19 janeiro, 2016
Destino China | Latina Grill, o sabor brasileiro na China
Destino China, DICAS

Pensa no melhor churrasco que você já comeu ou na melhor churrascaria que você já foi na sua vida. Pensou? O Latina é melhor! Sério! Melhor porque você está a milhares de kilômetros distante da sua terra e porque, se voce está algum tempo na China, provavelmente, está a algum tempo sem comer carne de qualidade! E quando você está do outro lado da mundo, não espera comer um churrasco tão saboroso e suculento (eu como boa gaúcha, amo!).

Recentemente, fui almoçar no Latina Grill em Shanghai, e mostrei minha saga pelo Snapchat {add Chinachic8 para acompanhar minhas aventuras em tempo real} e sei que muitos seguidores que estão no mesmo barco que eu, ou seja, com saudades de casa, se deliciaram junto comigo. Sabe aquele ditado: a gente só dá valor quando perde?! Pois bem, depois que vim para a China e entendi que achar uma boa picanha, um filé, o tão simples e gracioso aipim (macaxeira, mandioca, ou seja lá como você chama), o pão de queijo salgado (aqui na China até tem algo parecido, mas é doce) seria tarefa bem difícil, eu passei a dar muito valor para a nossa comida brasileira.
.
O restaurante tem espeto corrido e à la carte e um buffet generoso de saladas, frios e acompanhamentos. Entre eles: feijão preto, espiga de milho, polenta, aipim frito, pão de queijo e várias outras delícias. Tem tudo conforme pede uma refeição em uma churrascaria de respeito! E caipirinha, claaaro…
.
Churrascaria Latina Grill espeto corrido carne Shanghai China

restaurante brasileiro china latina

 .

pao de queijo guarana
.
E além de todas essas delícias, agora eles tem até guaraná Antártica!! Eu não tomo refri, mas quis trazer um para minha amiga brasileira que também mora em Xiamen. Pena que me recolheram a latinha no aeroporto, já que na China é proibido carregar líquidos mesmo em voos domésticos. O mais engraçado foram os guardinhas do raio-x do aeroporto, que não conseguiram esconder a curiosidade e já pegaram a lata de guaraná na minha frente. Devem ter adorado a bebida.
 
Atualmente, existe cinco restaurantes em Shanghai, um em Shenzhen e um em Beijing (que inaugurou recentemente) e estão com planos de abrir um em Guangzhou neste ano. O maior deles, e acredito, mais frequentado, fica na Rua Tongren, número 88 e tem um ambiente incrível. A decoração conta com palmeiras, paredes cobertas por folhagens, vidros azulados no chão (que lembram o mar) e música brasileira ambiente. Clima todo montado para a gente se sentir no Brasil.
.
latina grill restaurante churrascaria china
Outros endereços:
Shangai – Latina Lujiazui, Rua Lujiazui Ring, nº 165
Shanghai – Latina Biyun, no Green City Leisure & Sports Center House. Rua Biyun, nº 633
Shanghai – Latina Grand Gateway Plaza, Hongqiao Rd, nº 166
Shanghai – Latina Science & Technology Museum, Yatai Shenghui Shopping Square, Century Avenue 2002
Shenzhen – SeaWorld, zona C
Beijing – Grand Summit Building, próximo da estação de metrô Liangmaqiao
Se você estiver em algumas dessas cidades, junta a família os amigos e não perca essa experiência DELICIOSA! 😛
SaveMe!
01 dezembro, 2015
Destino China | As atrações turísticas e históricas de Pequim
Destino China

Palácio de Verão, Templo do Céu, Praça da Paz Celestial, Parque Beihai, só para citar alguns sights imperdíveis de Pequim. Há tanto o que se conhecer e admirar nesta cidade, que a capital chinesa merece mais um post na tag Destino China. Neste quarto e último post vou falar sobre atrações encantadoras e históricas que são must-see! Todos estavam na minha lista de lugares a conhecer, mas infelizmente, os dois dias e meio que estive na cidade não foram suficientes para visitar tudo :(

Diferente de Shanghai, onde três dias é suficiente para conhecer muita coisa, Pequim demanda mais tempo. Além de ter muitas atrações turísticas, estas costumam ser grandes e mais distantes umas das outras. Por exemplo, a Muralha da China fica fora da cidade e a Cidade Proibida é tão grande que toma, no mínimo, uma tarde para conhece-lá. Se você pretende ir ou está indo à Pequim, organize bem seu tempo e não deixe de visitar esses lugares (eu já estou louca para voltar lá e conhecer pessoalmente cada cantinho).

