeradores de ar gigantes por toda parte (lembrando que Cingapura é sempre quente) e os restaurantes que ficam na beira do rio oferecem uma vista linda. Especialmente a noite, quando as luzes ao redor estão acesas. E mais uma dica, o lugar é bem despojado, por isso, nada de looks muito elaborados e mulherada, podem dar prioridade às flats e rasteirinhas. O salto alto não combina muito com o ambiente.

Clark Quay restaurants bars rio cingapura

Um passeio que parece bacana é fazer o cruzeiro pelo Singapore. O pequeno barco sai do cais e os tickets podem ser comprados ali mesmo.

Bairros étnicos (Chinatown, Little India e Arab Quarter)

É claro que uma cidade tão multicultural como Cingapura teria comunidades formadas por povos de mesma etnia. A visita a cada um dos bairros é muito interessante, cada um com suas particularidades e evidências do modo de vida de cada povo. O Chinatown é o maior dos três bairros culturais, claro, já que grande parte da população de Cingapura é chinesa. O Little India tem alguns templos hindus bem interessantes e bastante frequentados pelos indianos locais e ainda um dos maiores mercados de Cingapura, o Mustafa Center. Já o bairro árabe é o menor deles, mas o que mais me surpreendeu positivamente. Há algumas mesquitas e uma das ruas mais modernas e descoladas da cidade. Estou preparando um post com mais detalhes sobre os três bairros culturais.

Praias

Cingapura é tão eclética que tem até praia, que ficam situadas na ilha de Sentosa, cerca de 20 min de carro do Marina Bay. No total, Sentosa conta com sete praias, todas construídas por trabalhadores, com areia trazida de países como Malásia e Indonésia. Mas são três praias principais e que talvez mais valem a visita: Palawan Beach, Tanjong Beach e Siloso Beach, sendo esta última a mais agitada. Há vários bares na beira da praia e alguns beach clubs. Embora as praias sejam artificiais, é notável o esforço e o trabalho tido para deixar o ambiente tão natural e relaxante. Na minha opinião, vale a pena a visita.

Siloso beach style praia sentosa singapura

Beach club siloso praia sentosa singapura

Importante avisar que é preciso pagar uma taxa para entrar na ilha de Sentosa e o valor varia de acordo com o horário de entrada e o tempo que pretende permanecer na ilha. A taxa é isenta para quem ficar hospedado em Sentosa. Para chegar lá use táxi ou metro.

Universal Studios e Resort World Sentosa

Também na ilha de Sentosa, o Resort World Sentosa é um complexo de parques, hotéis e restaurantes bem semelhante aos de Orlando. Além do Universal Studios, que tem ótimas montanhas russas e outras atrações divertidas para adultos (destaque para o 3D dos Transformers e para as montanhas-russa Cylon e a da Múmia) e também para crianças, o complexo conta com um dos melhores aquários do mundo, o S.E.A Aquarium (realmente incrível e rico em espécies marinhas, inclusive tubarões) e ainda o Adventure Cove Waterpark, um parque aquático, onde é possível nadar com os golfinhos (desembolsando alguns bons trocados a mais). Mas é uma experiência muito legal.

Montanha russa cylon universal studios cingapura

sea aquarium peixe tubarao cingapura

Ficamos hospedados alguns dias em um dos hotéis do Resort, o Hotel Michael, e realmente parecia que estávamos em um parque americano. Através do Booking, pegamos um pacote que inclui duas diárias no hotel e dois ingressos para cada uma das atrações do resort, no total, seis ingressos. Todos os parques temáticos ficam a apenas 5 minutos de caminhada dos hotéis do complexo, que ainda conta com estabelecimentos como Starbucks, Dunkin Donuts e Hard Rock Café. Outra opção é se hospedar no Hard Rock Hotel.