Beijing é mais uma cidade da China onde a mistura da tradição com a modernidade é indiscutível (estão aí as hutongs para confirmar isso). O tamanho da cidade é além do imaginável! Turistas devem se concentrar no distrito de Dongcheng, que é onde ficam as principais atrações. A Cidade Proibida, assim como a maioria das hutongs, ficam na parte central de Dongcheng. Quer saber o que mais você não pode perder?

Praça da Paz Celestial (Tian’anmen Square)

De cara para a entrada principal da Cidade Proibida, a praça mais conhecida como Tian’anmen é a maior praça do mundo (!!), com cerca de 440 mil metros quadrados. Você pode até conhecer ambas atrações (praça e Cidade Proibida) no mesmo dia, mas prepare-se para caminhar muito. A Tian’anmen foi construída a pedido de Mao Tse Tung para celebrar a grandiosidade do Partido Comunista. Ela foi palco do famoso protesto/massacre de 1989. O que o turista vai ver? O Monumento das Pessoas Heróis, o Mausóleo de Mao Zedong, prédios no estilo soviético e diversos políciais fardados marchando ou a cavalo (a segurança é super reforçada). Não dá para deixar de conhecer, pois é símbolo histórico da China.

tian'anmen Praça da Paz Celestial coração Beijing

praça da paz celestial segurança monumento pessoas herois

Templo do Céu (Temple of Heaven / Tiantan)

Considerada uma das construções mais lindas da China e o templo mais fantástico de Pequim, esta atração é o item número um da minha lista. O lugar não é apenas um templo, mas sim um conjunto de prédios construídos a partir do ano de 1400. São mais de três milhões de metros quadrados (consegue imaginar o tamanho disso?), sendo grande parte área verde. As principais construções são o Templo do Sol, a Abóbada Imperial Celestial, o Altar Circular e a Sala de Oração para Boas Colheitas (todos é preciso pagar 2o yuans para entrar), e eram onde o Imperador fazia suas oferendas e orações. O Templo do Céu é muito maior que a Cidade Proibida, casa do Imperador, porque, diz a lenda, ninguém ousava construir um lugar maior do que o destinado para os céus. O templo fica na parte sul de Dongcheng.

templo do ceu temple of heaven beijing china

templo do céu temple of heaven beijing oferenda oração

Palácio de Verão (Summer Palace / Yiheyuan)

Famoso por seus jardins imperiais maravilhosos, os palácios serviam como casa de verão da família Imperial. Delícia, né!? O lugar é tomado por água. É aqui que fica o Lago Kunming e a Colina da Longevidade, dois dos principais spots. Além da Ponte dos 17 Arcos, que passa pelo lago, o Longo Corredor que, como o nome já diz, é um longo corredor todo decorado, o Templo da Virtude Budista, entre tantos outros. Mais uma atração bem linda e bem grande para conhecer em Pequim. O Palácio de Verão, assim como o Antigo Palácio de Verão, ficam na parte norte da cidade e ambos são considerados patrimônio cultural da UNESCO.

Summer palace Palacio de Verao jardim imperial

lago Kunming lake Palacio de Verao Pequim

Parque Beihai (Beihai Gongyuan)

O que não falta em Pequim são parques, não sei dizer quantos, mas são muitos³. Só nos arredores da Cidade Proibida já nos deparamos com vários e um dos mais importantes é o Beihai Park. Este é considerado um dos mais belos jardins chineses. Ele concentra anos de importantes histórias da China e por isso é um dos mais procurados pelos turistas. Próximo do Beihai fica o Zhongnanhai, que já foi centro político de diversos gorvenos chineses ao longo dos anos e, atualmente, é sede do Partido Comunista da China.

Beihai Park centro Beijing

Beihai park ponte lago

Outras atrações importantes são o Templo dos Lamas, a Drum e a Bell Tower, o Museu Nacional da China, o Templo do Confucius, o parque Jingshang… ufa, são tantas atrações. E quando bater a fome, não deixe de experimentar o pato à Pequim no restaurante Quanjude Roast Duck, o prato mais típico de Pequim no restaurante mais tradicional da cidade.

Zàijiàn 再见

25 novembro, 2015
Destino China | As hutongs de Pequim [lojas e restaurantes]
Destino China

Depois de falar de dois grandes ícones da história e da cultura, não só de Pequim, mas da China – Cidade Proibida e Muralha da China, chegou a vez de falar delas, as hutongs! Para começar, você tem ideia do que “hutong” significa? Graças ao app Pleco (já falei dele aqui) eu descobri que hutong significa “beco/viela” em mandarim. E as hutongs de Pequim nada mais são do que ruelas, pequenas ruas. Aliás, elas são sim mais do que isso…

As primeiras hutongs surgiram ainda na dinastia Yuan, há mais de 1000 anos passados, mas foram nas dinastias Ming e Qing que elas se desenvolveram mais rapidamente, chegando a cerca de 3.500 só na cidade de Pequim. Consideradas o coração cultural da tradicional Pequim, essas ruas antigas e cheias de surpresas são, portanto, passeio indispensável para quem quer conhecer um pouco mais da história da cidade.

Atualmente, há mais de mil hutongs percorrendo Beijing. O portão principal, geralmente, é voltado para o sul, obedecendo os princípios básicos do Feng Shui (da mesma forma que acontece na Cidade Proibida). A maioria dessas ruelas ainda servem de moradia para antigos moradores de Pequim e ao passar por estas, é possível ter uma ideia de como é a vida desses antigos – simples e pacata, como se estivessem em uma cidadezinha pequena do interior. Outras, onde o comércio se desenvolveu mais fortemente através da instalação de restaurantes, cafés, bares, lojas e hotéis são, claro, as mais frequentadas por turistas e locais.

A mais famosa é a Nanluogu Xiang {metrô de mesmo nome}. Ela mantem o estilo cinza e antigo das hutongs, mas as casinhas se tornaram lojas, cafés, bares, restaurantes e hotéis devidamente decorados. É a hutong que concentra o maior número de shops, desde lojas de chá, passando por artigos artesanais chineses, brinquedos até bolsas de couro e roupas de cama. Por ali, nós curtimos o Pass by Bar, um restaurante-bar que serve pratos ocidentais. A comida não tem nada de especial, mas é gostosinha, mas o que vale é o ambiente moderno e aconchegante e a variedade de cervejas importadas e ainda por um preço super generoso (Rodrigo fez a festa). Eu indico, pois o clima é super agradável. Agora, se você prefere um restaurante de comida chinesa, opções é o que não faltam. Ah, dezenas de outras pequenas hutongs cortam a Nanluogu Xiang, não deixe de passar por elas.

nanluogu xiang hutong pequim china

shop loja gifts artesanato chines lustres

pass by bar hutong nanluogu xiang pequim

A Wudaoying Hutong também vale a visita. Achei que a rua faz muito juz ao estilo chinês: várias barraquinhas de petiscos, vendedores ambulantes, além de lojinhas de souvenirs e restaurantes. Fica do ladinho da Xiaoshibei Hutong, que passa pelos lagos Houhai. Ao redor dos lagos, há diversos restaurantes, bares e KTVs (karaokê chinês) e a noite, a região vira uma das principais áreas de nightlife. Tudo muito iluminado e colorido. Vale uma passadinha a noite para apreciar.

Wudaoying Hutong rio Hucheng Pequim

xiaoshibei hutong praça beijing

A Fangjia Hutong fica a poucas ruas ao sul da Wudaoying e é tão bacana quanto. Eu indico para aquela hora que bater a fome ou para um happy hour, já que os estabelecimentos são, em sua maioria, cafés, bares, restaurantes e casas de chá. Nós fomos caminhando, curtindo e parando aos poucos em cada cantinho para conhecer. O primeiro foi um restaurante mexicano que eu super indico (não lembro o nome, mas é fácil de achar). A sobremesa foi em um café super charmosinho e aconchegante com o tema Paris, tinha até crepe com nutella #yummy (o nome do café estava em mandarim seguido da palavra “dessert”) e por fim acabamos em um bar tibetano, que chamou nossa atenção por causa da decoração super colorida e diferente.

cafe bar paris hutong beijing
Relaxando após muita caminhada, em um café da Fangjia