——————————————

Dá para se ter uma boa ideia do tanto de atrações que tem em Cingapura, não é?! Isso que nem citei alguns museus, como o National Museum ou o ArtScience Museum e nem os prédios históricos, como o Esplanade Theatre (um dos principais), pois foram atrações que não tive tempo de conhecer pessoalmente. Anota aí: duas outras atrações super populares em Cingapura são ainda o Zoológico e o Night Safari, que podem ser interessantes para você turista, mas que eu tive que deixar para uma próxima visita à cidade. Também não posso esquecer de falar da Orchard Road, uma das maiores ruas de compras do mundo. São centenas de lojas lado a lado, com certeza a melhor região de compras da cidade.

Viu só, é tanta atração que não acaba mais… Cingapura é o tipo de cidade que é preciso de 4 a 5 dias para conhecer o que há de mais interessante, mas ainda assim, se tiver condições de ficar 10, 15 dias.. sempre terá novidades para desvendar.

E a pergunta que muitos fazem: quando ir? Como na Ásia muitos países passam pela temporada de seca e a de chuva, é sempre bom prestar atenção a época do ano que está preparando a viagem. Mas no caso de Cingapura, a cidade não tem essas temporadas muito definidas. Normalmente faz calor o ano inteiro e as pancadas de chuva caem no fim de tarde. Portanto, sempre é uma boa hora para visitar a cidade do leão :)

 

21 dezembro, 2016
Dica de leitura | Laowai – Histórias de uma repórter brasileira na China
Comportamento, Cultura, Curiosidades, DICAS

Sabe quando o mundo vira de cabeça para baixo, quando você não conhece mais ninguém a sua volta, não compreende nada do que falam e o que sempre pareceu certo já não parece mais?! Foi exatamente assim que me senti quando cheguei pela primeira vez na China. Sabia que seria uma experiência MUITO diferente, mas é na vivência do dia a dia, lidando com os chineses e com a grande diferença cultural, que as coisas, até então, inimagináveis, acontecem. Ficava eu e Rodrigo nos questionando: será que isso só acontece com nós? Quem – na verdade, o que – me ajudou a responder essa pergunta foi o livro da repórter brasileira Sônia Bridi. Entitulado “Laowai – Histórias de uma repórter brasileira na China”, o livro conta as aventuras dela, do marido Paulo Zero e do filho, Pedrinho ao viverem deste lado do mundo. A família se mudou para a capital, Beijing, em 2005 para montar a primeira base da TV Globo no Oriente.

Eles moraram durante dois anos na China e o livro foi lançado em 2008, baseado nas experiências que a família viveu no país, desde situações comuns do cotidiano, como: alugar apartamento, encontrar escola para o filho, solicitar cartão bancário, se comunicar com os locais e com as autoridades, tirar carteira de motorista até os grandes choques culturais. Coisas simples, mas que na China podem se tornar uma história a parte, daquelas para contar para os filhos, netos e quem sabe, até escrever um livro – como Sônia fez. Btw, o livro não poderia ter um título mais adequado. Laowai significa “estrangeiro” em mandarim e se você for um ocidental na China, provavelmente vai ouvir alguém chamando-o assim.

laowai-historias-de-uma-reporter-brasileira-na-china-dica-livro-sonia-bridi

Em Laowai, a repórter conta de forma leve e engraçada histórias super interessantes, emocionantes e até chocantes. Muitas delas eu me identifiquei totalmente, pois já havia passado pelo mesmo. É engraçado pensar que já se passaram quase 10 anos que eles viveram na China e em uma região tão distante de onde moro e ainda hoje as histórias se repetem. Estrangeiro ter cartão de crédito em banco chinês ou celular de linha era inviável, segundo ela. E isso se estende até os dias atuais {aliás, se alguém souber o contrário, por favor, me conte}. O fato de os chineses evitarem se comprometer com respostas concretas era uma coisa que me tirava do sério no início da minha jornada por aqui e Sônia cita o mesmo. “Should be fine” era uma das respostas que ela mais escutava, nunca um “sim” ou um “não”. Alguém lidando com chineses se identifica?