E não estranhe (quero dizer, você vai estranhar, mas já aviso), como as hutongs são ruas muito antigas, os banheiros públicos permanecem como eram antigamente: buracos no chão e sem divisórias! Isso mesmo, sem divisórias entre um buraco e outro. É tudo assim, liberado para quem quiser ver você fazendo suas necessidades. E a maioria dos restaurantes não tem banheiro, então você se obriga a usar o público. P.S: o pior é que os locais acham isso super comum. Entrei no banheiro feminino para conhecer e as mulheres estavam lá batendo papo enquanto acocadas fazendo sabe-se lá o que kkkkk

banheiro publico toilet hutong china

Mas o melhor das hutongs é caminhar  despretensiosamente, apreciar as construções antigas e curtir os seus cafés, restaurantes ou tantas outras coisas que encontramos nessas ruelas. Tudo isso, sem se preocupar com o trânsito louco da cidade ou com as buzinas de carro – supostamente, não pode passar carros nas hutongs, mas como educação no trânsito não é o forte do chinês, vez ou outra nos deparamos com um automóvel tentando passar, mas nada que atrapalhe nossa agradável caminhada.

Definitivamente, é um passeio super gostoso e tranquilo no meio da tumultuada e agitada Pequim. Deve ser presença certa no roteiro de viagem de qualquer turista que venha à China. Você não acha?

 

19 novembro, 2015
Michael Kors – Inauguração da maior loja na Ásia e exposição Young China
Compras, MODA, Tendências

Uma mistura de arte, cultura, história e moda. Eu fiquei simplesmente en-can-ta-da, maravilhada, apaixonada (e muitos outros adjetivos) pela a campanha {será que podemos chamar assim?} da Michael Kors para celebrar a nova loja da marca em Pequim. Bolsas, como o modelo Sloan em novas cores e o clássico Miranda, aparecem em ilustrações pra lá de fashionistas, de famosas atrações turísticas de Beijing, como a Muralha da China, a Cidade Proibida e o Templo do Céu. Um trabalho realmente lindo feito pelo ilustrador Susu!

michael kors bolsa temple of heaven beijing

michael kors bolsa muralha da china pequim

bolsa miranda michael kors cidade proibida china

A maior loja da grife na Ásia fica no luxuoso Huamao Shopping Center. O evento de inauguração aconteceu ontem a noite, dia 18 de novembro, e contou com a presença dele, claro – o top designer Michael Kors, que também participou da abertura da exposição “Young China”, realizada em parceria com a Vogue China.

Essa exposição surgiu da ideia de dar mais destaque às novas estrelas chinesas em crescimento. Seis estrelas da tv e das passarelas foram as escolhidas. Os cliques e vídeos foram feitos pelo fotografo de moda Alexi Lubomirski em lugares variados: belos jardins da Old Town e em casas de chá de Shanghai, ruas de Nova York, casas privadas, entre outras. A stylist foi Yoyo Yao, vice-diretora de moda da Vogue China. E todas usavam, claro, Michael Kors.

O evento contou com a presença de várias celebs do mundo fashion chinês, entre elas, a modelo da Victoria’s Secrets, Ming Xi, a famosa top model chinesa Shu Pei Qing, além de Yang Mi, a capa da Vogue China deste mês e as estrelas da exposição Young China.

Michael Kors Beijing modelo Yang Mi editora Vogue China
Michael Kors entre a modelo Yang Mi e a director chefe da Vogue China, Angelica Cheung
Atrizes modelos chinesas diretora da Vogue China
Atrizes e modelos chinesas com a diretora da Vogue China

O estilista ainda tem outras lojas em Beijing, em Hong Kong e inaugurou sua primeira flagship em Shanghai no ano passado, com presença da modelo australiana mara Miranda Kerr. Quer ver mais ou entrar na onda do evento? Use a #KorsBeijing e #YoungChina.

Beijos chics!