Você sabia que a posição de descanso do chinês é de cócoras? Que eles preferem fazer as necessidades fisiológicas de cócoras a sentar no vaso sanitário? Que escarram e cospem nas ruas ou qualquer outro lugar público? Que eles acham super estranho cumprimentar outras pessoas com beijos e abraços? Que eles tomam água quente em qualquer estação do ano? E que as refeições são feitas em mesas redondas e giratórias e consideradas quase como um ritual sagrado? Essas são apenas algumas curiosidades citadas por Sônia e que nos deparamos no dia a dia vivendo na China. Além de outras que já comentei por aqui, como: as crianças que andam com bumbum de fora (leia mais aqui); a importância da família na sociedade chinesa e os diversos nomes dos membros familiares (aqui); o uso de sombrinhas para evitar a pele bronzeada (aqui) e; o chá visto como uma instituição (aqui). Por essas e outras situações, me admiro que em um país onde a economia é a que mais cresce no mundo atualmente, a tecnologia e a globalização invadem a todo vapor, muitas tradições milenares são mantidas ao pé da letra por tantos e tantos anos e gerações.

Além de narrar situações cômicas, Sônia conta também sobre as ameaças e dificuldades que ela e sua equipe passaram ao tentar gravar certas matérias e com o uso da internet, e ainda o preconceito que ela viveu em alguns momentos, por ser estrangeira. Situações que, felizmente, não acontecem com tanta freqüência hoje em dia. Em quase três anos de China nunca senti preconceito nenhum, pelo contrário, noto como os chineses admiram os ocidentais, seja pela estética ou pelo status que carregam. E não escondem a curiosidade quanto a nós. E isso, com certeza, torna a vivência por aqui mais leve.

Posso dizer que esse livro contribuiu para minha rápida adaptação neste país, o mais populoso do mundo e com costumes e tradições tão diferentes das nossas. Enquanto lia as palavras da jornalista, escutava a voz dela em minha mente narrando cada uma (daquele mesmo jeito que estamos acostumados a assistir no Globo Repórter) e imaginava veemente o cenário descrito por ela. Eu não só compreendi mais sobre a cultura chinesa, como também embarquei em uma viagem à cidades do interior da China, onde o povo leva uma vida muito mais simples e diferente e mantém as tradições muito mais enraizadas do que nas grandes cidades, onde nós expatriados estamos acostumados a morar. Embarquei também para a Índia, onde tive o prazer de saber sobre as experiências de Sônia ao entrevistar o Dalai Lama. E à outros países da Ásia, como Vietnã e Coréia do Sul.

laowai-livro-brasileiros-na-china-dalai-lima

laowai-livro-sonia-bridi-brasileiros-na-china

 

Eu super indico a leitura, pois além de ser um ótimo guia para os estrangeiros recém chegados ao país, esse livro tem humor, histórias interessantíssimas e muita informação sobre cultura, costumes, história, modo de vida e economia. Ela traduz em palavras humoradas como é a vida de um expatriado na China e a leitura é gostosa e fácil de compreender. Vem para a China, tem negócios com clientes chineses ou apenas se interessa pela cultura? Então já pode incluir o Laowai na sua lista de livros desejo. E boa leitura!

 

07 dezembro, 2016
Destino China | Mr. & Mrs. Bund, o melhor restaurante francês de Shanghai
Destino China, DICAS

No #DestinoChina de semana passada, falei sobre o tour gastrônomico (de-li-ci-oso) que fiz por Shanghai recentemente (veja aqui). Mas a verdade é que estava guardando o melhor para hoje – um post sobre o restaurante francês mais conceituado da cidade. O Mr. & Mrs. Bund Modern Eatery não só é considerado o melhor francês de Shanghai, como também foi eleito um dos 50 MELHORES RESTAURANTES DO MUNDO, em 2012 e 2013 e desde 2012 está na lista dos 50 MELHORES RESTAURANTES DA ÁSIA!

O renomado chef Paul Pairet é quem está a frente do restaurante que, como o próprio nome diz, fica localizado no The Bund – a região mais turística de Shanghai. E claro, de lá temos uma vista linda para a Pearl Tower, para o Rio HuangPu e para todos os prédios modernos e incríveis de Pudong.

No MM Bund você encontrará um ambiente chic e elegante, porém relaxante. Mesas tamanho família, poltronas exuberantes e um bar com clima intimista. O pequeno terraço é um dos melhores spots da região para apreciar a vista do The Bund e tirar aquela foto-recordação com a Torre de Pérola ao fundo. Segundo Paul Pairet comentou em entrevista para o site Design Ride, o ambiente do restaurante foi arquitetado pensando nas sensações, não só gastronômicas, mas também visuais, com o intuito de prender o olhar do visitante em cada detalhe.

Durante o dia, a luz solar suave deixa o espaço mais leve e descontraído. Á noite, a iluminação é mais intimista, tornando o lugar mais elegante e romântico.

São quatro ambientes diferentes que conversam entre si. Destaque: para a longa mesa alta que está posicionada próxima da entrada até o bar, onde os clientes podem tomar seus aperitivos ou fazerem reuniões e eventos casuais; para as mesas grandes redondas que comportam confortavelmente até 12 pessoas, em uma área semi-privada e; também para as mesas de dois a quatro lugares próximas das janelas, onde é possível degustar sua refeição com a vista linda do Bund.

mr-mrs-bund-restaurante-frances-jantar-shanghai-xangai
mr-mrs-bund-restaurante-frances-shanghai-xangai-chic Fonte: Charlie Xia

O menu é bem generoso, com mais de 200 opções de pratos, bons drinks e excelentes vinhos. Há sugestões bem diferentes e criativas. Segundo indicação da casa, os pratos mais populares são: foie gras com avelã; pão trufado; salada de tomate com mozzarella di bufala; escargots; pernas de sapo; ostras; jumbo shrimp com citrus (camarão cítrico); black cod in the bag (bacalhau cozido em um saco); lagosta; scallops (vieiras); cordeiro e; costela. Para falar a verdade, são tantas delícias que fica difícil escolher o que pedir. Mas para a nossa alegria, um dos conceitos do restaurante é exatamente este: compartilhar os pratos. Ou seja, pedir vários e dividir entre os companheiros de mesa, tipo family-style.

Um dos meus favoritos é o Black Cod in the Bag, em que o bacalhau é preparado dentro de uma saco plástico com molho cantonês, que tem gostinho de laranja. O saco é aberto quando chega a mesa e o peixe fica com sabor leve, muito bom. O foie gras e as vieiras também são boas pedidas. Para acompanhamento, amo o purê trufado, o pão trufado e o risoto trufado. Afinal, qualquer prato trufado é maravilhoso, não é?!

cod-peixe-bacalhau-restaurante-frances-xangai

mm-bund-restaurante-frances-shanghai-culinaria

peixe-bacalhau-prato-restaurante-frances-xangai-china

mr-mrs-bund-shanghai-restaurante-frances-vinho

E também tem os Set Menus, que variam de RMB 488 a RMB 2088 por pessoa (cerca de USD 75 a USD 320). O menu completo, com descrição dos pratos e valores esta aqui.

O MM Bund também é considerado o primeiro restaurante de Shanghai que emprega o conceito de late-night dining. Ou seja, de quinta a sábado a cozinha funciona até as 2 horas da madrugada. A partir de certo horário as luzes ficam ainda mais baixas e o dj assume o comando com músicas no estilo pop lounge, bem agradável.

O atendimento é ótimo, os garçons falam inglês bem e costumam explicar como é feito cada prato mais exótico. Para não dizer que é tudo perfeito, em contrapartida, as porções são pequenas e os preços um pouco salgados. Mas estamos falando de um renomado restaurante francês localizado numa das regiões mais famosas de Shanghai e vamos combinar que, francês é conhecido por servir pratos pequenos, mas sempre caprichados e saborosos.