18 novembro, 2015
Destino China | Um pesseio pelo Museu do Palácio, a antiga Cidade Proibida
Destino China

A maior e mais importante atração turística dentro de Beijing é, com certeza, a Forbidden City! Mas você sabe exatamente o que é e por quê recebe esse nome? Considerado o maior complexo de palácios do mundo e a maior área preservada de prédios antigos da China, a “cidade” de 720 mil metros quadrados, no coração de Beijing, foi moradia da família Imperial nas dinastias Ming e Qing. O nome “Proibida” foi dado, pois somente funcionários do governo e serviçais podiam entrar, jamais um cidadão comum poderia acessar seus portões, sem autorização do Imperador e o sistema de segurança era bem rígido. Até os dias atuais, o conjunto de pavilhões e palácios é conhecido por este nome, mas na verdade, desde 1925 (um ano após a saída do último imperador) se chama, oficialmente, Museu do Palácio.

Cidade Proibida Museu do Palacio Pequim

A posição dos palácios e portões de entrada obedecem os príncipios da numerologia, da mitologia e do Feng Shui, a arte chinesa que acredita que a disposição dos objetos e das construções influência na harmonia e nos bons fluídos. A porta de entrada principal de todos os palácios é voltada para o sul, mesma direção do sol. E há portões de entrada nos quatro pontos cardeais: norte, sul, leste e oeste.

Para chegar lá, pegamos o metrô até a estação Tian’anmen East que é próxima do portão leste (pode descer na estação West e entrar pelo portão oeste que dá no mesmo). Logo de cara, já passamos por um raio x (antes mesmo de comprar os ingressos). O primeiro contato com a Cidade Proibida é no portão onde fica o famoso retrato de Mao Tse Tung. Foi ali que ele proclamou a independência da República Popular da China em outubro de 1949, de frente para a Tian’anmen, a maior praça do mundo, a Praça da Paz Celestial. Após passar o prédio onde fica o retrato, você imagina que já está quase entrando na Cidade Proibida, mas não. É preciso caminhar um bocado ainda e passar por mais uns dois extensos corredores até chegar no “The Palace Museum Ticket Office”, lugar para compra dos ingressos.

Cidade Proibida retrato de Mao Tse Tung

O portão oficial de entrada é o Portão Meridiano (Meridian Gate), de onde o Imperador informava o calendário de Ano Novo, passava instruções para o seu exército e julgava os prisioneiros. Depois de passar desse portão, nos deparamos com uma das áreas mais incríveis da cidade, um enorme pátio formado por pontes de mármore em formato de arcos, um rio chamado Golden Stream ou Rio de Ouro, enormes estátuas de leões e, ao fundo, o Portão da Suprema Harmonia (Gate of Supreme Harmony). Não deixe de dar uma volta por aqui e ali e desvendar o que tem à sua direita e a à sua esquerda (no começo do passeio sempre estamos com muito pique hehe).

Forbidden City Beijing escadas

Portão Palácio Cidade Proibida Pequim

China Chic Cidade Proibida

Após o Portão da Suprema Harmonia, fica o Hall da Suprema Harmonia, que é a maior e mais importante construção da Cidade Proibida, construída no século XV e reformada no século XVII. Ali era celebrado o aniversário do Imperador, feita a nominação e condecoração de líders militares, entre outras celebrações. Dentro desse palácio fica um majestoso trono do dragão, mas infelizmente estava fechado para o público no dia.

À frente da entrada de cada pavilhão há três escadarias. A passagem central é a mais linda, toda trabalhada no mármore, com vários desenhos, o que mais se destacam são os de dragões. Nas dinastias, era reservada apenas para a passagem do Imperador e até hoje são fechadas para o público, que deve subir pelas escadas laterais.

Hall da Suprema Harmonia Cidade Proibida Pequim

Cidade Proibida passagem do Imperador dragoes

Achei interessante a quantidade de caldeirões e estátuas de leões que avistamos pela cidade. E como aqui tudo tem uma história, estes tem seus motivos para estarem aqui. Os caldeirões eram enchidos d’água e serviam para combater o fogo, em caso de incêndio. E era algo tão relevante na época, que, durante o inverno, eles eram protegidos por mantas grossas para impedir que a água congelasse. Os leãos serviam como guardas dos palácios. O macho tem a pata direita por cima de um globo, que representa o poder do Imperador sobre o mundo e a fêmea tem a pata sobre um leão bebê, que representava a fertilidade.

Cidade Proibida Beijing estatuas de leão

Cidade Proibida Beijing caldeiroes

Além dos palácios, pavilhões e estátuas, há galerias de cerâmica, pintura e caligrafia chinesa, teatro de ópera, a famosa tela dos nove dragões e mais. É realmente muita coisa para ver, o lugar é enorme (isso que uma parte dele não é aberta ao público) e rende uma boa caminhada. Quando já cansamos de ver palácios e portões, portões, portões, finalmente chegamos em uma das áreas mais bonitas, o Jardim Imperial. O jardim enorme de estilo chinês tem belas paisagens, árvores antigas, esculturas em pedra, passarelas e mais estátuas. Ele fica próximo do portão norte, que é o portão de saída da cidade museu.

Jardim Imperial Cidade Proibida

Arvores Jardim Imperial Cidade Proibida

Enfim chegamos ao fim da nossa jornada pela Cidade Proibida, que levou quase o dia inteiro, mas foi uma delícia. O passeio é um verdadeiro mergulho na história e nas belas construções ancestrais da China. Dependendo da epóca do ano, o museu pode estar cheio de turistas (como no lindo sábado de sol que fomos), mas o espaço é tão amplo que o povo se dispersa. Lotado ou não, não deixe de parar e reparar em cada detalhe, nos desenhos, nas pinturas, na arquitetura antiga,  afinal são construções de mais de 500 anos, que carregam muitas histórias e muitos significados.

Informações importantes: o ingresso de entrada custa ¥ 60,00 por pessoa em alta temporada e ¥ 40,00 na baixa temporada. E quem tiver interesse, tem áudio tour por um plus de ¥ 40,00. Eu não usei, mas acredito que tenha em português. Há restaurantes chineses, ATM e banheiros dentro do museu. 

Para saber mais da história da Cidade Proibida, assista ao filme O Ultimo Imperador, muito bom! Agora me conta o que achou do passeio pela Cidade Proibida com o China Chic?…

 

10 novembro, 2015
Destino China | A Grande Muralha da China
Destino China, VIAGENS

grande muralha da china pared pedra

Quando se fala em turismo histórico na China, qual a primeira coisa que você pensa? A imponente Great Wall é com certeza uma das atrações mais importantes do país e principal must-see de Beijing.

A Muralha da China que funciona como atração turística fica no norte do país e você sabia que esta não é a unica? Pois é, na China Imperial, durante várias dinastias, foram construídas três muralhas e a que existe até os dias atuais, foi a terceira e ultima.
Há diversas teorias sobre a construção das muralhas, talvez o próprio povo, na época, não sabia o real motivo de suas construções. Segundo nossa guia, a primeira muralha foi construída há mais de 2000 anos atrás para evitar invasões militares. Dizem que na época, a China não sofria chances de ser invadida, porém o Imperador quis construir a muralha, pois era obcecado por grandes projetos e precisava achar um rumo para os presos políticos e outros revoltados da época. A segunda muralha, construída no oeste da China, tinha por objetivo proteger a Silk Road ou Estrada da Seda, o principal caminho de distribuição da seda, da pimenta e de outras riquezas da China. Ambas, praticamente, desaparecem nos dias de hoje.
A terceira muralha, a do norte, foi construída há mais de 600 anos atrás para evitar a invasão dos mongóis, manchus e outros povos do norte. Apesar do alto investimento e dos centenas de milhares de trabalhadores utilizados (muitos morreram trabalhando por causa da falta de comida e do frio e dizem, seus corpos foram jogados ali mesmo, nos muros) a muralha não foi eficaz na sua principal função, já que os mongóis invadiram Beijing e arredores na época.

Mutianyu muralha da China torre

Saber a história do principal símbolo da China é importante, mas vamos para a parte boa que é o passeio!