Endereço: Bund 18, 6/F – 18 Zhongshan Dong Yi Lu, near Nanjing Dong Lu, Shanghai | 中山东一路18号6楼, 近南京东路    

Importante fazer reserva: pelo site mmbund.com ou fone +86 (21) 6323 9898 ou reservations@mmbund.com 

É uma ótima opção para quem quer comer bem enquanto estiver em Shanghai ou para surpreender amigos, parentes ou outro alguém especial. Incrível como sempre que vou lá encontro algum brasileiro, todos adoram, é unanimidade. Por esses motivos que este foi o lugar que escolhi para comemorar meu último aniversário, tão bom…

Gostou? Deixe seu like ou seu comentário…

05 dezembro, 2016
Taobao | O maior site de compras (baratas) da China
Compras, DICAS

Se você anda por esses lados da Ásia, certamente, já ouviu falar do famoso site de compras chinês. Se ainda não ouviu, precisa conhecer… O Taobao é o Amazon da China, mas com milhares de produtos muito mais baratos.

O site comercializa de tudo, mas TUDO MESMO! Tudo o que a sua imaginação lhe permitir idealizar, tem no Taobao: vestuário infantil e adulto, roupas de esporte, sapatos, bolsas e acessórios, itens para pets, itens domésticos e de decoração, móveis, eletrônicos, eletrodomésticos, alimentos, bebidas, brinquedos, livros, flores, produtos importados (e os falsificados também!) e mais uma lista de coisas que não acaba mais. Alguns de qualidade, outros nem tanto. Já ouvi falar que são mais de 700 mil itens cadastrados no Taobao. Se esse número está atualizado, eu não sei, mas é muito coisa. Qualquer um pode se cadastrar, tanto como comprador quanto como vendedor. Ele permite que você receba suas compras na porta de casa e ainda paga menos por isso.

taobao-shopping-online-china-site-de-compras-vendas

O Taobao pertence ao mesmo grupo que o Aliexpress e Alibaba e o idealizador de todos esses sites é um dos chineses mais ricos do país. Pudera, né.

O site é todo em mandarim, mas uma vez que você faz o cadastro, insere o seu endereço e descobre os caminhos, é muito simples fazer o pedido e efetuar a compra. Eu faço tudo pelo aplicativo, pois facilita muito a vida. E isso, na verdade, é um perigo (para o bolso), pois enquanto você pesquisa uma determinada coisa, na lateral ou abaixo aparecem os “itens sugeridos” e de repente você lembra que precisa de mais coisas e assim vai indo até virar uma bola de neve. Eu confesso: sou viciada no Taobao (assim como a maioria dos chineses). Vivo pesquisando coisas para comprar e meu carrinho de compras já chegou ao limite dos 99 produtos diversas vezes #shameonme

Taobao site compras opine China shopping

Para falar a verdade, depois que descobri o Taobao, raramente vou ao supermercado, pois encomendo quase tudo pelo site. Gosto de ter uma alimentação saudável e muitas das coisas que dificilmente encontro nos supermercados nacionais da China (produtos glúten-free, sem lactose, arroz integral, oleaginosas naturais, alimentos fitness…) acho tudo no Taobao. Boa parte da minha casa no Brasil foi montada com coisas que comprei pelo site e levei na mala da China para o Brasil (papel de parede, pia, torneiras, decoração…). Já ouvi falar de gente que mobiliou e decorou sua casa inteira só com coisas do Taobao. Já conheci noiva que comprou o vestido do casamento pelo site, e vizinho meu que comprou até moto. Se duvidar, tem até chinês anunciando a mãe, ou mãe anunciando filho para casar.

Também já não compro mais uma coisa de primeira quando vou a uma loja. Primeiro tiro foto e jogo no Taobao para ver se encontro algum produto parecido por preço mais baixo. Alias, isso é outra maravilha do site: é possível tirar foto dentro do aplicativo ou fazer o upload de uma foto no site, que o próprio faz o reconhecimento e te revela as opções à venda. Abaixo, eu fiz o upload de uma foto com uma bolsa preta da Chanel e o site me trouxe todas as bolsas semelhantes. É ou não é uma mão na roda!?

Taobao site de compras china pesquisa bolsa chanel

Mas antes de qualquer compra, gosto de enviar uma mensagem pelo chat para o vendedor, para ter uma ideia da seriedade do mesmo. Verificar se este é de confiança, perguntar quantos dias demora a entrega, coisas simples. Geralmente os vendedores só falam mandarim, então para aqueles que não sabem escrever, sugiro pedir ajuda pro nosso amigo Google Tradutor. Ou vá no inglês mesmo. Se o vendedor estiver afim de vender, ele com certeza, responderá.

Outra dica boa é: pesquise produtos não só em inglês, mas também em mandarim (digita o que você procura no Google Translate e copia pro Taobao), pois os produtos com descrição em mandarim costumam ser mais baratos do que os com descrição em inglês. Pesquise de ambas maneiras e compare preços. Ou como eu comentei aqui em cima, tire foto pelo app do produto que você deseja e ele te mostra as opções.

Também não dá para se iludir tanto. Se encontrar algo extremamente barato, desconfie da qualidade (especialmente roupas). Sempre procure pela pontuação do vendedor e leia os comentários de quem já comprou de cada loja. Eu faço isso – copio os comentários em mandarim e jogo no tradutor (nesse caso faço pelo site do Taobao, pois pelo app não consigo selecionar os comentários). Dessa maneira, consigo descobrir se o comentário é positivo ou negativo. Já me livrei de alguns vendedores ruins fazendo isso. O mais engraçado é que já encontrei fotos da Adriana Lima, Tássia Naves e várias blogueiras de moda e modelos famosas com seus looks sendo vendidos no Taobao. Cópia, claro. Mas vai saber se a qualidade da roupa é a mesma, se a costura é boa… Quando encontrar algum produto em que a foto seja retirada da internet, geralmente, não dá para confiar na qualidade da peça.

A má notícia para quem não está em terras chinesas, é que o Taobao só entrega na China e em alguns países da Ásia, como Cingapura, Coréia e Japão. Já ouvi falar de alguns “sites agentes” que traduzem o conteúdo do Taobao para inglês (e até para o português) e enviam os produtos para mundo inteiro. Claro que eles cobram uma taxa em cima do valor total do produto. Não citarei nenhum aqui, pois nunca usei e não sei se são confiáveis. Mas basta digitar “how to buy on taobao” no Google, que vários desses sites aparecerão como resultado da pesquisa.

Você pode pagar suas encomendas com cartão de crédito Visa e Mastercard. Mas para comprar pelo Taobao da maneira mais fácil, é bom criar uma conta no Alipay (支付宝 | Zhīfùbǎo), que é um serviço de pagamento semelhante ao Paypal (já viu que os chineses tem os mesmos “facilitadores-de-vida-digitais” que os americanos, mas na versão deles). O Alipay agora tem sua versão em inglês, o que ajuda muito nós expatriados. Aliás, não existe app melhor do que esse para quem vive na China (depois do VPN, claro). Eu não saio mais de casa com dinheiro vivo e nem cartão de banco, só carrego o celular. Pago as contas, taxi, supermercado, tudo através do código QR do app do Alipay. Também consigo transferir dinheiro para outras contas. Uma maravilha!

Outro ponto positivo de comprar pela web na China é o prazo de entrega. As agências de correio funcionam muito bem no país inteiro. São várias empresas diferentes, o preço é justo e a entrega é rápida. As encomendas do Taobao costumam levar de dois a quatro dias para serem entregues. Algumas vezes chega de um dia para o outro.