Visitar um dos pontos turísticos mais históricos do mundo pode ser um dia especial para ser lembrado para o resto da vida ou um verdadeiro perrengue. A minha experiência foi uma das melhores possíveis! O último fim de semana estava ensolarado, com céu azul e sem nuvens, realmente uma benção se considerarmos que Beijing é uma das cidades mais poluídas do mundo. Estava frio, mas a neve ainda não havia caído.
A melhor ideia que tivemos foi contratar um motorista para nos levar até a o trecho da muralha que fica em Mutianyu, a uns 80 km de distância da capital. A viagem é um pouco longa e o passeio pode tomar quase um dia inteiro, mas vale a pena, sabe por que?
A parte da muralha mais próxima de Beijing fica em Badaling. O acesso por trem, ônibus e táxi é fácil e barato, e nas outras atrações turísticas da cidade é comum encontrar agentes de viagens oferecendo pacotes para Badaling. Tudo isso a torna mais famosa e frequentada por turistas. Dependendo da época do ano, a atração fica lotada, é um tumulto só, o que pode transformar o que era para ser um agrádavel passeio em uma péssima experiência. Mas claro, tudo depende do dia da semana que você escolhe e a época do ano – evite o ano novo chinês, que geralmente cai em fevereiro, junho, julho e agosto que é verão e início de outubro, feriado nacional.
O nosso motorista {deixarei o contato no fim do post} nos pegou no hotel as 8:30 da manhã e chegamos em Mutianyu pouco depois das 10h. O ticket de entrada foi comprado na hora mesmo pela nossa guia, custa ¥ 145 por pessoa. A subida para a muralha já começa divertida – pegamos um teleférico até a entrada. É chegando lá em cima que passamos a ter noção de sua dimensão. O cenário é lindo: montanhas e vegetação por todos os lados, e kilômetros e kilômetros de subidas e descidas entre muros e torres. Claro que é quase impossível para um mero ser humano, caminhar todo o trecho da muralha em um só dia. O trecho da muralha em Mutianyu, dizem ter mais de 3km de distância, mas parece ser muito mais que isso. E não esqueçam, há steps para todos os lados. Quando você para de descer, você começa a subir rsrsrs
O tempo de visita vai depender do seu grau de interesse e da sua disposição. Ah, e também de quantas fotos você pretende tirar kkkk O lugar é realmente mágico!

subida escadas muralha da china

mutianyu  muralha da china beijing

grande muralha da china muros

viagem muralha da china

muralha da china topo

vista da muralha da china

topo great wall

A descida da muralha é tão legal quanto a subida, pois você tem a opção de voltar de teleférico ou de tobogã, que é muito divertido! Agora pensa: quando você achou que iria andar de tobogã em uma das construções mais antigas do mundo? O carrinho é super seguro e você pode controlar a velocidade através de uma trava. Eu super recomendo!!! Quem segue o snap do blog pode acompanhar tudo por lá – é só adicionar ChinaChic8.

 toboga carrinho muralha da china
Great Wall toboga car
.
Contratamos o serviço de car tour do China International Travel Service. Contato Lu Lu +86 18010136871 e email lulu198526@163.com (fala inglês). Os valores variam de ¥ 400 a ¥ 1000 por dia. Pagamos ¥ 800 para um van com seis lugares.
Dica de amiga: não esqueça de usar sapatos confortavéis e adequados.
A Muralha da China é realmente um dos destinos mais imperdíveis! Incluam esse passeio na bucketlist que realmente vale a pena!
07 novembro, 2015
China Fashion Week Spring/Summer 2016 em Pequim
MODA, Tendências

A Shanghai Fashion Week pode ser a semana de moda mais popular da China, mas a China Fashion Week, que acontece em Beijing é a oficial. O evento acontece na capital da China desde 1997 e em 2011, passou a ser patrocinado pela Mercedes-Benz. Os desfiles acontecem no Beijing Hotel e no 751D Park.

Além dos desfiles de estilistas chineses, o maior evento de moda da China traz worshops, concursos e premiações. O CFW ainda oferece aos novos designers a oportunidade de mostrarem seu trabalho. Um dos momentos mais esperados por eles é a premiação do Mercedes-Benz China Designer, concurso em que é escolhido o melhor designer, entre os inscritos. E atenção estilistas do Brasil (!!!): estrangeiros também podem concorrer ao prêmio! Basta de inscrever no site e apresentar uma pequena coleção de cair o queixo! Segundo a WWD, a ganhadora deste ano, Xiao Li, fará parte do Londres Fashion Week no próximo ano. Top, né?!

Bom, selecionei algumas fotos de marcas que conheço e que trouxeram algo de muito relevante para essa estação e fiz um resumo das próximas tendências, de acordo com os estilistas chineses. Confira:

ILOVECHOC

A marca do designer Wei Chao surgiu em 2009 e é sucesso entre os fashionistas chineses, graças as suas diferentes e impactantes criações. A coleção de primavera/verão 2016 não poderia ser diferente. Para começar eu achei incrível o tema dessa coleção: Greenhouse (Efeito Estufa). O desfile foi dividido em duas partes. A primeira, chamada “Breath” e a segunda, “Alleviation” (“Folêgo” e “Alívio” respectivamente).