  • “Bom, e depois dessa propaganda toda, como faz para comprar no Taobao, afinal?” Boa pergunta! Eu aprendi o passo a passo para cadastrar através deste tutorial. Eles explicam direitinho e ilustram através de fotos cada passo a ser seguido.

Então, depois de baixar o app através do Apple Store ou Android procurando por “Taobao” ou “淘宝”, é só se cadastrar, conforme o tutorial, e preparar o dedinho para fazer muitas compras online. Gosto do app, pois ele te envia mensagem avisando quando a compra foi despachada e posteriormente, quando saiu para entrega. Ainda te informa o itinerário da compra, ou seja, a cidade que está e o porque está lá. Para isso, é só ir no ícone do boneco, onde está escrito “我的淘宝” (meu Taobao) e depois no ícone do caminhão. Ah, e quando sai para a entrega você recebe o número de telefone do entregador. Quando estou ansiosa para receber algo ou preciso sair de casa, envio uma mensagem para o entregador (em mandarim, viu gente) e peço para vir à minha casa o quanto antes possível. Sempre funciona.

Enfim, o Taobao é fácil de usar, mas pode ser um pouco trabalhoso para nós que não sabemos ler em mandarim. Mas no fim das contas, o que a gente poupa $$ vale a pena.

Aproveite o 12/12 que é o dia de torra-torra na China (tipo Black Friday, mas cai numa segunda) e compre tudo o que você está precisando, de barbada. É ou não é o paraíso das compras online?

 

01 dezembro, 2016
Destino China | Tour gastrônomico por Shanghai
China, Destino China, DICAS, VIAGENS

A segunda maior cidade do mundo é um dos meus destinos preferidos na Ásia: além de estar localizada próxima de Xiamen, onde moro, tem uma infinidade de coisas interessantes para fazer. Então, sempre que posso, visito Shanghai. Dessa vez, fui para comemorar meu aniversário e aproveitar para curtir o clima cosmopolita e internacional da cidade, que eu tanto adoro.

Shanghai não é só um bom destino para turistar, conhecer a história da China, apreciar a arquitetura moderna e fazer compras, mas também é um ótimo lugar para experimentar a culinária local e internacional. Pensou que na China só tem comida esquisita? Em Shanghai você vai encontrar, praticamente, todas as cozinhas do mundo. E é por isso que essa cidade me apetece tanto…

O que teria melhor para fazer em um sábado frio, chuvoso e com vento do que um tour gastrônomico? Nada tão apetitoso me vem a cabeça. Esse roteiro – delicioso, diga-se de passagem – eu mesma montei com base nas minhas preferências. E aproveito para entregar aqui algumas dicas para quem está com viagem marcada para esse destino.

Beef & Liberty

Em dia de chuva dá uma vontade de enfiar o pé na jaca, não dá?! A primeira parada foi na Beef & Liberty, uma hamburgueria gourmet, localizada no Shanghai Centre Square, na West Nanjing Road. Eles são famosos pelos hamburguers gourmet feitos de maneira mais saudável possível, com carne bovina da Tasmânia, onde os bois são alimentados com grama. Apesar de adorar carne, a minha pedida foi o hamburguer de falafel acompanhado por fritas de batata doce. Não sou vegetariana nem nada, mas o hamburguer de falafel deles é divino! E a batatinha doce é simplesmente deliciosa. A combinação perfeita do levemente apimentado com o suavemente adocicado.

beef & liberty hamburger dica restaurante shanghai

Para harmonizar com os mais variados tipos de hambúrgueres, eles tem no menu várias cervejas artesanais, inclusive a famosa IPA. O atendimento é bom e o ambiente é moderninho e acolhedor. Os sofás e poltronas são tão confortáveis e o som ambiente tão animado, que dá vontade de ficar lá a tarde inteira só olhando a chuva cair do lado de fora.