As cores preto e cinza foram usadas na coleção, para representar a neblina causada pelos gases nocivos produzidos pelos seres humanos e que, claro, degradam o meio ambiente. Peças em PVC e bandage são para imprimir nas pessoas a sensação de estarem vinculadas a poluição. Ou seja, elas poluem, mas também sofrem com isso.

Para representar o meio ambiente, na parte “Alleviation” tivemos muitas cores vivas, principalmente azul e verde. As modelos utilizam uma espécia de voal, branco e transparente, para representar as nuvens claras e livres da poluição e colados à eles, desenhos de boca e nariz.china fashion week I love Choc desfile final china fashion week i love choc poluiçãoEm um dos países mais poluídos do mundo, a ideia de conscientizar as pessoas sobre isso e fazer um pedido velado de cuidado com o meio ambiente, através da moda é algo a ser aplaudido de pé. Aprovadissímo!!!

NE-TIGER

O estilista de alta costura abriu os trabalhos dessa temporada de China Fashion Week. Modelos clássicos e mais cara de China impossível, a coleção de primavera/verão da marca pode não ser tão ready-to-wear no dia a dia, mas que dão um show de beleza, classe e chiqueza, isso não podemos negar. Cortes simples, que valorizam o corpo das modelos e estampas maravilhosas inspiradas na arte chinesa resumem a magnitude dessa coleção. Destaque para os vestidos modernos e ainda mais elegantes, com a gola do tradicional traje chinês, o qipao.

ne-tiger-haute-couture-collection-china-fashion-weekchina fashion week arte chinesa vestidos festa

OUDIFU Li Zuliang

Figura carimbada no top 10 melhores fashion designers chineses, Li se inspirou na geografia e no reino vegetal e animal da província chinesa de Yunnan, para criar essa coleção.  Designs étnicos inspirados nos povos em minoria da região foram destaque da coleção, que contou ainda detalhes dos animais como o pavão, o elefante e da flor Dali, desenhados a mão nas roupas. Mangas largas em triângulo e franjas, que prometem continuar em alta, remetem aos trajes típicos desses povos.china fashion week ODIFU LI ZULIANGoudifu designer chines etnicos

Gente, e o que é o print étnicos desses vestidos? A mistura de cores e de estampas é realmente linda! Mais um artista que conquistou meu coração, pois mostrou através da moda, um pouco das belezas naturais de uma região e da história e das tradições de um povo tão distante da moda atual.

ALICIA LEE Li Kun

Looks românticos, com rendas florais e muita transparência, que dão um toque ousado as produções, foi o que mais apareceu no desfile de Li Kun. A coleção foi inspirada nas obras de arte e arquitetura do artista da União Soviética El Lissitzky. A estilista trouxe também um pouco da tendência esportiva, com listras unicas e scarpins usados com meia soquete.

china fashion week renda sporty Alicia Lee Li Kun

JEFEN By Frankie

Um dos estilistas mais veteranos, Frank Xie Fang da marca de alta costura Jefen By Frankie, fechou a semana de moda com chave de ouro. Para a passarela, ele trouxe franjas, babados, shapes estruturados e tecidos fluídos, que se viu muuuito nos desfiles de primavera/verão das semanas de moda internacionais e claro, já podemos dizer: tem que ter no guarda-roupa! O estilista brincou com a assimetria, trazendo blusas de um ombro só e vestidos com um lado mais longo. A coleção foi inspirada no Jardim do Éden e usou tecidos de alta qualidade, como seda pura, cetim, organza e jacquard. Os detalhes lembravam as artes tradicionais chinesas e o artesanato. E pasmem: tudo feito a mão!

china fashion week jefen babados blazer capa all whiteFotos China Fashion Week

O total de nove dias de Fashion Week tiveram ainda muitos outros desfiles de marcas importantes, e não só para mulheres, mas também para o público masculino e infantil e para as noivinhas (já estou de olho :D). É realmente um evento muito importante para a cena fashion da China, quanto do mundo. Fiquei impressionada com as coleções, povo oriental arrasando no mundo fashion. Clap, clap, clap!

O que você achou? Conta aí… :)