Endereço: Suite 111, Shanghai Centre – No. 1376 west Nanjing Rd. | 南京西路1376号上海商城西峰111号商铺 邮政编码

Na Shanghai Centre, também conhecida por hospedar o luxuoso hotel Portman Ritz-Carlton, há diversas outras opções de restaurantes, são alguns deles:

baker & spice cafe da manha saudavel ovo pao Xangai

Baker & Spice :: padaria bistrô deliciosa (mais detalhes nesse post)

Element Fresh :: restaurante especializado em comida natural: saladas, sopas, sanduíches e outras entradinhas saudáveis e sucos naturais deliciosos.

Din Tai Fung :: um dos mais conceituados restaurantes chineses/taiwaneses de Shanghai.

Pure & Whole :: restaurante vegetariano maravilhoso, comidinhas saudáveis, leves e sucos deliciosos e fits. Esse eu super indico também.

Pizza Express :: bem ao lado do Beef & Liberty. Para quando bater a vontade de comer pizza…

Obs: todos os restaurantes citados acima tem endereço em outros pontos turísticos de Shanghai. Clique no link do nome para abrir o site, onde há maiores informações. 

A sobremesa e o cafezinho foram no Wagas, uma padaria da mesma rede da Baker & Spice e também com vários endereços pela cidade. O forte deles não são os doces, mas sim as saladas, cafés e sucos naturais.

Depois de namorar as vitrines e fazer umas comprinhas na East Nanjing Road, a maior rua comercial de Shanghai, pegamos a linha 2 do metrô direto para Xintiandi. O Xintiandi é um dos bairros mais descolados e graciosos da cidade e tem uma praça que reúne vários cafés, bistrôs, restaurantes, bares e lojas de moda. Eu adoro a atmosfera da região e sempre passo por aqui quando estou na cidade.

Nos dias de verão, a pedida é fazer um happy hour na varanda dos diversos restaurantes do Xintiandi Plaza. Já falei nesse post sobre o Bar da Paulaner, que é um dos mais frequentados. Também gosto do italiano Bottega Mozzarella Bar. A área externa é uma delícia para sentar, tomar um vinho ou espumante e reparar nas pessoas estilosas passando. Quanto ao menu, eu adoro as saladas e as pastas. Já o Rodrigo, adora a variedade de cervejas importadas.

Restaurante italiano xintiandi Shanghai Bottega bar

Bottega bar happy hour restaurante italiano Xintiandi Xangai

Estado Puro

Como o dia estava frio e chuvoso e o ambiente interno do Bottega um pouco vazio, fomos conhecer o restaurante ao lado – o espanhol chamado Estado Puro. Sabe aquele ambiente super convidativo que você entra e já se sente em casa?! Quentinho, intimista, aconchegante… No menu, montado pelo renomado chefe Paco Ronceiro, destaque para os tapas (de atum, ceviche e outros frutos do mar) e pratos principais. A carta de vinhos não deixa a desejar nem um pouco. Muy bueno!

estado-puro-restaurante-shanghai-xintiandi-espanhol

Estado Puro dicas restaurante Shanghai espanhol tapas

Endereço: Unit 3, Building 22, North Plaza, 181 Taicang Lu, near Huangpi Nan Lu | 太仓路181弄新天地北里22号楼1层03单元, 近黄陂南路

Jantar no The Bund

O tour gastrônomico terminou com um jantar no The Bund, a região mais turística de Shanghai. E, sinceramente, onde se tem a melhor vista noturna da cidade. Os melhores restaurantes estão ao longo da ZhongShan Lu, a principal avenida. Você pode escolher entre o italiano Atto Primo, o francês Mr. & Mrs. Bund, o espanhol El Willy ou o americano POP, só para citar alguns. Ah, e todos eles tem aquela vista maravilhosa do Rio HuangPu, dos prédios modernos e iluminados de Pudong e da atração principal: a Pearl Tower <3 No próximo #DestinoChina eu falo mais sobre o meu restaurante favorito.

Claro que depois desse tour gastrônomico eu corri para a academia na semana seguinte hahaha

Se gostou das dicas ou tem outras, deixe seu recado aqui embaixo 😉

Bom apetite!